Não há evidências de que o consumo moderado de café cause arritmia cardíaca

 

café

Não há evidências de que o consumo moderado de café cause arritmia cardíaca

Café não aumenta o risco de problemas de ritmo cardíaco – Pesquisadores de Cardiologia da UCSF relatam que não há ligação entre o consumo de café e a arritmia

No maior estudo desse tipo, uma investigação da UC San Francisco não encontrou evidências de que o consumo moderado de café possa causar arritmia cardíaca.

Na verdade, cada xícara diária adicional de café consumida entre centenas de milhares de pessoas foi associada a um risco 3% menor de ocorrência de arritmia, incluindo fibrilação atrial, contrações ventriculares prematuras ou outras doenças cardíacas comuns, relatam os pesquisadores. O estudo incluiu um acompanhamento de quatro anos.

O artigo “Coffee Consumption and Incident TachyarrhythmiasReported Behavior, Mendelian Randomization, and Their Interactions” foi publicado em 19 de julho de 2021, no JAMA Internal Medicine .

“O café é a principal fonte de cafeína para a maioria das pessoas e tem a reputação de causar ou agravar arritmias”, disse o autor sênior e correspondente Gregory Marcus , MD, professor de medicina na Divisão de Cardiologia da UCSF.

“Mas não encontramos evidências de que o consumo de cafeína leve a um risco maior de arritmias”, disse Marcus, especialista no tratamento de arritmias. “Nosso estudo de base populacional oferece garantias de que as proibições comuns contra a cafeína para reduzir o risco de arritmia são provavelmente injustificadas.”

Embora algumas sociedades profissionais sugiram evitar produtos com cafeína para reduzir o risco de arritmia, essa conexão não foi consistentemente demonstrada – na verdade, o consumo de café pode ter benefícios anti-inflamatórios e está associado a riscos reduzidos de algumas doenças, incluindo câncer, diabetes e doença de Parkinson.

No novo estudo, os cientistas da UCSF exploraram se a ingestão habitual de café estava associada a um risco de arritmia e se as variantes genéticas que afetam o metabolismo da cafeína poderiam modificar essa associação.

A investigação foi conduzida por meio do UK Biobank, um estudo prospectivo de participantes do National Health Services da Inglaterra.

Cerca de 386.258 bebedores de café participaram da pesquisa do café, com idade média de 56 anos; um pouco mais da metade eram mulheres. Foi um tamanho de amostra sem precedentes para este tipo de inquérito.

Além de uma análise convencional que examina o consumo auto-relatado de café como um preditor de arritmias futuras, os pesquisadores empregaram uma técnica chamada “Randomização Mendeliana”, aproveitando dados genéticos para inferir relações causais. Como aqueles com as variantes genéticas associadas ao metabolismo mais rápido da cafeína beberam mais café, esta análise forneceu um método para testar a relação cafeína-arritmia de uma forma que não dependia do auto-relato do participante e deveria ser imune a grande parte da confusão inerente para a maioria dos estudos observacionais.

Com um seguimento médio de quatro anos, os dados foram ajustados para características demográficas, saúde e hábitos de vida.

No final das contas, aproximadamente 4% da amostra desenvolveu arritmia. Nenhuma evidência de um risco elevado de arritmias foi observada entre aqueles geneticamente predispostos a metabolizar a cafeína de forma diferente. Os pesquisadores disseram que maiores quantidades de café estavam, na verdade, associadas a uma redução de 3% no risco de desenvolver arritmia.

Os autores observaram limitações, incluindo a natureza de auto-relato do estudo, e que informações detalhadas sobre o tipo de café – como expresso ou não – não estavam disponíveis.

“Apenas um ensaio clínico randomizado pode demonstrar definitivamente os efeitos claros do consumo de café ou cafeína”, disse Marcus. “Mas nosso estudo não encontrou nenhuma evidência de que o consumo de bebidas com cafeína aumentasse o risco de arritmia. As propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias do café podem desempenhar um papel, e algumas propriedades da cafeína podem ser protetoras contra algumas arritmias. ”

Os coautores são Eun-jeong Kim , MD; Thomas J. Hoffmann, PhD; Gregory Nah , MA; Eric Vittinghoff , PhD; e Francesca Delling , MD, todos da UCSF.

Referência:

Kim E, Hoffmann TJ, Nah G, Vittinghoff E, Delling F, Marcus GM. Coffee Consumption and Incident Tachyarrhythmias: Reported Behavior, Mendelian Randomization, and Their Interactions. JAMA Intern Med. Published online July 19, 2021. doi:10.1001/jamainternmed.2021.3616

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da University of California

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top