Degradação florestal e incêndios afetam toda a América Latina

 

queimada na amazônia
Queimada. Foto: Greenpeace

Degradação florestal e incêndios afetam toda a América Latina

Um novo estudo liderado pela Universidade Nacional da Colômbia (UNAL) e publicado recentemente na revista Science Advances , avaliou os efeitos devastadores de incêndios cada vez mais frequentes nas florestas da América Latina, que foram acompanhados por 15 anos.

Universidad Nacional de Colombia (UNAL)

No início do século 21, cerca de 1,1% das florestas da América Latina sofreram um incêndio florestal. Em 2003, foram perdidos quase 8,5 milhões de hectares, assim distribuídos: 4,7 milhões no Brasil, 1,4 milhão na Bolívia, quase 1 milhão no México, 436 mil no Paraguai e o restante, cerca de 1,4 milhão, entre Guatemala, Venezuela, Honduras, Argentina , Chile, Colômbia, Belize, Peru, Nicarágua, Panamá e Guiana e Suriname.

“Durante 15 anos acompanhamos essas florestas para ver qual a trajetória que estavam tomando desde os danos causados CO2 pelo fogo até o presente (2018). Metade delas, que só foram queimadas uma vez no início do século, acabaram se perdendo em poucos anos apenas com um incêndio ”.

“Por outro lado, mais da metade das florestas que queimaram no início do século foram queimadas novamente até duas ou três vezes mais, e em poucos anos tornaram-se principalmente pastagens, savanas e pastagens, o que implica que as reservas de carbono foram perdidos ”.

A explicação é a professora Dolors Armenteras, diretora do Laboratório de Ecologia da Paisagem e Modelagem de Ecossistemas (Ecolmod), do Departamento de Biologia da UNAL Sede de Bogotá, e os pesquisadores Liliana Dávalos, Joan Barreto, Alejandro Miranda, Ángela Hernández, Carlos Zamorano, Tania González , María Meza e Javier Retana.

Os autores do estudo observam que Argentina, Brasil, Chile e Paraguai perderam florestas rapidamente; em 2004, 37, 38, 42,5 e 38% foram registrados, respectivamente.

Enquanto isso, no México, Guatemala e Honduras, a transformação das florestas foi mais gradual: em 2004, apenas 6, 12 e 9%, respectivamente.

“Na verdade, uma proporção muito baixa de florestas queimadas consegue se manter em pé como floresta durante todo o período; Nossas análises mostram que alguns resistem e podem persistir se apenas sofrerem um incêndio, pois embora se degradem até certo ponto, podem ser recuperados e continuar cumprindo seu papel essencial de conservação da biodiversidade e da funcionalidade dos ecossistemas ”, destaca o professor Armenteras. .

Também destaca que “detectamos que em alguns países o fogo pode estar associado à conversão para florestas mistas ou plantadas, prática que deve ser avaliada com cuidado devido às implicações que pode ter nas emissões de gases e particulados da biomassa queimada . na floresta “.

O estudo revela uma devastação em escala até agora desconhecida em toda a região latino-americana que tem implicações não só para a perda de biomassa vegetal e as emissões de gases emitidos, mas também compromete as reservas de carbono da região e a prestação de serviços. às populações que o habitam.

Os pesquisadores alertam que “é urgente reduzir os incêndios florestais, seja qual for sua origem. Apelamos urgentemente aos tomadores de decisão para investir em práticas de gestão de terras que busquem paisagens mais seguras e resilientes, e para implementar pagamentos por serviços ecossistêmicos para proteger florestas, processar e punir crimes ambientais, desencorajar práticas agrícolas ruins que aumentam o risco de incêndios, promover tanto incentivos quanto investimentos em práticas sustentáveis CO2e manejo integrado do fogo, entre outros ”.

“É inegável que as florestas queimadas não se recuperam, são degradadas e perdem a capacidade de prestar serviços ecossistêmicos, e em outras latitudes vemos a consequência da imprevisibilidade e da falta de planejamento preventivo, incêndios que não podem ser apagados pelo seu tamanho” eles observam.

Este estudo surge de uma colaboração liderada pela UNAL Bogotá Headquarters com o Centro de Pesquisa em Ecossistemas da Patagônia no Chile, o Centro de Ecologia Florestal e Aplicações da Espanha e a Universidade de Stony Brook nos Estados Unidos.

Referência:

Fire-induced loss of the world’s most biodiverse forests in Latin America
Dolors Armenteras, Liliana M. Dávalos, Joan S. Barreto, Alejandro Miranda, Angela Hernández-Moreno, Carlos Zamorano-Elgueta, Tania M. González-Delgado, María C. Meza-Elizalde, Javier Retana
Science Advances 13 Aug 2021: Vol. 7, no. 33, eabd3357
DOI: 10.1126/sciadv.abd3357
https://doi.org/10.1126/sciadv.abd3357

 

* Henrique Cortez, tradução e edição.

 

in https://www.ecodebate.com.br/“>EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top