Interação entre agroquímicos aumenta a mortalidade das abelhas

 

Interação entre agroquímicos aumenta a mortalidade das abelhas

A exposição a um coquetel de agroquímicos aumenta significativamente a mortalidade das abelhas, de acordo com uma pesquisa, segundo a qual os reguladores podem estar subestimando os perigos da combinação de pesticidas.

Por Kelly MacNamara*, in Phys.org

As abelhas e outros polinizadores são cruciais para as plantações e habitats selvagens, e as evidências de quedas acentuadas nas populações de insetos em todo o mundo geraram temores de consequências terríveis para a segurança alimentar e os ecossistemas naturais .

Uma nova meta-análise de dezenas de estudos publicados nos últimos 20 anos examinou a interação entre agroquímicos, parasitas e desnutrição no comportamento das abelhas – como forrageamento, memória, reprodução da colônia – e saúde.

Os pesquisadores descobriram que, quando esses diferentes estressores interagiam, eles tinham um efeito negativo nas abelhas, aumentando muito a probabilidade de morte.

O estudo publicado na Nature também descobriu que a interação de pesticidas era provavelmente “sinérgica”, o que significa que seu impacto combinado era maior do que a soma de seus efeitos individuais.

Essas “interações entre vários agroquímicos aumentam significativamente a mortalidade das abelhas”, disse o co-autor Harry Siviter, da Universidade do Texas em Austin.

O estudo concluiu que as avaliações de risco que não permitem esse resultado “podem subestimar o efeito interativo dos estressores antrópicos na mortalidade das abelhas”.

Os pesquisadores disseram que seus resultados “demonstram que o processo regulatório em sua forma atual não protege as abelhas das consequências indesejáveis da exposição a agroquímicos complexos.

“Uma falha em resolver isso e continuar a expor as abelhas a vários estressores antrópicos na agricultura resultará no declínio contínuo das abelhas e seus serviços de polinização, em detrimento da saúde humana e do ecossistema”, concluiu o estudo.

Em um comentário também publicado na Nature, Adam Vanbergen, do Instituto Nacional de Pesquisa para Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente da França, disse que os insetos polinizadores enfrentam ameaças da agricultura intensiva, incluindo produtos químicos como fungicidas e pesticidas, bem como a redução de pólen e néctar de flores silvestres .

O uso em escala industrial de abelhas manejadas também aumenta a exposição dos polinizadores a parasitas e doenças.

Enquanto estudos individuais anteriores examinaram como esses estressores interagem, a nova meta-análise “confirma que o coquetel de agroquímicos que as abelhas encontram em um ambiente de criação intensiva pode criar um risco para as populações de abelhas”.

Ele disse que houve um foco geral nos impactos sobre as abelhas, mas acrescentou que há necessidade de mais pesquisas sobre outros polinizadores, que podem reagir de forma diferente a esses estressores.

Destaques:

  • Cerca de 75 por cento das safras mundiais que produzem frutas e sementes para consumo humano dependem de polinizadores, incluindo cacau, café, amêndoas e cerejas, de acordo com a ONU.
  • Em 2019, os cientistas concluíram que quase metade de todas as espécies de insetos em todo o mundo estão em declínio e um terço pode desaparecer completamente até o final do século.
  • Uma em cada seis espécies de abelhas foi extinta regionalmente em algum lugar do mundo.
  • Acredita-se que as principais causas da extinção de polinizadores sejam a perda de habitat e o uso de pesticidas

 

O efeito de vários fatores de estresse nas abelhas. Práticas associadas à agricultura intensiva reduzem a disponibilidade de alimentos para os polinizadores. A exposição a uma variedade de pesticidas representa outro risco para os polinizadores. Siviter et al apresentam uma meta-análise que indica as consequências para as abelhas de combinações (alguns exemplos mostrados) desses desafios.
O efeito de vários fatores de estresse nas abelhas. Práticas associadas à agricultura intensiva reduzem a disponibilidade de alimentos para os polinizadores. A exposição a uma variedade de pesticidas representa outro risco para os polinizadores. Siviter et al apresentam uma meta-análise que indica as consequências para as abelhas de combinações (alguns exemplos mostrados) desses desafios.

 

Referências:

Siviter, H., Bailes, E.J., Martin, C.D. et al. Agrochemicals interact synergistically to increase bee mortality. Nature (2021). https://doi.org/10.1038/s41586-021-03787-7

 

A cocktail of pesticides, parasites and hunger leaves bees down and out
Adam Vanbergen
https://doi.org/10.1038/d41586-021-02079-4

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top