Empresas de tecnologia subnotificam as emissões de CO2

 

emissões globais de co2 no setor de energia

Empresas de tecnologia subnotificam as emissões de CO2

As empresas do setor de tecnologia digital estão subestimando significativamente as emissões de gases de efeito estufa que surgem ao longo da cadeia de valor de seus produtos.

Pela TUM School of Management*

Em uma amostra de 56 grandes empresas de tecnologia pesquisadas em um estudo da Universidade Técnica de Munique (TUM), mais da metade dessas emissões foram excluídas do autorrelato em 2019. Em aproximadamente 390 megatons equivalentes de dióxido de carbono, as emissões omitidas estão em a mesma estimativa da pegada de carbono da Austrália. A equipe de pesquisa desenvolveu um método para detectar fontes de erro e calcular as divulgações omitidas.

Para que os formuladores de políticas e o setor privado estabeleçam metas de redução das emissões de gases de efeito estufa, é importante saber quanto CO2 as empresas estão realmente emitindo. No entanto, não há requisitos obrigatórios para uma contabilidade abrangente e divulgação completa dessas emissões. O Greenhouse Gas (GHG) Protocol é visto como um padrão voluntário.

Ele distingue três categorias de emissões: Escopo 1 se refere às emissões diretas das atividades da própria empresa, escopo 2 se refere às emissões da produção de energia comprada e escopo 3 às emissões de atividades ao longo da cadeia de valor, em outras palavras, todas as emissões de matérias-primas extração do material até o aproveitamento do produto final. As emissões do Escopo 3 geralmente representam a maior parte da pegada de carbono de uma empresa. Estudos anteriores também mostraram que essas emissões são responsáveis pela maioria das lacunas de relatórios. Até agora,

Lena Klaaßen e o Dr. Christian Stoll da Escola de Administração TUM da Universidade Técnica de Munique (TUM) desenvolveram um método para identificar lacunas de relatórios para emissões de escopo 3 e o usaram em um estudo de caso para determinar as pegadas de carbono de pré-selecionados empresas de tecnologia digital. Seu artigo já foi publicado na revista Nature Communications.

Empresas publicam números inconsistentes

Klaaßen e Stoll determinaram que muitas empresas enviam números diferentes de emissões de gases de efeito estufa, dependendo de onde os relatam. Eles se concentraram principalmente nos relatórios das próprias empresas, em comparação com as divulgações voluntárias para a organização sem fins lucrativos CDP. A pesquisa anual de empresas realizada pelo CDP é considerada a mais importante coleta de dados com base na estrutura do GHG Protocol. A maioria das empresas divulga emissões mais baixas em seus próprios relatórios do que na pesquisa do CDP. Isso pode ser parcialmente devido ao fato de que o relatório do CDP se destina principalmente a investidores, enquanto os relatórios corporativos são dirigidos ao público em geral.

Além disso, o CDP deixa para as empresas relatoras escolherem quais das 15 categorias do GHG Protocol – desde viagens de negócios até o descarte de resíduos – são relevantes para elas. Os estudos mostram que essa liberdade discricionária resulta em algumas empresas ignorando certas categorias ou não relatando totalmente as emissões relacionadas. A maioria das empresas tem lacunas nos relatórios simplesmente porque não recebem dados de emissões de todos os fornecedores e não preenchem as lacunas com dados secundários.

Para fechar as lacunas, Klaaßen e Stoll calculam as emissões aplicando os valores de várias empresas comparáveis que relatam números completos. Eles levam em consideração se essas empresas são do mesmo setor e são comparáveis em termos de indicadores-chave, como vendas, lucros e tamanho da força de trabalho. Para aplicar um benchmark uniforme, eles assumem que as categorias do GHG Protocol são relevantes para uma empresa, a menos que afirme especificamente que as emissões são inexistentes nesta área.

751 vs. 360 megatons equivalentes de dióxido de carbono

Klaaßen e Stoll aplicaram esse método para quantificar as emissões de escopo 3 de 56 empresas de tecnologia digital. Devido ao seu alto consumo de energia, essa indústria é vista como uma importante fonte de emissões de CO2, mas frequentemente afirma estar comprometida com um modelo de negócios de baixo carbono. O estudo de caso investiga fabricantes de software e hardware que foram incluídos na lista Forbes Global 2000 de 2019, classificando as maiores empresas públicas do mundo, e participaram da pesquisa CDP no mesmo ano.

Os cálculos mostram que em 2019 as empresas de tecnologia analisadas não divulgaram mais de 50% das emissões de gases de efeito estufa ao longo da cadeia de valor em seus próprios relatórios e / ou pesquisa do CDP. Em vez dos equivalentes de dióxido de carbono de 360 megatons (a unidade padronizada para todos os gases de efeito estufa), o estudo chega a um total de 751 megatons. A discrepância de 391 megatons é comparável às emissões anuais de gases de efeito estufa da Austrália.

Diferenças significativas entre empresas

Metade das empresas apresentou ao CDP dados que não estavam de acordo com os dados divulgados em seus próprios relatórios corporativos. Era especialmente comum que esses relatórios ignorassem as categorias do GHG Protocol que contribuem substancialmente para as emissões. Por exemplo, 43% das empresas negligenciaram as emissões do uso de produtos vendidos e 30% negligenciaram bens e serviços adquiridos.

As diferenças na qualidade das divulgações das empresas foram significativas. Enquanto algumas empresas omitiram apenas uma categoria do GHG Protocol, outras ignoraram todas as classes de emissões do escopo 3. Na maior discrepância encontrada pelos pesquisadores, as emissões divulgadas publicamente e o valor calculado diferiram por um fator de 185. Os valores mais próximos diferiram em apenas 0,06%. As empresas de hardware omitiram mais da metade de suas emissões globais e as empresas de software um pouco menos da metade. As empresas que anunciaram metas ambiciosas de redução de CO2 foram relativamente precisas em seus relatórios. Aqui, a diferença entre as quantidades divulgadas e ajustadas foi inferior a 20%.

“Considere a adoção de regulamentos vinculativos”

“O relato frequentemente assistemático e impreciso das pegadas de carbono das empresas é um problema para os formuladores de políticas, as partes interessadas e as próprias empresas”, disse Lena Klaaßen. “A falta de transparência dificulta o estabelecimento de metas realistas e o desenvolvimento de estratégias eficazes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e a avaliação adequada das empresas”.

Além de pesquisas adicionais em outros ramos, os autores acreditam que um novo marco regulatório é necessário. “À luz do sub-registro atual que observamos, parece improvável que as diretrizes voluntárias por si só possam trazer divulgações mais precisas no futuro”, disse Christian Stoll. “Consequentemente, os formuladores de políticas devem pensar em diretrizes vinculativas com regras claras sobre como as emissões de gases de efeito estufa são relatadas.”

Referência:

Klaaßen, L., Stoll, C. Harmonizing corporate carbon footprints. Nat Commun 12, 6149 (2021). DOI: 10.1038/s41467-021-26349-x

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/11/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top