Ação humana alterou a biodiversidade do oceano, de bactérias a baleias

 

oceano
Unsplash / Marek Okon

Ação humana alterou a biodiversidade do oceano, de bactérias a baleias

Impactos humanos já tiveram consequências importantes para as espécies oceânicas maiores e mudaram dramaticamente um dos padrões de maior escala da vida – um padrão que abrange toda a biodiversidade do oceano

Um novo estudo internacional realizado pelo Instituto de Ciência e Tecnologia Ambiental da Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB) examinou a distribuição da biomassa em toda a vida nos oceanos, das bactérias às baleias. Sua quantificação do impacto humano revela uma alteração fundamental em um dos padrões de maior escala da vida.

Pela Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB)*

Enquanto os legisladores se reúnem em Glasgow para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, há um reconhecimento crescente de que os impactos humanos sobre o meio ambiente estão se tornando globais e cada vez mais urgentes. No entanto, obter uma perspectiva quantitativa sobre esses impactos permaneceu ilusório.

Cientistas do ICTA-UAB na Espanha, o Instituto Max Planck de Matemática nas Ciências na Alemanha, a Queensland University of Technology na Austrália, o Weizmann Institute of Science em Israel e a McGill University no Canadá usaram avanços na observação do oceano e análises para mostrar que os impactos humanos já tiveram consequências importantes para as espécies oceânicas maiores e mudaram dramaticamente um dos padrões de maior escala da vida – um padrão que abrange toda a biodiversidade do oceano, de bactérias a baleias.

As primeiras amostras de biomassa do plâncton marinho de 50 anos atrás levaram os pesquisadores a hipotetizar que quantidades aproximadamente iguais de biomassa ocorrem em todos os tamanhos. Por exemplo, embora as bactérias sejam 23 ordens de magnitude menores do que uma baleia azul, elas também são 23 ordens de magnitude mais abundantes. Essa hipótese de espectro de tamanho desde então permaneceu incontestada, embora nunca tenha sido verificada globalmente de bactérias para baleias. Os autores do estudo, publicado na revista Science Advances, buscaram testar essa hipótese em escala global pela primeira vez. Eles usaram reconstruções históricas e modelos de ecossistemas marinhos para estimar a biomassa antes do início da pesca em escala industrial (antes de 1850) e compararam esses dados com os atuais.

“Um dos maiores desafios para comparar organismos que abrangem bactérias e baleias são as enormes diferenças de escala”, lembra o pesquisador e autor principal do ICTA, Dr. Ian Hatton, atualmente baseado no Instituto Max Planck de Matemática nas Ciências. “A proporção de suas massas é equivalente àquela entre um ser humano e toda a Terra. Estimamos os organismos na pequena extremidade da escala a partir de mais de 200.000 amostras de água coletadas globalmente, mas a vida marinha maior exigia métodos completamente diferentes.”

Sua abordagem se concentrou em 12 grupos principais de vida aquática em cerca de 33.000 pontos de grade do oceano. A avaliação das condições pré-industriais do oceano (pré-1850) confirmou amplamente a hipótese original: há uma biomassa notavelmente constante em todas as classes de tamanho.

“Ficamos surpresos ao ver que cada classe de tamanho de ordem de magnitude contém aproximadamente 1 gigaton de biomassa globalmente”, comenta o co-autor Dr. Eric Galbraith do ICTA-UAB e atual professor da Universidade McGill. No entanto, ele foi rápido em apontar exceções em ambos os extremos. Enquanto as bactérias estão super-representadas nas regiões frias e escuras do oceano, as maiores baleias são relativamente raras, destacando assim as exceções da hipótese original.

Em contraste com um espectro de biomassa uniforme no oceano anterior a 1850, uma investigação do espectro atual revelou impactos humanos na biomassa oceânica através de uma nova lente. Embora a pesca e a caça de baleias representem apenas menos de 3 por cento do consumo humano de alimentos, seu efeito no espectro de biomassa é devastador: grandes peixes e mamíferos marinhos, como golfinhos, experimentaram uma perda de biomassa de 2 Gt (redução de 60%), com o maior baleias sofrendo uma dizimação perturbadora de quase 90%. Os autores estimam que essas perdas já superam as perdas potenciais de biomassa , mesmo em cenários de mudanças climáticas extremas.

“Os humanos impactaram o oceano de uma forma mais dramática do que meramente capturando peixes. Parece que quebramos o espectro de tamanho – uma das maiores distribuições de lei de potência conhecidas na natureza”, reflete o pesquisador e co-autor do ICTA, Dr. Ryan Heneghan. Esses resultados fornecem uma nova perspectiva quantitativa sobre até que ponto as atividades antrópicas alteraram a vida em escala global.

Referência:

Ian A. Hatton et al, The global ocean size spectrum from bacteria to whales, Science Advances (2021). DOI: 10.1126/sciadv.abh3732
https://doi.org/10.1126/sciadv.abh3732

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/11/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top