No Brasil de Bolsonaro até os bichos passam fome!

 

Macaco-prego se alimenta com mamão distribuido por voluntários no Pantanal
Macaco-prego se alimenta com mamão distribuído por voluntários no Pantanal. Foto: Frico Guimarães/Documenta Pantanal/BBC Brasil

No Brasil de Bolsonaro até os bichos passam fome! artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

Há um Brasil torto e errado. Todos sabem. Os animais estão com fome e sede porque seus habitats estão sendo destruídos, com essa destruição vem a ruptura da cadeia alimentar

O retorno galopante da fome no Brasil agora ultrapassa os humanos. As estatísticas dizem que já tínhamos 12 milhões de humanos famintos e agora passamos para 14 milhões. Não é só, elas também dizem que mais de 100 milhões e brasileiros estão em insegurança alimentar.

Mas, nós nunca tínhamos notícias da fome dos animais selvagens. Entretanto, dias atrás havia uma notícia que, no Pantanal, as equipes removiam os jacarés para outros lugares porque eles estavam desnutridos e desidratados, isto é, morrendo de fome e sede. Ano passado eles se aglomeravam aos milhares em uma lagoa porque estavam morrendo de sede. Segundo essas notícias, o Pantanal já teria perdido 75% de suas águas.

Onde parte de minha família mora, no Triângulo Mineiro, os macacos, araras, pássaros, lagartos, quase chegam a se tornar membros da família pelo desespero em busca de comida e água no quintal da casa.

Há um Brasil torto e errado. Todos sabem. Os animais estão com fome e sede porque seus habitats estão sendo destruídos, com essa destruição vem a ruptura da cadeia alimentar. E quem destrói os habitats são aqueles que decepam as florestas, seja pelas derrubadas ou pelas queimadas. Ali, onde havia biodiversidade, uma sólida cadeia alimentar, não resta mais que tocos e solo queimado. Depois vem o pobre ecossistema de algumas cabeças de gado, ou uma monocultura de soja, ou cana, ou outra dessas que tem valor calculado na Bolsa de Mercadorias ou no Mercado Futuro. Como diz Vandana Shiva, o modelo padece de uma monocultura mental.

Nós sabemos muito bem quem promove a destruição dos biomas brasileiros, gerando a fome dos humanos e dos animais. A carência de água deve avançar sobre o Sul, o Sudeste e o Centro-Oeste brasileiros. Com a queima das árvores o solo fica nu, então chegam a fuligem pelo ar e as tempestades de areia sobre as cidades, como aconteceu de forma pavorosa esses dias sobre a cidade de Franca. Mas, essa é a realidade cotidiana de muitas famílias. Outro dia alguém de minha família dizia que iria mudar para outro lugar. Não suporta mais a fuligem, a poeira e os banhos de veneno dos aviões que despejam agrotóxicos sobre os canaviais, as casas dos moradores, as fontes de água, o solo e tudo que estiver ao alcance de seus pulverizadores.

Se o modelo de depredação já vinha do regime civil-militar de 1964, pela revolução verde, passou ileso por vários governos que o sucederam, chegou até Bolsonaro de forma aprofundada e devastadora. Não há reação na sociedade a altura do desafio. Nem em termos de defesa da democracia, muito menos na manutenção das dádivas naturais que sempre sustentaram o Brasil. Destruir as florestas e matar negros e índios é nosso pecado original, sem cura ou redenção.

No Brasil de Bolsonaro, então, até os animais morrem de fome e de sede.

Roberto Malvezzi (Gogó), possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco. Membro da Equipe de Assessoria da REPAM (Rede Eclesial Pan Amazônica)

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 29/09/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “No Brasil de Bolsonaro até os bichos passam fome!

  1. Muito bom e oportuno o artigo. Parabéns Gogó! Estou no interior de SP (perto de São José do Rio Preto) e a tempestade de poeira que aconteceu na região é o reflexo da crise climática e o tipo de monocultura de cana que degrada o solo e desertifica a região. A falta de comida realmente afeta os passarinhos que estão tendo de comer frutas verdes (quando acham) e estão sofrendo insegurança alimentar no meio da produção de commodities….
    Abs, JE

Comentários encerrados.

Top