Novas barragens hidrelétricas planejadas ameaçam rios em todo o mundo

 

Novas barragens hidrelétricas planejadas ameaçam rios em todo o mundo

Mais de 260.000 quilômetros de rio podem ser potencialmente cortados por projetos hidrelétricos planejados, de acordo com pesquisadores da Universidade McGill.

McGill University*

O estudo, liderado pelo World Wildlife Fund e publicado recentemente na Global Sustainability , mostrou que represas e reservatórios planejados são os principais contribuintes para o declínio dos rios de fluxo livre em todo o mundo. Ele também fornece uma lista abrangente de soluções baseadas na ciência para minimizar os impactos do desenvolvimento da energia hidrelétrica nos rios.

“Usamos um conjunto de dados de mais de 3700 projetos hidrelétricos potenciais e calculamos seus impactos nos rios em todo o mundo”, disse o Prof. Bernhard Lehner , do Global HydroLab da Universidade McGill , que criou os mapas de rios globais subjacentes. “Foi preocupante saber que muitos dos rios de fluxo livre remanescentes correm o risco de ser permanentemente transformados por novas infraestruturas de energia.”

Além disso, o estudo também descobriu que todas as barragens propostas em rios de fluxo livre gerariam coletivamente menos de 2% da energia renovável necessária até 2050 para manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5° C – uma pequena contribuição com consequências potencialmente devastadoras para o restante rios de fluxo livre e as pessoas e animais selvagens que dependem deles.

Os pesquisadores sugerem que, enquanto os líderes globais se reúnem para uma rodada crítica de cúpulas da ONU sobre clima e biodiversidade neste outono, os legisladores devem considerar as compensações entre o desenvolvimento da energia hidrelétrica e a manutenção de ecossistemas de água doce saudáveis.

Olhando para as compensações – desenvolvimento de energia hidrelétrica vs. custos ambientais

“É verdade que a energia hidrelétrica é uma fonte de energia renovável com emissões de carbono relativamente baixas”, diz Günther Grill, um pós-doutorado da McGill que analisou os números e desenvolveu o modelo de avaliação ambiental espacial para estimar o efeito de futuras represas. “No entanto, os projetos hidrelétricos podem impactar de forma permanente e irreversível a dinâmica e as funções do rio e da planície de inundação, muitas vezes em áreas selvagens tropicais com alta biodiversidade.”

O documento de política aponta para o fato de que rios conectados e saudáveis CO2 proporcionam diversos benefícios que muitas vezes são esquecidos: estoques de peixes de água doce que melhoram a segurança alimentar para centenas de milhões de pessoas; entrega de sedimentos que nutrem a agricultura e mantêm os deltas acima do mar; e várzeas que ajudam a mitigar o impacto das inundações e sustentam uma grande biodiversidade.

“Quando se trata de saúde fluvial, mudança climática e perda de biodiversidade, não podemos mais nos dar ao luxo de pensar nisso como questões separadas”, diz Michele Thieme, cientista-chefe de água doce do World Wildlife Fund (WWF) e principal autora do estudo. “Os rios são agentes poderosos para manter a vida selvagem e as comunidades saudáveis, especialmente em um clima quente, mas sua capacidade de sustentar a vida está ameaçada por barragens hidrelétricas em muitas partes do mundo. As melhores soluções políticas serão aquelas que equilibram as necessidades de energia renovável com os muitos benefícios dos ecossistemas de água doce prósperos. ”

Proteger rios de fluxo livre e ao mesmo tempo cumprir as metas climáticas e as necessidades de energia

No artigo, os pesquisadores compilaram uma lista de soluções de políticas baseadas na ciência para cumprir as metas climáticas e as metas de energia, ao mesmo tempo que protegem os rios de fluxo livre e seus benefícios para as pessoas e a natureza. Essas soluções incluem evitar a fragmentação do rio, explorando opções de desenvolvimento alternativo, como energia renovável não hidrelétrica, como solar e eólica; minimizar os impactos com a instalação de barragens em locais com menos consequências para as pessoas e a natureza; restauração de rios por meio da remoção de barragens; ou compensar os impactos negativos das barragens em um rio protegendo formalmente outro rio semelhante.

“Há uma longa história de conflitos, estudos e debates sobre como proteger os rios e desenvolvê-los de forma sustentável”, acrescenta Lehner. “Com uma pausa nos novos desenvolvimentos causados CO2pela pandemia global, implementação antecipada do Acordo de Paris e reuniões de alto nível sobre o clima e a biodiversidade em 2021, agora é um momento oportuno para considerar a atual trajetória de desenvolvimento e opções de políticas para reconciliar barragens com a saúde do sistema de água doce

Status de conectividade global do rio e distribuição de rios que perdem seu status de fluxo livre entre os cenários de barragem atual e futuro
Status de conectividade global do rio e distribuição de rios que perdem seu status de fluxo livre entre os cenários de barragem atual e futuro. O portfólio atual de barragens, bem como métodos para calcular o status de conectividade e FFRs, são descritos em Grill et al. (2019). A construção da barragem adiciona 3.700 barragens hidrelétricas (> 1 MW de capacidade) (Zarfl et al., 2015). Uma lista de rios com mudança de status por mais de 500 km é fornecida na Tabela Suplementar S3.

 

Referência:

Thieme, M., Tickner, D., Grill, G., Carvallo, J., Goichot, M., Hartmann, J., . . . Opperman, J. (2021). Navigating trade-offs between dams and river conservation. Global Sustainability, 4, E17. doi:10.1017/sus.2021.15

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top