Aquecimento dos oceanos – 14% dos corais foram perdidos em pouco mais de uma década

 

recife de coral

Aquecimento dos oceanos – 14% dos corais foram perdidos em pouco mais de uma década

O relatório “Estado dos Recifes de Coral do Mundo: 2020,” documenta a perda de aproximadamente 14% dos corais desde 2009. A sexta edição do relatório produzido pela Rede Global de Monitoramento de Recifes de Coral (GCRMN) fornece o quadro mais detalhado já existente sobre o impacto das temperaturas elevadas nos recifes de coral do planeta.

O documento, que é a maior análise da saúde global dos recifes de coral já realizada, se baseia em dados coletados por mais de 300 cientistas a partir de 2 milhões de observações individuais de 12.000 locais de 73 países abrangendo um período de 40 anos.

Os recifes de coral em todo o mundo estão sob o implacável estresse do aquecimento causado pelas mudanças climáticas e outras pressões locais, como a pesca excessiva, o desenvolvimento costeiro insustentável e o declínio da qualidade da água. A perda irrevogável dos recifes de coral seria catastrófica.

Embora os recifes cubram apenas 0,2% do fundo do oceano, eles abrigam pelo menos um quarto de todas as espécies marinhas, proporcionando um habitat crítico e uma fonte fundamental de proteína, bem como de medicamentos que salvam vidas. Estima-se que centenas de milhões de pessoas em todo o mundo dependem deles para alimentação, emprego e proteção contra tempestades e erosão.

“Desde 2009 perdemos mais corais, no mundo inteiro, do que todos os corais vivos na Austrália. Estamos ficando sem tempo: podemos reverter as perdas, mas temos que agir agora”, disse Inger Andersen, Diretora Executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), organização que forneceu apoio financeiro, técnico e de comunicação ao relatório.

Na próxima conferência climática em Glasgow e na conferência sobre biodiversidade em Kunming, os tomadores de decisão têm a oportunidade de mostrar liderança e salvar nossos recifes, mas somente se eles estiverem dispostos a tomar medidas ousadas. Não devemos deixar que as gerações futuras herdem um mundo sem corais”, complementou.

O relatório também concluiu que muitos dos recifes de coral do mundo permanecem resilientes e podem se recuperar se as condições permitirem, proporcionando uma esperança para a saúde dos recifes de coral a longo prazo se medidas imediatas forem tomadas para estabilizar as emissões a fim de conter o aquecimento futuro.

“Este estudo é a análise mais detalhada até o momento sobre o estado dos recifes de coral do mundo, e as notícias são mistas. Há tendências claramente inquietantes para a perda de corais, e podemos esperar que elas continuem à medida que o aquecimento persistir”. Apesar disso, alguns recifes têm mostrado uma notável capacidade de recuperação, o que oferece esperança para o resgate futuro dos recifes degradados. Uma mensagem clara do estudo é que a mudança climática é a maior ameaça para os recifes do mundo, e todos nós devemos urgentemente fazer nossa parte reduzindo as emissões globais de gases de efeito estufa e mitigando as pressões locais”, disse Paul Hardisty, CEO do Instituto Australiano de Ciências Marinhas.

A análise que examinou 10 regiões de recifes de coral ao redor do mundo[1], mostrou que os eventos de branqueamento dos corais causados pelas altas temperaturas da superfície do mar foram o principal fator da perda de corais, incluindo um evento agudo em 1998 que se estima ter matado 8% dos corais do mundo – mais do que todos os corais que vivem atualmente em regiões do Caribe ou do Mar Vermelho e do Golfo de Aden. A diminuição a longo prazo vista durante a última década coincidiu com um aumento persistente de temperaturas da superfície do mar.

“Os recifes de coral, tão frágeis e de tamanha importância, estão atualmente sob uma grave ameaça. Acidificação oceânica, aquecimento global, poluição: as causas dessas ameaças são muitas e particularmente difíceis de serem enfrentadas, na medida em que são extremamente difusas, e resultam de todo o nosso paradigma de desenvolvimento. Sabemos que existem soluções que nos ajudarão a proteger os corais com mais eficácia, a mitigar as ameaças que pairam sobre eles e, mediante o desenvolvimento da pesquisa científica, a compreender melhor como podemos salvá-los”, afirmou Albert II, Príncipe de Mônaco.

