Estudos indicam que haverá mais chuva e menos neve no Ártico até o final do século

 

degelo

Estudos indicam que haverá mais chuva e menos neve no Ártico até o final do século

O Ártico é frequentemente considerado uma região fria, branca e com neve, mas esta imagem está mudando rapidamente.

O Ártico está atualmente aquecendo muito mais rápido do que o resto do planeta (1) e está experimentando uma rápida perda de gelo marinho

Por Michelle McCrystall*
Bolsista de pós-doutorado, Center for Earth Observation Science, University of Manitoba

Como cientista do clima e modeladora, estou interessada no que impulsiona o clima do Ártico e como ele deve mudar com o aquecimento global contínuo. Em nosso estudo mais recente, meus colegas e eu descobrimos que a precipitação no Ártico está mudando mais rapidamente do que foi projetado anteriormente.

No Ártico, a maior parte da precipitação cai na forma de neve. Mas o Ártico está mudando rapidamente para um clima dominado pela chuva. Em agosto, por exemplo, choveu pela primeira vez no cume do manto de gelo da Groenlândia . Essas mudanças terão enormes implicações na terra, na vida selvagem e na subsistência humana.

Clima passado, presente e futuro
Estudos anteriores geralmente concordam que a precipitação aumentará no Ártico ao longo deste século (2) e que é mais provável que caia como chuva do que como neve (3) . Mas, com o recente lançamento de novos dados, queríamos saber como essas projeções podem ter mudado.

Esses dados são gerados por meio do Projeto de Intercomparação de Modelo Acoplado , conhecido como CMIP, e são abertos gratuitamente e acessíveis a todos. Este projeto basicamente gera dados, com base nas mesmas condições iniciais, de cerca de 50 centros ao redor do mundo para melhor compreender o clima passado, presente e futuro.

Os dados gerados por esses modelos fornecem informações sobre as temperaturas atmosféricas e oceânicas atuais e futuras, condições do gelo marinho e ventos, para citar apenas alguns. Os novos dados do modelo são a saída da última fase deste projeto, Fase 6, conhecida como CMIP6 , que comparamos com a fase anterior, Fase 5 ou CMIP5 .

Como se pode imaginar, isso significa que temos muitos dados, o que ao avaliar o clima atual e futuro é essencial, porque o clima e principalmente as mudanças climáticas futuras são difíceis de prever. No entanto, esses modelos, que são como simulações, são a melhor representação do clima que temos.

Na verdade, pudemos mostrar neste estudo que os dados do modelo usados fazem um bom trabalho na simulação do clima observado, pois a precipitação média nos modelos é muito semelhante às observações. Isso significa que podemos ter mais confiança nos modelos e, claro, em suas projeções futuras.

Mais chuva, menos neve
O próprio estudo comparou a variação da precipitação no final do século (2090-2100) em relação ao início do século (2005-14), em todas as estações entre CMIP6 e CMIP5. Em comparação com as projeções do CMIP5, haverá mais chuva e menos neve no Ártico até o final do século, especialmente no outono e inverno.

A maioria dessas mudanças se deve a maiores aumentos de temperatura, ao transporte de umidade para o Ártico e ao declínio do gelo marinho ártico. Mais água aberta e umidade no Ártico levarão a níveis mais altos de água na atmosfera, o que levará a mais precipitação. Este aumento de água no ar junto com temperaturas mais quentes significará que mais disso cairá como chuva ao invés de neve.

A transição para a precipitação dominada pela chuva ocorre algumas décadas antes do previsto pelos modelos anteriores, dependendo da estação e da região. Por exemplo, o Ártico central torna-se dominado pela chuva no outono de 2070, em vez de 2090.

Efeitos em cadeia
Nosso estudo também explorou as mudanças na precipitação em relação ao aquecimento global e, especificamente, no que diz respeito aos acordos globais para permanecer dentro de um mundo de 1,5 C seguindo o Acordo de Paris . Se pudermos limitar o aquecimento global a 1,5 C, a maior parte do Ártico deve permanecer dominado pela queda de neve. Mas se continuarmos com as projeções atuais, na meta de 3 C de aquecimento , a maior parte do Ártico será dominado pela chuva até o final do século.

Essas mudanças mais rápidas na precipitação podem causar muitos problemas sérios dentro e fora do Ártico. Por exemplo, eventos de chuva na neve, especialmente quando seguidos por temperaturas congelantes, fazem com que camadas de gelo se formem sobre a neve ou dentro dela.

Isso não apenas torna o transporte e as viagens mais difíceis para as pessoas que vivem no Ártico, mas também significa que muitos animais, como renas e caribus, lutam para romper a crosta de gelo para encontrar comida sob a neve. Isso pode levar a enormes mortes . Essas mudanças também têm implicações globais: a chuva na camada de gelo da Groenlândia, especialmente ao redor da costa, pode levar a mais derretimento glacial no oceano e contribuir para o aumento do nível do mar .

Embora agora se espere que essas mudanças aconteçam mais rápido do que se pensava anteriormente e resultem em efeitos mais graves, ainda podemos ser otimistas sobre nosso futuro se pudermos limitar o aquecimento global a 1,5 C, como muitos líderes mundiais prometeram fazer.

Com as reduções em nossas emissões globais, o declínio na queda de neve no Ártico não será tão extremo, o que significa que a vida pode continuar a prosperar no Ártico e em todo o globo.

Referências:

(1) Arctic amplification of climate change: a review of underlying mechanisms
Michael Previdi et al 2021 Environ. Res. Lett. 16 093003 https://doi.org/10.1088/1748-9326/ac1c29

(2) Bintanja, R., Selten, F. Future increases in Arctic precipitation linked to local evaporation and sea-ice retreat. Nature 509, 479–482 (2014). https://doi.org/10.1038/nature13259

(3) Bintanja, R., Andry, O. Towards a rain-dominated Arctic. Nature Clim Change 7, 263–267 (2017). https://doi.org/10.1038/nclimate3240

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

* Este artigo foi publicado originalmente no site The Conversation e republicado aqui sob uma licença Creative Commons. Leia aqui a versão original em inglês: https://theconversation.com/less-snow-more-rain-in-store-for-the-arctic-study-finds-172732

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/12/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top