Áreas Protegidas na Amazônia reduzem o desmatamento e as emissões de carbono

 

Áreas Protegidas na Amazônia reduzem o desmatamento e as emissões de carbono

Embora as florestas tropicais continuem ameaçadas e seu futuro seja incerto, aumenta a importância de compreender como as áreas protegidas individuais evitam o desmatamento. Pesquisadores da Universidade de Turku e da Universidade de Helsinque, Finlândia, investigaram essa questão em um estudo recém-publicado que enfoca o Estado do Acre na Amazônia brasileira.

As florestas tropicais são ambientes únicos que possuem grande diversidade de espécies e também atuam como importantes reservatórios de carbono orgânico, neutralizando as mudanças climáticas. No entanto, sua área está diminuindo devido ao desmatamento, o que dá motivos para se preocupar tanto com a sobrevivência de sua biodiversidade quanto com o aumento das emissões de carbono. Para ajudar a otimizar os esforços de conservação, é importante entender como as áreas de conservação conseguem proteger as florestas tropicais.

Um grupo de pesquisadores da Equipe de Pesquisa da Amazônia da Universidade de Turku e da Universidade de Helsinque comparou agora as taxas de desmatamento entre áreas protegidas e não protegidas ambientalmente semelhantes no estado do Acre, na Amazônia brasileira.

– Descobrimos que a maioria das áreas protegidas tem sido eficaz contra o desmatamento e as emissões de carbono associadas. No total, estimamos que a cada ano a rede de unidades de conservação do Acre ajuda a evitar a mesma quantidade de emissões de carbono que é produzida por mais de 120 mil europeus, explica o principal autor do estudo, Doutorando Teemu Koskimäki .

A realização desse tipo de análise é baseada em grandes quantidades de dados e requer métodos analíticos sofisticados. O software de computador necessário para fazer isso foi desenvolvido pela pesquisadora de pós-doutorado Johanna Eklund e colegas em um projeto anterior.

– Para quantificar o efeito da proteção, tivemos que levar em consideração muitas outras variáveis ??para encontrar e combinar áreas protegidas e não protegidas que são semelhantes em termos de ameaça de desmatamento. Por exemplo, quanto mais perto uma área está de uma cidade grande e mais fácil de chegar, mais pressão de desmatamento ela enfrenta, seja protegida ou não, explica Eklund.

Identificar as diferenças ajuda a planejar ações de conservação futuras

Curiosamente, os pesquisadores descobriram uma variação significativa entre as áreas protegidas.

– Algumas das áreas protegidas foram muito eficazes, enquanto outras pareciam sofrer desmatamento ainda mais severo do que florestas semelhantes não protegidas. Reconhecer essas diferenças e suas causas pode tornar a gestão das áreas protegidas mais eficiente e ajudar a alocar recursos para as áreas onde são mais necessários, diz Koskimäki.

áreas protegidas individuais mostraram variação substancial em seu impacto
As áreas protegidas individuais mostraram variação substancial em seu impacto, ou seja, quantidade estimada de desmatamento evitado. O impacto médio em todas as áreas e também dentro de cada categoria de proteção foi positivo.

No caso das terras indígenas, o objetivo principal é salvaguardar o espaço para os povos tradicionais locais viverem, em vez de proteger a natureza. No entanto, essas áreas foram consideradas pelo menos tão eficazes na prevenção do desmatamento quanto outras categorias de áreas protegidas. Parece que os povos indígenas não foram chamados de guardiões da floresta sem um bom motivo.

– Estamos agora iniciando um novo projeto para avaliar como as mudanças climáticas estão afetando a biodiversidade e os meios de subsistência das comunidades indígenas na Amazônia central. Isso é feito em colaboração com a população local. Eles estão preocupados, porque os padrões sazonais de chuvas e enchentes de rios parecem estar mudando e se tornando menos previsíveis, diz a professora Hanna Tuomisto .

Uma das principais ameaças à biodiversidade amazônica é a produção de carne para exportação
Uma das principais ameaças à biodiversidade amazônica é a produção de carne para exportação. A biomassa (e, portanto, o conteúdo de carbono) da floresta intacta é muitas vezes maior do que a biomassa da pastagem e do gado juntos. Portanto, a conversão da floresta libera quantidades significativas de dióxido de carbono na atmosfera. (Foto de Hanna Tuomisto)

No futuro, seria interessante esclarecer quais são os componentes de uma área protegida de sucesso, a fim de identificar e divulgar as boas práticas. Os resultados deste novo estudo podem ser usados para identificar potenciais sujeitos de estudo para futuras pesquisas no terreno a nível local.

Essa pesquisa também pode se concentrar em outros fatores que contribuem para o sucesso da conservação além da prevenção do desmatamento, como a forma como as áreas protegidas evitam a extração seletiva de madeira ou níveis insustentáveis de caça.

O artigo de pesquisa foi publicado na revista Environmental Conservation

Referência:

Koskimäki, T., Eklund, J., Moulatlet, G., & Tuomisto, H. (2021). Impact of individual protected areas on deforestation and carbon emissions in Acre, Brazil. Environmental Conservation, 1-8. doi:10.1017/S0376892921000229

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da University of Turku

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top