A análise investiga mudanças na cobertura tanto de corais duros vivos quanto de algas. A cobertura de corais duros vivos é um indicador da saúde dos recifes de coral fundamentado na ciência, enquanto o aumento das algas é um sinal amplamente aceito de estresse para os recifes. Desde 1978, quando os primeiros dados utilizados no relatório foram coletados, houve um declínio de 9% na quantidade de corais duros em todo o mundo. Entre 2010 e 2019, a quantidade de algas aumentou em 20%, correspondendo a declínios na cobertura de corais duros. Esta transição progressiva de corais para comunidades de recife dominadas por algas reduz o complexo habitat que é essencial para abrigar altos níveis de biodiversidade.

O relatório também destacou que, embora durante a última década o intervalo entre os eventos de branqueamento de corais em massa tenha sido insuficiente para permitir a recuperação total dos recifes de coral, em 2019 foi observada certa recuperação, com os recifes de coral recuperando 2% da cobertura de coral. Isto indica que os recifes de coral ainda são resilientes e, se as pressões sobre estes ecossistemas críticos diminuírem, então eles têm a capacidade de se recuperar, potencialmente dentro de uma década, para os recifes saudáveis e florescentes que eram predominantes antes de 1998.

Descobertas-chave:

  1. Os eventos de branqueamento de corais em larga escala são as maiores peturbações para os recifes de coral do mundo. Somente o evento de 1998 matou 8% dos corais do mundo, o equivalente a cerca de 6.500 quilômetros quadrados de coral. Os maiores impactos deste evento de branqueamento em massa foram observados no Oceano Índico, Japão e Caribe, com impactos menores observados no Mar Vermelho, Golfo, Pacífico Norte no Havaí e Ilhas Carolinas, e Pacífico Sul em Samoa e Nova Caledônia.

  2. Entre 2009 e 2018, o mundo perdeu cerca de 14% do coral em seus recifes, o que equivale a cerca de 11.700 quilômetros quadrados de coral, mais do que todo o coral vivo na Austrália.

  3. As algas dos recifes, que crescem durante períodos de estresse, aumentaram em 20% na última década.

  4. Antes disso, em média, havia duas vezes mais corais do que algas nos recifes do mundo.

  5. Os recifes de coral no Triângulo de Coral da Ásia Oriental, que é o centro da biodiversidade dos recifes de coral e representa mais de 30% dos recifes do mundo, foram menos afetados pelo aumento da temperatura da superfície do mar. Apesar da diminuição de corais duros durante a última década, em média, estes recifes têm mais corais hoje do que em 1983, quando os primeiros dados desta região foram coletados.

  6. Quase invariavelmente, as quedas bruscas na cobertura de corais corresponderam a aumentos rápidos nas temperaturas da superfície do mar, indicando sua vulnerabilidade a picos, o que é um fenômeno que provavelmente acontecerá com maior frequência à medida que o planeta continuar aquecendo.

 
NOTAS

  • O relatório examina a situação e as tendências dos recifes de coral no mundo desde 1978 e presta especial atenção aos eventos cada vez mais frequentes de branqueamento global de coral em massa, o primeiro dos quais ocorreu em 1998. Ele se baseia em um conjunto de dados globais composto de quase 2 milhões de observações de mais de 12.000 locais de coleta em 73 países nas 10 regiões da GCRMN: Austrália, Caribe, Brasil, Mares do Leste Asiático, Pacífico Tropical Oriental, Pacífico, Sul da Ásia, Oceano Índico Ocidental, Mar Vermelho e Golfo de Aden, e a Área Marítima ROPME[2] que inclui o Golfo e o Golfo de Omã.

  • A cobertura de corais duros vivos e algas foram os dois indicadores de saúde dos recifes utilizados pelos pesquisadores. Ambas são métricas de degradação ecológica amplamente aceitas e protocolos padronizados permitidos para uma análise global quantitativa.

  • A confiança nas estimativas da cobertura média global de corais duros é muito maior após 1998, quando o esforço de monitoramento e a disponibilidade de dados aumentou.

  • O relatório não foi capaz de avaliar mudanças na composição das espécies de corais e comunidades de peixes nos recifes mundiais de coral causadas por distúrbios em larga escala devido à variação na forma como os programas de monitoramento dos recifes de coral em todo o mundo coletam esses dados.

  • O último relatório do IPCC alertou que as temperaturas continuarão aumentando sem ação imediata e de larga escala, e que o aquecimento dos oceanos existente persistirá por séculos a milênios.

[1] Austrália, Caribe, Brasil, Mares do Leste Asiático, Pacífico Tropical Oriental, Pacífico, Sul da Ásia, Oceano Índico Ocidental, Mar Vermelho e Golfo de Adem, e a área do Mar ROPME.

