Crise hídrica e a importância das novas fontes na matriz de energia brasileira

 

energia 'verde'

Crise hídrica e a importância das novas fontes na matriz de energia brasileira

Com mais incentivos e abertura de mercado, é possível ampliar e diversificar a matriz de energia brasileira e reduzir seus impactos ambientais, econômicos e sociais.

Por Milena de Fatima Chezanoski 1

Atualmente, o Brasil enfrenta uma das piores crises hídricas da sua história. A vazão média dos principais rios utilizados para gerar energia é a pior em 91 anos2 e pela primeira vez o governo federal emitiu um alerta de “risco hídrico” no país. Este contexto abre caminhos para medidas preventivas, a fim de se evitar um racionamento de energia, como o ocorrido em 2001.

Com o alerta, algumas ações já entraram em curso, como a ativação de usinas termelétricas e a redução da vazão dos reservatórios das hidrelétricas. Ambas são prejudiciais à população, que pagará mais caro para suprir sua demanda energética. Além disso, importa considerar que as termelétricas, por funcionarem à combustão de gases e óleos, geram maior impacto sobre o meio ambiente. Já a redução da vazão dos reservatórios acaba por afetar algumas práticas essenciais para determinadas camadas populacionais, como o transporte fluvial e a pesca.

Como amplamente noticiado, o principal fator causador desta crise é o desmatamento desenfreado na floresta amazônica, que causa várias mudanças no fluxo de chuvas em todo o país, desencadeando a situação vista hoje. Alguns especialistas apontam que estas crises podem ficar cada vez mais frequentes, visto que a redução do volume de chuvas se intensifica a cada ano.

A crise hídrica é preocupante para o Brasil, porque, além do abastecimento da população, as hidrelétricas são responsáveis por mais de 60%3 da produção energética do país, com consequências diretas para os setores Industrial e do Agronegócio. Daí a necessidade de abertura das termelétricas e diminuição da vazão. Mas será mesmo este o único caminho?

Estudos apontam que o Brasil tem grande potencial de se tornar o primeiro país do mundo a atingir a marca de 100% de matriz energética renovável. Atualmente, 83,19% da matriz energética brasileira já é renovável, restando apenas 16,81%4 distribuídos por outras fontes. Dentre as fontes energéticas renováveis, estão as hidrelétricas, eólicas, solares ou fotovoltaicas e biomassa.

Apesar da notícia aparentemente positiva, é preciso se atentar para o fato de que uma matriz renovável não é necessariamente sustentável. Um bom exemplo desta diferenciação é o caso das hidrelétricas, que, apesar de consistirem em uma fonte renovável, causam um grande impacto ambiental e social em seu entorno. Além disso, com o advento da atual crise hídrica, as hidrelétricas têm relevado suas limitações em suprir plenamente a demanda energética brasileira.

É neste contexto que o mercado nacional pode se mostrar mais favorável a empresas que comercializam energias alternativas, principalmente a fotovoltaica e a proveniente da biomassa. Nos últimos anos, este setor já vem demonstrando intenso crescimento. De acordo com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), em maio de deste ano, a geração de energia solar cresceu 15,7% em relação ao mesmo período de 20205.

Recentemente, a Revista Forbes publicou uma matéria na qual a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) revela que as usinas de cana-de-açúcar têm capacidade de produzir o equivalente a uma hidrelétrica de médio porte. E tudo isso com a metade do custo demandado pelas termelétricas, que têm sido acionadas emergencialmente durante a crise. Além disso, constatou-se que essas usinas renováveis poderiam dobrar a produção em 20226, desde que houvesse um planejamento prévio que lhes permitisse aproveitar os insumos da próxima safra.

A partir desta previsão, é interessante questionar o sistema energético brasileiro e avaliar até que ponto o país está produzindo sua energia de forma limpa e sustentável – inclusive sob o aspecto econômico. Com mais incentivos e abertura de mercado, é possível ampliar e diversificar a matriz de energia brasileira e reduzir seus impactos ambientais, econômicos e sociais.

1 Graduanda de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR. Estagiária do Departamento de Comunicação no Escritório Philippi & Milkiewicz | Advocacia Sustentável. Contato: institucional@pmsustentavel.adv.br

2 CORREIO Brasiliense. Entenda a crise hídrica que ameaça o fornecimento de energia no Brasil. 15 jun. 2021. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2021/06/4931467-entenda-a-crise-hidrica-que-ameaca-o-fornecimento-de-energia.html. Acesso em 15 jul. 2021.

5 PORTA Solar. CCEE aponta que, em maio de 2021, geração solar passou por um crescimento de 15,7%. 09 jun. 2021. Disponível em: https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/geracao-solar/ccee-aponta-que-em-maio-de-2021-geracao-solar-passou-por-um-crescimento-de-157.html . Acesso em 15 jul. 2021

6 FORBES. Biomassa das usinas de cana pode gerar mais energia e amenizar efeitos da crise hídrica. 10 jun. 2021. Disponível em: https://forbes.com.br/forbesagro/2021/06/biomassa-das-usinas-de-cana-pode-gerar-mais-energia-e-amenizar-efeitos-da-crise-hidrica/. Acesso em 15 jul. 2021

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top