Expansão da energia eólica e solar é muito lenta para impedir a mudança climática

 

energia 'verde'

Expansão da energia eólica e solar é muito lenta para impedir a mudança climática

Pesquisadores concluíram que praticamente nenhum país está se movendo suficientemente rápido para evitar o aquecimento global de 1,5°C ou mesmo 2°C.

A produção de energia renovável está aumentando a cada ano. Mas depois de analisar as taxas de crescimento da energia eólica e solar em 60 países, pesquisadores da Chalmers University of Technology e da Lund University na Suécia e da Central European University em Viena, Áustria, concluíram que praticamente nenhum país está se movendo suficientemente rápido para evitar o aquecimento global de 1,5°C ou mesmo 2°C.

Pela Chalmers University of Technology*

“Esta é a primeira vez que a taxa máxima de crescimento em cada país foi medida com precisão e mostra a enorme escala do desafio de substituir as fontes de energia tradicionais por renováveis, bem como a necessidade de explorar diversas tecnologias e cenários”, diz Jessica Jewell, Professora Associada de Transições de Energia na Chalmers University of Technology.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) identificou cenários energéticos compatíveis com a manutenção do aquecimento global abaixo de 1,5°C ou 2°C. A maioria destes cenários preveem um crescimento muito rápido de eletricidade renovável: em média, cerca de 1,4 por cento do fornecimento de eletricidade total global por ano, tanto para energia eólica e solar poder , e mais de 3 por cento em cenários de energia solar mais ambiciosas. Mas as novas descobertas dos pesquisadores mostram que alcançar um crescimento tão rápido só foi possível para alguns países.

Medir e prever o crescimento de novas tecnologias, como as energias renováveis, é difícil, pois elas não crescem linearmente. Em vez disso, o crescimento geralmente segue a chamada curva S – no início acelera exponencialmente, depois se estabiliza em crescimento linear por um tempo e, no final, desacelera à medida que o mercado fica saturado.

“Criamos um novo método – usar modelos matemáticos para medir a inclinação da curva S, ou seja, a taxa máxima de crescimento alcançada em seu ponto mais acentuado. É uma maneira inteiramente nova de olhar para o crescimento de novas tecnologias “, diz Jessica Jewell.

Ao analisar os 60 maiores países, os pesquisadores descobriram que a taxa máxima de crescimento para a energia eólica onshore é em média 0,8% do fornecimento total de eletricidade por ano e 0,6% em média para a energia solar – muito mais baixa do que nos cenários recomendados pelo IPCC. O crescimento sustentado mais rápido do que 2% ao ano para a energia eólica e 1,5% para a energia solar só ocorreu em países menores como Portugal, Irlanda e Chile.

“É provável que um crescimento mais rápido seja mais fácil de alcançar em países menores e mais homogêneos, em vez de em grandes sistemas diversos”, disse Jessica Jewell.

“Entre os países maiores, apenas a Alemanha foi capaz de sustentar o crescimento da energia eólica onshore comparável aos cenários de estabilização climática mediana. Em outras palavras, para permanecer no caminho para as metas climáticas, o mundo inteiro deve construir energia eólica tão rápido quanto a Alemanha construiu recentemente. Pode haver limites para a velocidade de expansão do vento e da energia solar e, portanto, devemos analisar sistematicamente a viabilidade de outras soluções climáticas, especialmente para economias asiáticas de rápido crescimento, como Índia e China “, disse Aleh Cherp, professor de Ciências Ambientais e Política na Central European University e na Lund University.

O artigo “National growth dynamics of wind and solar power compared to the growth required for global climate targets” foi publicado na revista Nature Energy , escrito por Aleh Cherp, Vadim Vinichenko, Jale Tosun, Joel A.Gordon e Jessica Jewell.

 

Referência:

Cherp, A., Vinichenko, V., Tosun, J. et al. National growth dynamics of wind and solar power compared to the growth required for global climate targets. Nat Energy 6, 742–754 (2021). https://doi.org/10.1038/s41560-021-00863-0 ht

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/10/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top