Degelo do permafrost acelera a erosão costeira no Ártico

 

Degelo do permafrost acelera a erosão costeira no Ártico

Pesquisadores do permafrost analisam os fatores de mudanças rápidas nas costas do Ártico e as implicações para os seres humanos e o meio ambiente

Alfred-Wegener-Institute / Helmholtz Center for Polar and Marine Research (AWI)*

As costas do Ártico são caracterizadas por gelo marinho, permafrost e gelo terrestre. Isso os torna particularmente vulneráveis aos efeitos das mudanças climáticas, que já estão acelerando a rápida erosão costeira. O aquecimento crescente está afetando a estabilidade da costa, sedimentos, armazenamento de carbono e mobilização de nutrientes. Compreender a correlação dessas mudanças é essencial para melhorar as previsões e estratégias de adaptação para as costas do Ártico.

Em uma edição especial da revista Nature Reviews Earth & Environment , pesquisadores do Alfred Wegener Institute descrevem a sensibilidade das costas do Ártico às mudanças climáticas e os desafios para os humanos e a natureza.

“O ritmo das mudanças no Ártico está aumentando, levando a um recuo costeiro acelerado”, diz Anna Irrgang, do Alfred Wegener Institute, Helmholtz Center for Polar and Marine Research (AWI). “Isso afeta o ambiente natural e humano, por exemplo, liberando carbono do solo no mar e na atmosfera, ou perdendo a terra que sustenta comunidades e infraestrutura.” Exatamente como e quanto as costas estão mudando depende da interação das configurações costeiras locais, como a presença de permafrost, e fatores ambientais, como a temperatura do ar e da água. “As previsões sobre isso geralmente estão sujeitas a grandes incertezas porque dados oceanográficos e ambientais confiáveis para zonas costeiras remotas são limitados”, diz Irrgang. Para melhorar a compreensão e, portanto, as previsões de desenvolvimentos futuros,

Fatores ambientais e configurações locais impulsionam a mudança costeira

As costas do Ártico têm estruturas diferentes dependendo da região. No Alasca, Canadá ou Sibéria, por exemplo, eles são particularmente ricos em gelo terrestre com penhascos de permafrost que variam em altura de até 40 metros. Na Groenlândia, Svalbard e no arquipélago canadense, por outro lado, as costas geralmente contêm pouco ou nenhum gelo no solo, mas, em vez disso, grandes volumes de sedimentos grosseiros, derivados de geleiras, ou mesmo rochas sólidas. Essas diferenças geomorfológicas regionais influenciam como outras variáveis ambientais afetam as costas. Por exemplo, se as temperaturas do ar e da água mudarem, isso afetará todo o sistema costeiro. Penhascos de permafrost ricos em gelo, por exemplo, alguns dos quais com até 80% de gelo, são bastante resistentes à ação das ondas mecânicas. No entanto, quando descongelam devido ao aumento da temperatura do ar e da água,

As costas do Ártico são, portanto, particularmente sensíveis ao clima: o aquecimento global está causando o degelo de grandes áreas de permafrost, o derretimento do gelo do solo e o colapso das superfícies terrestres. Isso, por sua vez, afeta a disponibilidade e a qualidade da água, o crescimento das plantas e aumenta o desgaste do solo (erosão) e as inundações costeiras. Além disso, as temperaturas da superfície do mar aumentam na maior parte do Ártico, o que pode prolongar o período sem gelo marinho. As costas ficam então expostas a ondas fortes por muito mais tempo, especialmente durante o outono tempestuoso.

Mudanças na costa do Ártico

A comparação das taxas de mudança das costas do Ártico mostra que a esmagadora maioria das costas do permafrost está recuando devido à erosão. A Ilha Herschel, no norte do Canadá, por exemplo, perde até 22 metros de penhasco por ano.Quando o permafrost derrete, ele permite que carbono orgânico, nutrientes e poluentes sejam liberados no ambiente costeiro e na atmosfera. Especialistas estimam que a erosão costeira libera cerca de 14 megatons de carbono orgânico no Oceano Ártico a cada ano – o que é maior do que a quantidade de carbono orgânico particulado fornecido pelos rios do Ártico. O degelo de solos anteriormente sólidos também está afetando a população local. Cerca de 4,3 milhões deles serão confrontados com as consequências: perderão edifícios e estradas, áreas de caça tradicionais e também locais culturais. No Alasca, assentamentos inteiros já precisam ser abandonados e as pessoas precisam se mudar. A erosão das áreas congeladas aumenta os riscos de degelo do permafrost e a poluição ambiental atualmente incalculável das infraestruturas industriais. Só a longo prazo,

Dados precisos para boas condições de vida nas costas do Ártico

“Nossa compreensão atual da dinâmica costeira do Ártico é fragmentada, com poucos dados com alta resolução espacial e temporal sobre fatores ambientais e mudanças na costa”, diz Anna Irrgang. “Embora esses conjuntos de dados já existam para algumas regiões, como o norte do Alasca, a maior parte da costa do Ártico está mal mapeada.” No entanto, observações em todo o Ártico de fatores ambientais e mudanças costeiras são urgentemente necessárias para reduzir as incertezas nas previsões. Isso ajudaria as comunidades locais a lidar com novos desenvolvimentos socioecológicos. “Para isso, precisamos desenvolver métodos de adaptação que possibilitem condições de vida boas e sustentáveis nos assentamentos costeiros do Ártico. A estreita cooperação com a população local é fundamental para isso”, diz Anna Irrgang.

A análise da mudança costeira do Ártico faz parte da edição especial “Permafrost” da revista Nature Reviews Earth & Environment. A Seção de Permafrost AWI também está envolvida com duas contribuições adicionais: em uma revisão, os pesquisadores mostram como milhões de lagos de orvalho e bacias de lagos drenados se formaram e cresceram em áreas baixas do Ártico e boreal como resultado do derretimento do permafrost rico em gelo. Esses processos influenciam os processos da paisagem e do ecossistema, bem como os meios de subsistência humanos nas vastas regiões das terras baixas do Ártico. Um terceiro artigo apresenta o projeto “Permafrost Comics”, que utiliza desenhos animados para tornar o conhecimento sobre o permafrost mais acessível a um público amplo e principalmente jovem.

Referência:

Anna M. Irrgang, Mette Bendixen, Louise M. Farquharson, Alisa V. Baranskaya, Li H. Erikson, Ann E. Gibbs, Stanislav A. Ogorodov, Pier Paul Overduin, Hugues Lantuit, Mikhail N. Grigoriev, Benjamin M. Jones (2022): Drivers, dynamics and impacts of changing Arctic coasts. Nature Reviews Earth & Environment, https://doi.org/10.1038/s43017-021-00232-1

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/01/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top