Vegetação nativa próxima às áreas cultivadas maximiza a polinização e melhora a produtividade

 

abelha arapuá (trigona branneri) em flor do açaizeiro
Abelha arapuá (Trigona branneri) em flor do açaizeiro. Foto: Cristiano Menezes

Vegetação nativa próxima às áreas cultivadas maximiza a polinização e melhora a produtividade

  • A polinização realizada por animais resulta em aumento de produção e retorno monetário para agricultura brasileira.
  • A restauração da vegetação natural cumpre um papel importante na conservação de polinizadores e reflete na maior produtividade agrícola das áreas agrícolas do entorno.
  • É importante desenhar políticas ambientais que integrem a conservação da biodiversidade e a polinização das culturas considerando as especificidades de cada localidade, como por exemplo, na escala de municipalidades.

No Brasil, estima-se que a polinização realizada por animais como abelhas, moscas e morcegos gere um valor econômico de 43 bilhões de reais por ano na agricultura.

Em artigo publicado na revista Environmental Science & Technology, pesquisadores foram além e mapearam a importância dos polinizadores para a agricultura em cada um dos municípios brasileiros. O estudo considerou a área, a diversidade de culturas agrícolas e o quanto cada cultura depende de polinizadores. Além disso, identificaram a demanda de restauração de áreas naturais para garantir a presença de polinizadores nos cultivos agrícolas.

A presença de vegetação nativa próxima às áreas cultivadas maximiza a polinização e melhora a produtividade e a manutenção da cultura agrícola. “Dadas as projeções de aumento da demanda global por alimentos, há uma necessidade urgente de reverter a tendência atual de expansão agrícola, promovendo práticas agrícolas sustentáveis”, explicam os autores. Nesse contexto, é importante desenhar políticas ambientais que integrem a conservação da biodiversidade e a polinização das culturas considerando as especificidades de cada localidade, como por exemplo, na escala de municipalidades.

“Procuramos desenvolver alguns indicadores integrando polinização, usos da terra e o cumprimento da legislação ambiental e, neste contexto, os municípios são unidades administrativas importantes, e devem ser consideradas de acordo com suas especificidades”, destaca Pedro Bergamo, pesquisador do Jardim Botânico do Rio de Janeiro e um dos autores do estudo que envolve vinte e um colaboradores do Programa SinBiose/CNPq (Centro de Síntese em Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos). Pela Embrapa, a pesquisadora Márcia Maués também assina o artigo.

Primeiro os pesquisadores analisaram as principais culturas agrícolas brasileiras, identificando aquelas em que a polinização realizada por animais resulta em aumento da produção e retorno monetário. Esse conjunto envolve 90 cultivos diferentes que vão desde a abóbora e o cacau, cuja produção aumenta até 100% com a presença desses animais, até a uva (aumento de até 10%), passando pela soja, laranja e café, cuja produção pode aumentar entre 10 e 40%.

Usando dados de produção agrícola e área de cultivo, os pesquisadores estimaram esse aumento de produção e retorno monetário para cada município brasileiro, classificando-os em quatro faixas de demanda por polinização. Verificaram, também, a importância dos  cultivos  para cada município, incluindo a diversidade agrícola: dos locais caracterizados pela monocultura e grandes propriedades àqueles com maior diversidade de cultivos característicos de pequenas propriedades rurais.

Outra informação analisada diz respeito ao déficit de vegetação natural de cada município, isto é, a diferença entre a quantidade de vegetação natural existente e as áreas exigidas por lei. Os municípios foram classificados de acordo com esse déficit. De um lado, aqueles que têm poucas áreas de vegetação natural e precisam de maior esforço de restauração. Do outro, os que já contam com  as áreas de vegetação natural e, portanto, precisam conservar tais áreas para garantir o excedente da produção agrícola resultante da presença de polinizadores

A partir da correlação entre essas métricas foi possível elaborar um ranking de prioridades para restauração e conservação da vegetação natural que tenham como foco a importância da polinização para cada localidade. Cidades como Anápolis (GO) e Alta Floresta (MT), que estão na zona de expansão da soja, Ilhéus (BA) na zona cacaueira ou Itapeva (MG) na zona produtora de café, são municípios com recomendação de alta prioridade para restauração de suas áreas de vegetação natural tendo como foco o aumento da polinização e, portanto, de suas produções agrícolas. Já Apuí (AM), Xique-xique (BA) e São Félix de Balsas (MA) são municípios cuja recomendação é a prioridade da conservação de suas áreas de vegetação para garantir, assim, a produção agrícola local.

“Esperamos que o estudo ajude a auxiliar no planejamento das iniciativas de restauração ecológica em sintonia com a agricultura e a polinização, reconciliando a conservação da biodiversidade e a produção agrícola”, finaliza Pedro Bergamo.

Açaí – Para a pesquisadora Márcia Maués, da Embrapa Amazônia Oriental, os dados apresentados no artigo vêm corroborar outros estudos que apontaram a importância da floresta nativa para a presença de polinizadores. Um deles indicou que o açaizeiro é potencialmente polinizado por mais de cem espécies de insetos. “Se não houver áreas de florestas, não haverá essa quantidade de espécies que são importantes para polinizar o açaizeiro”, conclui. De acordo com a pesquisadora, além da manutenção das áreas de vegetação nativa, uma medida importante seria que elas fossem conectadas, formando corredores ecológicos para melhor servir como repositório dos polinizadores.

Vinicius Soares Braga (MTb 12.416/RS)
Embrapa Amazônia Oriental

 

Referência:

Areas Requiring Restoration Efforts are a Complementary Opportunity to Support the Demand for Pollination Services in Brazil
Pedro J. Bergamo*, Marina Wolowski, Leandro R. Tambosi, Edenise Garcia, Kayna Agostini, Lucas A. Garibaldi, Tiffany M. Knight, Eimear Nic Lughadha, Paulo E. A. M. Oliveira, Marcia C. M. Marques, Pietro K. Maruyama, Márcia M. Maués, Alberto K. Oppata, André R. Rech, Antônio M. Saraiva, Felipe D. S. Silva, Gizele Sousa, Rodrigo Y. Tsukahara, Isabela G. Varassin, Blandina F. Viana, and Leandro Freitas
Environ. Sci. Technol. 2021
https://doi.org/10.1021/acs.est.1c02546

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top