Glaciares no topo de montanhas dos trópicos estão desaparecendo em todo o mundo

 

Imagens de satélite mostram o recuo das calotas polares no topo do Monte Kilimanjaro, na Tanzânia, de 1975 a 2019
Imagens de satélite mostram o recuo das calotas polares no topo do Monte Kilimanjaro, na Tanzânia, de 1975 a 2019. Crédito: NASA Goddard Space Flight Center

Glaciares no topo de montanhas dos trópicos estão desaparecendo em todo o mundo

Geleiras no topo de montanhas nos trópicos, de todos os quatro hemisférios, já cobrem uma área significativamente menor – em um caso até 93% menos – do que há 50 anos, descobriu um novo estudo.

Por Laura Arenschield*
Ohio State News

O estudo, publicado online recentemente na revista Global and Planetary Change , descobriu que uma geleira perto de Puncak Jaya, em Papua Nova Guiné, perdeu cerca de 93% de seu gelo em um período de 38 anos de 1980 a 2018. Entre 1986 e 2019, o a área coberta por geleiras no topo do Kilimanjaro na África diminuiu quase 75%.

O estudo é o primeiro a combinar imagens de satélite da NASA com dados de núcleos de gelo perfurados durante expedições de campo em geleiras tropicais ao redor do mundo. Essa combinação mostra que a mudança climática está fazendo com que essas geleiras, que há muito são fontes de água para as comunidades próximas, desapareçam e indica que essas geleiras perderam gelo mais rapidamente nos últimos anos.

Os dois conjuntos de dados permitiram aos pesquisadores quantificar exatamente quanto gelo foi perdido nas geleiras nos trópicos. Essas geleiras são “os canários nas minas de carvão”, disse Lonnie Thompson , principal autor do estudo, distinto professor universitário de Ciências da Terra na Universidade Estadual de Ohio e pesquisador sênior do Byrd Polar and Climate Research Center do estado de Ohio .

“Estas estão nas partes mais remotas do nosso planeta – não estão próximas de grandes cidades, então você não tem um efeito de poluição local”, disse Thompson. “Essas geleiras são sentinelas, são sistemas de alerta precoce para o planeta e todas estão dizendo a mesma coisa.”

O estudo comparou mudanças na área coberta por geleiras em quatro regiões: Kilimanjaro na Tanzânia, Andes no Peru e Bolívia, Planalto Tibetano e Himalaia na Ásia Central e do Sul e campos de gelo em Papua, Nova Guiné, Indonésia. Thompson liderou expedições a todas essas geleiras e recuperou núcleos de gelo de cada uma delas. Os núcleos são longas colunas de gelo que atuam como uma espécie de cronograma para os climas das regiões ao longo de séculos a milênios. Conforme a neve cai em uma geleira a cada ano, ela é enterrada e comprimida para formar camadas de gelo que prendem e preservam a química da neve e de tudo o que está na atmosfera, incluindo poluentes e material biológico, como plantas e pólen. Os pesquisadores podem estudar essas camadas e determinar o que estava no ar no momento em que o gelo se formou.

Uma imagem tirada em 2019 do topo de Huascarán, a montanha tropical mais alta do mundo, mostra o gelo recuando encosta acima e expondo a rocha abaixo. Análises realizadas por pesquisadores da Universidade do Colorado mostraram que a área de gelo da geleira no topo daquela montanha diminuiu quase 19% de 1970 a 2003. Em 2020, a área da calota de gelo Quelccaya, a segunda maior área glaciar nos trópicos, diminuiu 46% em relação a 1976, ano em que Thompson perfurou o primeiro núcleo de gelo de seu cume.

Na época da primeira expedição de Thompson, a NASA lançou a primeira versão de sua missão Landsat . Landsat é uma coleção de satélites que fotografam a superfície da Terra e está em operação de várias formas desde 1972. Ele oferece o mais longo registro contínuo baseado no espaço da terra, gelo e água da Terra.

“Estamos nesta posição única, onde temos registros de núcleos de gelo desses topos de montanhas, e Landsat tem essas imagens detalhadas das geleiras e, se combinarmos esses dois conjuntos de dados, veremos claramente o que está acontecendo”, disse Thompson.

As geleiras nos trópicos respondem mais rapidamente às mudanças climáticas e, como existem nas áreas mais quentes do mundo, só podem sobreviver em altitudes muito elevadas, onde o clima é mais frio. Antes que a atmosfera da Terra esquentasse, a precipitação ali caía como neve. Agora, grande parte dele cai como chuva que faz com que o gelo existente derreta ainda mais rápido.

“Você não está mais sustentando o gelo nas altitudes mais elevadas”, disse o coautor Christopher Shuman , professor associado de pesquisa da Universidade de Maryland-Baltimore County e cientista associado de pesquisa do Goddard Space Flight Center da NASA em Maryland. “É essa interação entre o ar quente mais abaixo derretendo as margens dos campos de gelo, enquanto as altitudes mais altas ainda são frias o suficiente para receber uma certa quantidade de neve, mas não o suficiente para manter a calota polar às dimensões de antes. ”

Isso pode ter profundas repercussões para as pessoas que vivem perto dessas geleiras.

O estudo detalha a história de uma comunidade perto da calota glacial de Quelccaya e as consequências de uma enchente causada por enormes quantidades de gelo que caíram da geleira em um lago glacial próximo. A enchente destruiu campos que uma família de fazendeiros passou anos cultivando e amedrontou tanto a família que eles se mudaram quatro horas para longe da comunidade para começar uma nova vida na cidade.

Na Papua Nova Guiné, o gelo tem um significado cultural para muitos dos povos indígenas que vivem perto dos campos de gelo, pois eles consideram o gelo a cabeça de seu deus. Thompson acredita que os campos de gelo desaparecerão inteiramente dentro de dois ou três anos.

É tarde demais para essas geleiras, disse Thompson, mas não tarde demais para tentar reduzir a quantidade de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa emitidos na atmosfera, que estão causando o aquecimento do planeta.

“A ciência não muda a trajetória em que estamos – independentemente de quão clara seja a ciência, precisamos que algo aconteça para mudar essa trajetória”, disse ele.

Outros pesquisadores do Byrd Center que colaboraram neste estudo incluem Mary E. Davis, Ellen Mosley-Thompson e Stacy Porter. O cientista peruano Gustavo Valdivia Corrales contribuiu com pesquisas dos Andes, e Compton J. Tucker, da NASA, colaborou com imagens de satélite. As expedições de perfuração de núcleos de gelo foram apoiadas pela National Science Foundation e pela National Oceanic and Atmospheric Administration. O trabalho de campo etnográfico no Peru foi apoiado em parte pela Universidade Johns Hopkins.

Referência:
The impacts of warming on rapidly retreating high-altitude, low-latitude glaciers and ice core-derived climate records
Global and Planetary Change
Volume 203, August 2021, 103538
https://doi.org/10.1016/j.gloplacha.2021.103538

The impacts of warming on rapidly retreating high-altitude, low-latitude glaciers and ice core-derived climate records

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top