Impacto do consumo de alimentos artificiais e ultraprocessados na saúde das pessoas e os caminhos para uma alimentação mais saudável

 

alimentos ultraprocessados
Foto: Arquivo EBC

Impacto do consumo de alimentos artificiais e ultraprocessados na saúde das pessoas e os caminhos para uma alimentação mais saudável, artigo de Janaína Alessandra Silva

O consumo excessivo de alimentos industrializados altera consideravelmente o funcionamento normal do organismo

O caminho para uma alimentação saudável e livre de produtos nocivos à saúde tem sido um dos principais assuntos em conferências mundiais de alimentação, em decorrência do aumento de pessoas diagnosticadas com diferentes doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) e sua importante relação com o estilo de vida. Estudos relatam que as DCNTs são responsáveis por cerca de 41 milhões de mortes no mundo (71% do total anual de mortes), sendo que as dietas inadequadas estão entre os maiores fatores de risco.

Segundo Fabri¹ (2021), algumas mudanças nos modelos de produção e consumo de alimentos resultaram na padronização das práticas alimentares. Os dados apontam para aumento no consumo de alimentos ultraprocessados que possuem altos níveis de açúcares, gorduras (principalmente saturado e trans), e sódio, assim como produtos com grandes quantidades de agrotóxicos e organismos geneticamente modificados que são denominados transgênicos.

O Guia Alimentar para a População Brasileira² (2014) aponta que padrões de alimentação mudam rapidamente na grande maioria dos países e, em particular, naqueles economicamente emergentes, como o Brasil. As principais alterações ocorrem pela substituição de alimentos in natura – que são provenientes de plantas ou de animais e não sofrem qualquer modificação após deixar a natureza – ou minimamente processados – alimento in natura submetido a processos como limpeza, secagem, seleção e embalagem – e preparações culinárias à base deles por produtos artificiais e ultraprocessados como lasanhas congeladas, macarrão instantâneo, biscoitos e salgadinhos.

Essa mudança ao longo dos anos desencadeou um desequilíbrio entre a oferta de nutrientes e a ingestão excessiva de calorias. Segundo estudos indexados em um documento publicado neste ano pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde³ (Nupens – USP) e em parceria com a Cátedra Josué de Castro, o aumento da ingestão de produtos ultraprocessados está diretamente relacionado a um maior risco de desenvolver hipertensão, diabetes, doenças do coração e certos tipos de câncer.

E por que ultraprocessados podem oferecer riscos à saude?

Os alimentos ultraprocessados são produtos transformados pela indústria, com poucos ingredientes naturais, adição de ingredientes e aditivos artificiais, que não mais remetem ao alimento original e um dos principais problemas é que apresentam uma alta densidade energética, maior teor de açúcar ou sódio, gorduras saturadas, além de baixo teor de fibras e micronutrientes essenciais.

O consumo excessivo de alimentos industrializados altera consideravelmente o funcionamento normal do organismo. O açúcar em excesso, por exemplo, aumenta os níveis de glicose circulante no sangue, e a resposta disso no organismo para essa taxa elevada de maneira crônica é o distúrbio na produção direta da insulina, caracterizando a resistência ao hormônio e desenvolvimento de diabetes – doença que pode se tornar fator de risco para outras.

O consumo alto de sódio, importante nutriente para o organismo, pode alterar o funcionamento do coração, causando pressão arterial desregulada, problemas renais e outras doenças graves. Nos alimentos ultraprocessados e com temperos adicionais, como o macarrão instantâneo e lasanhas congeladas, a quantidade de sódio é muito alta, devido aos aditivos utilizados para realçar o sabor. Isso também acontece em alimentos embutidos, como salames, presuntos e peito de peru, que é normalmente visto como inofensivo para a saúde.

Quais os caminhos para uma alimentação saudável e suas consequências?

O caminho para um estilo de vida saudável engloba uma alimentação equilibrada e sustentável, com o aumento do consumo de alimentos in natura ou minimamente processados nas refeições diárias, reduzindo o nível de ultraprocessados, encontrados facilmente em comércios de todos os tamanhos, por possuírem maior tempo de vida nas prateleiras e facilitarem os desafios logísticos de distribuição.

Muitos alimentos industrializados são prejudiciais à saúde pelo excesso de aditivos artificiais, além de não contarem com a rotulação ideal para entendimento do consumidor. O IDEC4 (Instituto de Defesa do Consumidor) e outros órgãos defendem mudanças nas regras de rotulagem de alimentos junto à ANVISA, exatamente para que o consumidor saiba exatamente sobre as composições.

Mais do que evitar doenças, é preciso reconhecer a alimentação como uma aliada no contexto de promoção da saúde e bem-estar individual. Para isso, é preciso que as informações sejam concisas para chegar às pessoas de forma consistente, educando sobre qualquer informação contida nos produtos e facilitando uma possível reeducação alimentar.

Além disso, as escolhas alimentares têm uma importante interação com os sistemas ambientais, agrícolas e de saúde. Portanto, mudanças individuais na rotina alimentar podem influenciá-los de forma crucial. De acordo com Nilson5 (2018), estima-se que no Brasil os gastos com doenças cardiovasculares aumentaram 17% entre 2010 e 2015, incluindo os custos pela morte prematura, internações e auxílios em decorrência da inatividade causada pela doença. Em 2011, os gastos do SUS com obesidade chegaram a quase 300 milhões de dólares, dos quais 24% deles foram destinados para obesidade mórbida.

Dar subsídios para que a população tenha acesso a alimentos e preparações culinárias saudáveis significa melhorias no estilo de vida em larga escala, com informações para influenciar suas escolhas, além de acesso a comidas de qualidade e boa procedência, produzidas de maneira agroecológica e sustentável.

Por Janaína Alessandra Silva – Doutoranda em Ciências pelo ICB – USP/ Nutricionista pela FSP – USP

Referências:

• ¹ Fabri RK, Martinelli SS, Perito MA, Fantini A, Cavali SB. Absence of symbolic and sustainable aspects in recommendations for healthy eating: a qualitative analysis of food-based dietary guidelines. Rev Nutr. 2021;34:e200120. https://doi.org/10.1590/1678-9865202134e200120

• ² Guia Alimentar para a População Brasileira (2014).

• ³ NUPENS. Núcleo de Pesquisas Epidemioólgicas em Nutrição e Saúde [Disponível em: https://www.fsp.usp.br/nupens/]

• 4 IDEC. Instituto de Defesa do Consumidor [Disponível em: https://idec.org.br/]

• 5 Nilson EAF, Andrade RCS, Brito DA, Oliveira ML. Custos atribuíveis a obesidade, hipertensão e diabetes no Sistema Único de Saúde, Brasil, 2018. Rev Panam Salud Publica. 2020;44:e32. https://doi.org/10.26633/RPSP.2020.32

• Diálogo sobre ultra processados. Soluções para sistemas alimentares saudáveis e sustentáveis. (2021)

• Aliança Alimentação [Disponível em: https://alimentacaosaudavel.org.br/]

• Andretta V, Silverio J, Mendes KG, Motter RF, Theodoro H. Consumo de alimentos ultraprocessados e fatores associados em uma amostra de base escolar pública no Sul do Brasil, 2021. https://doi.org/10.1590/1413-81232021264.04422019

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Impacto do consumo de alimentos artificiais e ultraprocessados na saúde das pessoas e os caminhos para uma alimentação mais saudável

  1. Achei esse site por acaso em minhas pesquisas na internet,
    acabou me interessando o assunto. Gostei do conteudo

Comentários encerrados.

Top