Estratégias de resfriamento urbano usando superfícies reflexivas

A cidade de Los Angeles está pintando o asfalto para que se torne reflexivo
A cidade de Los Angeles está pintando o asfalto para que se torne reflexivo. Foto: Yale School of the Environment

 

Estratégias de resfriamento urbano usando superfícies reflexivas

Uma estratégia de mitigação chamada infraestrutura cinza envolve a modificação de superfícies impermeáveis (paredes, telhados e pavimentos) para combater seu efeito de aquecimento convencional.

Pesquisadores da Escola de Engenharia Swanson da Universidade de Pittsburgh usaram um modelo de dinâmica de fluidos computacional para encontrar maneiras de diminuir o custo e aumentar o uso de superfícies mais frias.

O artigo, publicado na revista Nature Communications, examinou a possibilidade de aplicar superfícies mais frias a apenas metade das superfícies de uma cidade.

Se você já esteve no centro de uma cidade no meio do verão, sabe que o calor pode ser violento – e muito mais quente do que na região circundante.

As temperaturas nas cidades tendem a ser vários graus mais altas do que nas áreas rurais, um fenômeno denominado efeito Ilha de Calor Urbano (UHI). Observou-se que muitas cidades são 2 a 4ºC mais quentes do que o campo em praticamente todos os continentes habitados. Esse fenômeno ocorre porque a infraestrutura urbana, principalmente pavimentos, absorve muito calor em comparação com superfícies com vegetação natural. Essa poluição por calor causa custos mais elevados com o ar-condicionado e com a água, além de representar um perigo para a saúde pública.

Uma estratégia de mitigação chamada infraestrutura cinza envolve a modificação de superfícies impermeáveis (paredes, telhados e pavimentos) para combater seu efeito de aquecimento convencional.

As superfícies urbanas típicas têm uma reflexão solar (albedo) de 0,20, o que significa que refletem apenas 20% da luz solar e absorvem até 80%. Em contraste, o concreto refletivo e os revestimentos podem ser projetados para refletir 30-50 por cento ou mais. Cidades como Los Angeles já usaram revestimentos reflexivos nas principais ruas para combater a poluição por calor, embora a solução possa ser cara de implementar em toda a cidade.

Pesquisadores da Escola de Engenharia Swanson da Universidade de Pittsburgh usaram um modelo de dinâmica de fluidos computacional para encontrar maneiras de diminuir o custo e aumentar o uso de superfícies mais frias. O artigo, publicado na revista Nature Communications, examinou a possibilidade de aplicar superfícies mais frias a apenas metade das superfícies de uma cidade.

“Esta poderia ser uma solução eficaz se as superfícies selecionadas estivessem a montante da direção dominante do vento”, disse o autor principal Sushobhan Sen, associado de pós-doutorado no Departamento de Engenharia Civil e Ambiental. “Uma ‘barreira’ de superfícies frias resfria preventivamente o ar quente, que então resfria o resto da cidade por uma fração do custo. Por outro lado, se as superfícies não forem selecionadas estrategicamente, sua eficácia pode diminuir substancialmente. ”

Esta pesquisa oferece aos planejadores urbanos e engenheiros civis uma maneira adicional de construir uma infraestrutura resiliente e sustentável usando recursos limitados.

“É importante para a saúde do planeta e de seu povo que encontremos uma maneira de mitigar o calor produzido pela infraestrutura urbana”, disse o co-autor Lev Khazanovich , professor titular de Engenharia Civil e Ambiental do departamento Anthony Gill. “As superfícies reflexivas estrategicamente posicionadas podem maximizar a mitigação da poluição do calor ao mesmo tempo que usam recursos mínimos.”

O artigo, intitulado “Limited application of reflective surfaces can mitigate urban heat pollution” (DOI: 10.1038 / s41467-021-23634-7 ) foi coautorado por Sen e Khazanovich. O artigo foi recentemente apresentado pela Nature Communications na página de destaque dos editores sobre os impactos das mudanças climáticas.

Referência:

Sen, S., Khazanovich, L. Limited application of reflective surfaces can mitigate urban heat pollution. Nat Commun 12, 3491 (2021). https://doi.org/10.1038/s41467-021-23634-7

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da University of Pittsburgh

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top