Níveis extremos do mar se tornam muito mais comuns à medida que a Terra se aquece

 

Níveis extremos do mar se tornam muito mais comuns à medida que a Terra se aquece

O aquecimento global fará com que os níveis extremos do mar ocorram quase todos os anos até o final do século, impactando os principais litorais em todo o mundo, de acordo com uma nova pesquisa de uma equipe internacional de cientistas.

University of Melbourne*

 

Publicada na Nature Climate Change , a pesquisa prevê que, devido ao aumento das temperaturas, os níveis extremos do mar ao longo da costa em todo o mundo se tornarão 100 vezes mais frequentes até o final do século em cerca de metade dos 7.283 locais estudados.

Coautor do estudo, Dr. Ebru Kirezci da Universidade de Melbourne, um pesquisador de engenharia oceânica, disse que as áreas onde a frequência dos níveis extremos do mar devem aumentar mais rapidamente incluem o hemisfério sul e áreas subtropicais, o Mar Mediterrâneo e a Península Arábica, a metade sul da costa do Pacífico da América do Norte e áreas como Havaí, Caribe, Filipinas e Indonésia.

“O que também podemos inferir deste estudo é que a maior parte das costas leste, sul e sudoeste da Austrália serão afetadas com quase uma frequência anual desses níveis extremos do mar em 2100”, disse o Dr. Kirezci.

“Esse aumento na frequência de níveis extremos do mar ocorrerá mesmo com um aumento da temperatura global de 1,5 graus Celsius. E as mudanças provavelmente ocorrerão antes do final do século, com muitos locais experimentando um aumento de 100 vezes em eventos extremos até 2070. ”

A autora principal do estudo, a cientista climática do Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico do Departamento de Energia dos EUA, Dra. Claudia Tebaldi, disse que não era surpresa que o aumento do nível do mar fosse dramático mesmo a 1,5 grau e teria efeitos substanciais nas frequências e magnitude extremas do nível do mar .

“Este estudo dá uma imagem mais completa ao redor do globo. Pudemos observar uma gama mais ampla de níveis de aquecimento em detalhes espaciais muito precisos ”, disse o Dr. Tebaldi.

Os pesquisadores pediram estudos mais detalhados para entender como as mudanças afetarão as comunidades em diferentes países. Eles acrescentaram que as mudanças físicas que o estudo descreve terão impactos variados em escalas locais, dependendo de vários fatores, incluindo o quão vulnerável o local é à subida das águas e quão preparada uma comunidade está para mudanças.

“Os formuladores de políticas públicas devem tomar nota desses estudos e trabalhar no sentido de melhorar a proteção costeira e as medidas de mitigação. A construção de diques e quebra-mares, a retirada da linha costeira e a implantação de sistemas de alerta precoce são algumas das medidas que podem ser tomadas para se adaptar a essa mudança ”, disse o Dr. Kirezci.

A pesquisa foi liderada pelo Joint Global Change Research Institute dos Estados Unidos em colaboração com pesquisadores da Universidade de Melbourne, IHE Delft Institute for Water Education na Holanda, o European Joint Research Centre na Itália, Princeton University, University of Illinois, Rutgers Universidade e a Universidade de Bolonha.

O estudo foi financiado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos e pelo Escritório de Ciência do Departamento de Energia.

Níveis extremos do mar se tornam muito mais comuns à medida que a Terra se aquece
a – f , GWLs alcançados em 2100 (distinguidos por cor) fazendo com que o evento ESL atual de 100 anos se torne pelo menos um evento anual para 179 locais de marégrafos nos quais as estimativas estão disponíveis de todos os três estudos ( a , c e e ) e para 7.283 locais nos quais estimativas de ESL estão disponíveis a partir dos dois estudos baseados em modelos ( b , d e f )). a , Estimativas centrais para 179 locais de marégrafos para os quais todas as seis projeções alternativas estão disponíveis. b , Estimativa central para 7.283 locais para os quais quatro projeções alternativas estão disponíveis. c , limite superior para os 179 locais.d , Limite superior para 7.283 locais. e , limite inferior para os 179 locais. f , limite inferior para os 7.283 locais. As estimativas centrais, limite inferior e superior, conforme definido nos Métodos , são mostradas de cima para baixo, respectivamente. O sinal + associado a 2 e 5 ° C indica projeções que incluem estimativas derivadas de SEJ da contribuição da camada de gelo para RSLC. In Nature Climate Change (Nat. Clim. Chang.) ISSN 1758-6798 (online) ISSN 1758-678X (print)

 

Referência:

Tebaldi, C., Ranasinghe, R., Vousdoukas, M. et al. Extreme sea levels at different global warming levels. Nat. Clim. Chang. (2021). https://doi.org/10.1038/s41558-021-01127-1

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/09/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top