Energias eólica e solar podem atender 85% das necessidades de eletricidade dos EUA

 

energia 'verde'

Energias eólica e solar podem atender 85% das necessidades de eletricidade dos EUA, artigo de Vivaldo José Breternitz

A prestigiadíssima revista científica Nature Communications publicou os resultados de um estudo que concluiu ser possível atender 85% das necessidades de eletricidade dos Estados Unidos utilizando energia eólica e solar. Melhorias em sistemas de armazenagem poderiam aumentar esse número.

O estudo foi desenvolvido por cientistas da University of California, da China’s Tsinghua University, do Carnegie Institution for Science e do Caltech, que analisaram os dados sobre demanda de energia hora a hora, de 42 países por um período de 39 anos – uma aplicação clássica de big data/analytics.

Além dos 85% observados para os Estados Unidos, o estudo permitiu observar que nos demais países, esse número oscila entre 72% e 91%, sem levar em conta eventuais melhorias nos sistemas de armazenamento, que se tivessem capacidade para armazenar 12 horas de consumo, elevariam esses números para 83% e 94%.

Mas há aspectos geográficos a considerar: se para os países próximos à linha do Equador, como o Brasil, seria mais fácil mudar totalmente para fontes de energia sustentáveis, de vez que dispõem de sol por períodos mais longos, outros países, como a Alemanha, por exemplo, podem ter dificuldades para atender às suas necessidades por meio da energia eólica e solar, por estarem em latitudes mais altas.

Além do aperfeiçoamento dos sistemas de armazenamento, outra solução seria países de uma mesma região compartilharem recursos. O professor Dan Tong, da Universidade Tsinghua e principal autor do artigo, disse a título de exemplo que, um sistema que juntasse a energia gerada pelo sol abundante da Espanha, Itália e Grécia, com a gerada pelo vento abundante da Holanda, Dinamarca e região do Báltico, seria muito consistente e estável.

Alguns países estão reduzindo sua dependência de combustíveis fósseis, o que é essencial para mitigar as emissões de carbono e limitar o impacto das mudanças climáticas; em 2020, a Europa gerou mais eletricidade a partir de fontes renováveis do que a partir de combustíveis fósseis, mas mesmo com esses esforços e os números trazidos pelo relatório, ainda haveria centenas de horas por ano em que a demanda não seria atendida, havendo a necessidade de fontes alternativas.

Além disso, medidas como o aumento do número de veículos elétricos, podem gerar novos e graves problemas ambientais, como já é o de descarte de baterias inservíveis.

Não há soluções fáceis para o problema, que é de todos nós, e não apenas de governos e empresas.

Vivaldo José Breternitz é Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor do Programa de Mestrado em Computação Aplicada da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/11/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top