Reflorestamento de manguezais com participação comunitária no Pará

 

viveiros nos mangues da amazônia 1
Viveiros ganham espaço nos mangues da Amazônia. Foto: Divulgação

Reflorestamento de manguezais com participação comunitária no Pará

Na Amazônia, são mais de 8 mil quilômetros quadrados de florestas de mangue, cerca de 80% das existentes em todo o litoral brasileiro

Com objetivo de reflorestar áreas degradadas de manguezais da Amazônia, novos viveiros estão sendo trabalhados na zona costeira de Bragança (PA) para a produção de mudas, com um importante diferencial: o engajamento das comunidades que vivem da pesca, captura de caranguejo e extração de madeira, entre outros recursos da biodiversidade.

Cerca de 30 mil mudas em processo de desenvolvimento estão sendo monitoradas em dois viveiros recém-instalados na Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu, no município de Bragança (PA), pelo projeto Mangues da Amazônia – patrocinado pela Petrobras e realizado pelo Instituto Peabiru e Associação Sarambuí, em parceria com o Laboratório de Ecologia de Manguezal (LAMA), da Universidade Federal do Pará (UFPA). No total, em dois anos, a meta é produzir 60 mil mudas, além do plantio direto de mais 60 mil sementes em áreas propícias à recuperação, abrangendo as três espécies típicas de mangue da região: o mangue-branco, o mangue-preto e o mangue-vermelho.

Para a irrigação das sementes e mudas, os viveiros – construídos em madeira – são instalados em áreas inundadas periodicamente pelo ciclo das marés, guiadas através de pequenos canais que levam a água até as plantas.

O plano consiste no reflorestamento de 12 hectares no período, distribuídos em áreas já impactadas em três reservas extrativistas dos municípios de Augusto Corrêa, Bragança e Tracuateua (PA), mobilizando direta e indiretamente cerca de 7,6 mil pessoas. “A participação comunitária é essencial ao sucesso do trabalho”, destaca Danilo Gardunho, coordenador da área de reflorestamento do projeto, cujos plantios de árvores têm metodologia baseada em experimentos realizados pelo LAMA.

Além do apoio à seleção de áreas, à coleta e tratamento de sementes e ao preparo das mudas nos viveiros, monitores locais mobilizam as comunidades dos manguezais em mutirões para o plantio, monitoramento e outras atividades, com expressiva participação de mulheres. “Elas são fundamentais na transferência de conhecimento”, ressalta Gardunho.

O reflorestamento está diretamente ligado a um conjunto de ações socioambientais junto a crianças, jovens e adultos, sobretudo no campo da educação para o desenvolvimento sustentável.

“Trata-se de uma atividade de base comunitária, que não deve ser colocada de cima para baixo, mas envolver cooperação”, afirma o pesquisador Marcus Fernandes, coordenador do LAMA.

Na Amazônia, são mais de 8 mil quilômetros quadrados de florestas de mangue, cerca de 80% das existentes em todo o litoral brasileiro, distribuídos no Amapá, Pará e Maranhão. Além dos plantios para recuperação de áreas degradadas, o projeto no território paraense abrange também a promoção do uso sustentável pelas comunidades, com o desenvolvimento de trabalhos científicos que subsidiam políticas públicas e planos de manejo para extração de madeira e captura comercial de caranguejo, considerando a realidade socioeconômica e a capacidade da natureza na oferta desses recursos.

viveiros nos mangues da amazônia 2
Viveiros ganham espaço nos mangues da Amazônia. Foto: Divulgação

 

Sobre o Projeto Mangues da Amazônia

O Mangues da Amazônia é um projeto socioambiental com foco na recuperação e conservação de manguezais em Reservas Extrativistas Marinhas do estado do Pará. É realizado pelo Instituto Peabiru e pela Associação Sarambuí, em parceria com o Laboratório de Ecologia de Manguezal (LAMA), da Universidade Federal do Pará (UFPA), e conta com patrocínio da Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental. Com início em 2021 e duração de dois anos, o projeto atua na recuperação de espécies-chave dos manguezais através da elaboração de estratégias de manejo da madeira e do caranguejo-uçá com a participação das comunidades.

Sobre a Associação Sarambuí

A Associação Sarambuí é uma Organização da Sociedade Civil (OSC) com sede em Bragança – Pará, constituída em 2015, cuja missão é promover a geração de conhecimento de maneira participativa, em prol da conservação e sustentabilidade dos recursos estuarino-costeiros. Nossas ações são direcionadas ao ecossistema manguezal, ao longo da costa amazônica brasileira, em particular no litoral do Estado do Pará. É uma das organizações realizadoras do projeto Mangues da Amazônia.

Sobre o Instituto Peabiru

O Instituto Peabiru é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) brasileira, fundada em 1998, que tem por missão facilitar processos de fortalecimento da organização social e da valorização da sociobiodiversidade. Com sede em Belém, atua nacionalmente, especialmente no bioma Amazônia, com ênfase no Marajó, Nordeste Paraense e na Região Metropolitana de Belém (PA). É uma das organizações realizadoras do projeto Mangues da Amazônia.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top