A pandemia reduziu os nascimentos e aumentou os óbitos no Amapá

 

A pandemia reduziu os nascimentos e aumentou os óbitos no Amapá, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

O ritmo do crescimento vegetativo do Amapá caiu quase pela metade, pois continua a queda da natalidade e continua o aumento da mortalidade

O Amapá é a Unidade da Federação (UF) com a estrutura etária mais rejuvenescida e apresenta uma das maiores taxas de crescimento demográfico do país. Enquanto a população brasileira deve apresentar um decrescimento demográfico a partir de 2047, a população amapaense vai continuar crescendo pelo menos a década de 2060. O Amapá tem, atualmente, uma população pouco menor do que a do Acre mas deve ter mais habitantes nas próximas décadas.

Segundo as projeções populacionais do IBGE, o Amapá tinha uma população de 694 mil habitantes em 2010, passou para 862 mil em 2020 e está previsto um total de 1,3 milhão de habitantes em 2060, conforme mostra o gráfico abaixo.

população do amapá 2010 2060

Mas estas projeções foram feitas antes da pandemia e como o censo demográfico não foi realizado nem em 2020 e nem em 2021 existe um alto grau de incerteza sobre a situação atual e futura da população brasileira em todos os níveis da Federação.

Todavia, já podemos contar com dados de registros administrativos que mostram que o ritmo de crescimento demográfico do Amapá diminuiu após o início da pandemia, pois houve aumento do número de mortes e diminuição do número de nascimentos. O estado já registrou cerca de 122 mil casos e quase 2 mil mortes da covid-19.

Os dados do Painel de Monitoramento de Nascidos Vivos da SUS do Ministério da Saúde mostra que o número de nascidos vivos no Amapá estava acima de 15 mil nascimentos ao ano entre 2015 e 2019, mas caiu para cerca de 14 mil nascimentos em 2020. Os dados do Painel de Monitoramento da Mortalidade da SUS mostra que o número de óbitos estava abaixo de 3 mil ao ano entre 2015 e 2016, subiu para 3,5 mil em 2019 e chegou a 4,5 mil em 2020, conforme mostra o gráfico abaixo.

nascimentos e mortes no amapá 2015 2020

Em consequência, o crescimento vegetativo (nascimentos – mortes) do Amapá que estava acima de 12 mil pessoas ao ano entre 2015 e 2018, caiu para 11,8 mil em 2019 e diminuiu ainda mais em 2020, ficando abaixo de 10 mil pessoas no ano.

Ainda não existem dados definitivos para o primeiro semestre de 2021, mas considerando os dados do Ministério da Saúde no quadrimestre de janeiro a abril, o ritmo do crescimento vegetativo do Amapá caiu quase pela metade, pois continua a queda da natalidade e continua o aumento da mortalidade.

O que acontece no Amapá é semelhante ao que acontece no Brasil como um todo, pois a pandemia aumentou o número de óbitos e o medo da covid-19 fez muitas mulheres e casais adiarem as decisões reprodutivas para um momento pós pandêmico.

A redução dos nascimentos e o aumento dos óbitos aconteceu em todas as UFs. Mas no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul houve decrescimento populacional entre janeiro e julho de 2021. No Amapá a população continuou crescendo durante a pandemia, mas em menor ritmo.

A tendência geral do Brasil é de redução do ritmo de crescimento populacional na primeira metade do século e de grande envelhecimento da estrutura etária, com decrescimento demográfico na segunda metade do século XXI. O Amapá não vai divergir da tendência geral do país, mas, por ter uma estrutura etária mais rejuvenescida, será um daqueles Estados que continuarão apresentando crescimento populacional por mais tempo comparado com as demais UFs do Brasil.

Referências:

ALVES, JED. Bônus demográfico no Brasil: do nascimento tardio à morte precoce pela Covid-19, R. bras. Est. Pop., v.37, 1-18, e0120, 2020
https://www.scielo.br/pdf/rbepop/v37/0102-3098-rbepop-37-e0120.pdf

ALVES, JED. Óbitos podem superar os nascimentos no Brasil pandêmico, Ecodebate, 05/04/2021
https://www.ecodebate.com.br/2021/04/05/obitos-podem-superar-os-nascimentos-no-brasil-pandemico/

ALVES, JED. Dinâmica demográfica fluminense, pandemia e o decrescimento populacional, Ecodebate, 02/08/2021
https://www.ecodebate.com.br/2021/08/02/dinamica-demografica-fluminense-pandemia-e-o-decrescimento-populacional/

ALVES, JED. Em 2020, Amapá registrou menor número de nascimentos dos últimos 16 anos, Entrevista na Globonews Amapá, 12/08/2021
https://globoplay.globo.com/v/9763606/

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “A pandemia reduziu os nascimentos e aumentou os óbitos no Amapá

  1. Artigo que nos permite uma reflexão sobre os dados do Amapá neste momento pandêmico que vivemos, sem a realização do Censo Demográfico pelo IBGE.
    Como sempre o Prof. José Eustaquio nos brindando com sabedoria.

Comentários encerrados.

Top