[2] A Zona Marítima da Organização Regional para a Proteção do Ambiente Marinho (ROPME) está situada ao nordeste da placa árabe e é composta pelo Golfo, o Mar de Omã estendendo-se até a fronteira com o Paquistão, e a porção de Omã do Mar Arábico Ocidental.

A região da GCRMN conhecida como Zona Marítima ROPME é limitada pelas oito nações membros da ROPME (Bahrein, Irã, Iraque, Kuwait, Omã, Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos) e Iêmen.

Descobertas regionais

  • Desde 2010, quase todas as regiões sofreram perdas de corais com a Zona Marítima ROPME (ao redor da Península Arábica), Sul da Ásia, Austrália e Pacífico mostrando os maiores declínios. As probabilidades estatísticas de declínio excederam 75% nessas regiões, bem como no Leste Asiático e no Oceano Índico Ocidental, compreendendo quase 50% dos recifes de coral do mundo.

  • A Zona Marítima ROPME, Pacífico Tropical Oriental, Mar Vermelho e Golfo de Aden, Caribe, Austrália e Brasil, exibiram um aumento na cobertura de algas.

  • Em áreas onde há alta confiança nos dados, as perdas de corais a longo prazo variaram de 5% na Ásia Oriental a 95% no Pacífico Tropical Oriental. Na Austrália, Caribe, Pacífico Tropical Oriental e Sul da Ásia, mais de 75% das áreas que foram repetidamente monitoradas por mais de 15 anos e que sofreram um distúrbio significativo não conseguiram se recuperar totalmente até a condição de pré-distúrbio.

  • Uma ruptura importante deste padrão foi observada na região do Triângulo de Coral da Ásia Oriental, que contém quase 30% dos recifes de coral do mundo, onde eles foram menos afetados por distúrbios térmicos e, em alguns casos, houve recuperação. A cobertura de corais duros aumentou progressivamente de 32,8% em 1983 para 40,8% em 2009. Dados mais recentes mostram flutuações, mas a cobertura de corais permaneceu maior em 2019 do que em 1983, quando os dados foram coletados pela primeira vez. A resiliência demonstrada por estes recifes de coral pode falar de características vantajosas encontradas nos diversos corais da região, oferecendo potencialmente ideias de como proteger outras espécies e sobre a recuperação diante do aumento das temperaturas.

Sobre a Iniciativa Internacional dos Corais de Coral (ICRI)

A Iniciativa Internacional sobre os Recifes de Coral (ICRI) é uma parceria proativa entre Nações e organizações que se esforçam para preservar os recifes de coral e ecossistemas relacionados ao redor do mundo. Fundada em 1994 por oito governos, a iniciativa surgiu do reconhecimento de que os recifes de coral e os ecossistemas relacionados estavam enfrentando uma séria degradação. A iniciativa abriga agora mais de 90 membros e suas ações são fundamentais para continuar a destacar a importância dos recifes de coral e ecossistemas relacionados à adequação ambiental, segurança alimentar e bem-estar cultural.

Sobre a Rede Global de Monitoramento dos Recifes de Coral (GCRMN)

A Rede Mundial de Vigilância dos Recifes de Coral (GCRMN), fundada como uma rede sob a Iniciativa Internacional de Corais de Coral (ICRI) em 1998, é uma rede operacional da Iniciativa Internacional de Recifes de Coral que visa fornecer as melhores informações científicas disponíveis sobre a situação e tendências dos ecossistemas de recifes de coral para sua conservação e gestão. A GCRMN é uma rede global de cientistas, gestores e organizações que monitoram a condição dos recifes de coral em todo o mundo. A GCRMN opera através de 10 laços regionais, cada um coordenado por um Coordenador Regional ou organização coordenadora.

Sobre o Instituto Australiano de Ciências Marinhas (AIMS)

O Instituto Australiano de Ciências Marinhas (AIMS) é a agência de pesquisa marinha tropical da Austrália. Em existência há quase meio século, ele desempenha um papel fundamental no fornecimento de pesquisa em larga escala, a longo prazo e de classe mundial que ajuda governos, indústria e a comunidade em geral a tomar decisões informadas sobre a gestão do patrimônio marinho australiano. A ciência AIMS leva a ecossistemas marinhos mais saudáveis; benefícios econômicos, sociais e ambientais para todos os australianos; e proteção dos recifes de coral contra as mudanças climáticas. O AIMS é a instituição anfitriã do GCRMN.

Sobre o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)

O PNUMA é a principal voz global sobre o meio ambiente. Ele fornece liderança e incentiva a parceria no cuidado com o meio ambiente, inspirando, informando e permitindo que as nações e os povos melhorem sua qualidade de vida sem comprometer a das gerações futuras.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/10/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top