Poluição do ar por produtos químicos e combustíveis têm impacto mortal

 

poluição

Poluição do ar por produtos químicos e combustíveis têm impacto mortal

Poluição do ar desencadeada pelo uso de produtos químicos comuns pode matar 10 vezes mais pessoas do que anteriormente reconhecido

Da University of Colorado at Boulder

Centenas de milhares de pessoas em todo o mundo morrem cedo demais todos os anos por causa da exposição à poluição do ar causada pelo nosso uso diário de produtos químicos e combustíveis, incluindo tintas, pesticidas, carvão e gases de escapamentos de veículos, de acordo com um novo estudo da CU Boulder.

O novo trabalho, liderado pelo ex-pesquisador de pós-doutorado do CIRES Benjamin Nault e o bolsista do CIRES Jose-Luis Jimenez, calculou que a poluição do ar causada por “aerossol orgânico secundário antropogênico” causa 340.000-900.000 mortes prematuras. Essas são minúsculas partículas na atmosfera que se formam a partir de produtos químicos emitidos pelas atividades humanas.

E “isso é mais de 10 vezes o número de mortes estimado anteriormente”, disse Nault, que agora é um cientista da Aerodyne Research, Inc. Seu trabalho, publicado na Atmospheric Chemistry and Physics , baseia-se nas descobertas de CU Boulder, NOAA, NASA e outros que as emissões de produtos de uso diário são cada vez mais importantes na formação de poluentes no ar urbano.

“A ideia mais antiga era que, para reduzir a mortalidade prematura, você deveria ter como alvo as usinas movidas a carvão ou o setor de transporte”, disse Nault. “Sim, eles são importantes, mas estamos mostrando que se você não está obtendo produtos de limpeza e pintura e outros produtos químicos do dia-a-dia, então você não está obtendo uma fonte importante.”

Os pesquisadores atmosféricos há muito entenderam que as partículas na atmosfera, pequenas o suficiente para serem inaladas, podem danificar os pulmões das pessoas e aumentar a mortalidade. Estudos estimam que a poluição por partículas finas, frequentemente chamada de PM2.5, leva a 3-4 milhões de mortes prematuras em todo o mundo por ano, possivelmente mais.

Muitos países, incluindo os Estados Unidos, portanto, têm leis que limitam quantas dessas partículas chegam à atmosfera. Regulamos a fuligem das usinas e do escapamento de diesel, por exemplo, que são fontes “diretas” de material particulado. E os regulamentos também têm como alvo as emissões de combustíveis fósseis de óxidos de enxofre e nitrogênio, que podem reagir na atmosfera para formar partículas finas – uma fonte indireta de partículas “inorgânicas secundárias”.

O novo trabalho sugere que uma terceira ampla categoria de produtos químicos – poluentes orgânicos secundários antropogênicos – é uma fonte indireta significativa de partículas finas mortais.

Para determinar o impacto na mortalidade de várias fontes de partículas finas, a equipe pesquisou dados de 11 estudos abrangentes de qualidade do ar realizados em cidades ao redor do mundo nas últimas duas décadas. Eles se basearam em bancos de dados detalhados de emissões químicas de cidades como Pequim, Londres e Nova York, e analisaram esses números por meio de modelos sofisticados de qualidade do ar que também incorporam dados de satélite.

Eles descobriram que a produção de aerossol orgânico secundário nessas 11 cidades estava fortemente correlacionada com compostos orgânicos específicos emitidos pelas atividades das pessoas. Os produtos químicos em questão – chamados de aromáticos e compostos orgânicos intermediários e semivoláteis – são emitidos por tubos de escape e combustíveis de cozinha, como madeira e carvão, e cada vez mais também por solventes industriais, tintas domésticas, produtos de limpeza e outros produtos químicos.

Em trabalhos anteriores, em Los Angeles , CIRES, NOAA e outros cientistas relataram que esses produtos químicos voláteis contribuem tanto quanto os veículos para a formação de poluição por partículas. “O que há de novo aqui”, disse o coautor Brian McDonald, um cientista da NOAA, “é que estamos mostrando que este é um problema em cidades em três continentes, América do Norte, Europa e Leste da Ásia”.

Os regulamentos de qualidade do ar tendem a se concentrar em produtos químicos voláteis que produzem ozônio, outro poluente perigoso, disse Jimenez, que também é professor de química na CU Boulder. Mas está cada vez mais claro, mais recentemente a partir do novo trabalho, que os produtos químicos que pouco contribuem para a formação de ozônio podem ainda contribuir seriamente para a formação de partículas.

“Como esse efeito foi considerado pequeno, ele não foi planejado para controle”, disse Jimenez. “Mas quando você leva em conta a química atmosférica e a coloca em um modelo, descobre que essa fonte em particular está matando muitas pessoas.”

Nault e Jimenez disseram que esperam expandir seu trabalho para incluir mais áreas urbanas do mundo, onde ainda não houve medições suficientes para confirmar que os produtos químicos voláteis contribuem substancialmente para as partículas finas. Mas a tendência está se mantendo até agora em todos os lugares onde há medições suficientes.

“Se você se preocupa com os impactos da poluição do ar na saúde e na mortalidade, precisa levar esse problema a sério”, concluiu Jimenez.

Referência:

Secondary organic aerosols from anthropogenic volatile organic compounds contribute substantially to air pollution mortality
Benjamin A. Nault et al.
Atmos. Chem. Phys., 21, 11201–11224, 2021
https://doi.org/10.5194/acp-21-11201-2021

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top