Recifes de coral do mundo podem parar de se calcificar por volta de 2054

 

Coral Dendronephthya australis
Coral Dendronephthya australis é um habitat seguro para criaturas marinhas como cavalos-marinhos (crédito David Harasti)

Recifes de coral do mundo podem parar de se calcificar por volta de 2054

 

Se a tendência de declínio do crescimento do coral continuar no ritmo atual, os recifes de coral do mundo podem parar de se calcificar por volta de 2054.

Se a tendência de declínio do crescimento do coral continuar na taxa atual, os recifes de coral do mundo podem parar de se calcificar por volta de 2054, descobriu um novo estudo da Southern Cross University.

Com base em pesquisas do final dos anos 1960 até agora, o artigo publicado na Communications & Environment revela as tendências espaço-temporais globais e os impulsionadores do crescimento do ecossistema de recifes de coral (conhecido como calcificação).

Cento e dezesseis estudos de 53 artigos publicados foram analisados.

“É sabido que os recifes de coral têm se degradado ao longo do tempo. Nosso estudo se baseia em dados históricos para quantificar a taxa atual de declínio e indica o que pode estar acontecendo no futuro”, disse o líder do projeto, Dr. Kay Davis.

“Nosso trabalho complementa alguns outros estudos que indicam a dissolução líquida dos recifes de coral em meados do século, entre 2030 e 2080.”

Os estudos de caso foram de sites de todo o mundo. O país mais estudado foi a Austrália (Grande Barreira de Corais, Ilha Lord Howe e recifes da Austrália Ocidental). Outros estudos de caso incluíram locais de recifes no Japão, Havaí, Mar Vermelho, Polinésia Francesa e Bermudas, entre outros.

“A repetição de observações nos mesmos locais pode fornecer uma visão sobre como os recifes de coral estão respondendo às mudanças nas condições ambientais em escala global”, disse o Dr. Davis.

“Mas essas pesquisas repetidas de calcificação e produtividade foram realizadas apenas em sete locais.”

O declínio da cobertura de corais e o declínio da saúde do coral remanescente podem estar contribuindo para reduzir as taxas globais de calcificação.

“Descobrimos que as taxas de calcificação do ecossistema de coral estão diminuindo significativamente a uma taxa média de 4,3% ± 1,9% ano-1 com uma redução simultânea na cobertura média de coral de 1,8% ano-1. Isso sugere que a perda de cobertura de coral pode não ser o único contribuinte do declínio da calcificação “, disse o Dr. Davis.

“Eventos de estresse, como o branqueamento do coral, podem impactar a calcificação, mesmo sem a morte do coral. Os corais aumentam suas chances de sobrevivência durante períodos estressantes, reduzindo temporariamente a calcificação.”

Para sustentar os recifes de coral, os corais individuais precisam crescer para fornecer alimento e habitat para o ecossistema. O crescimento do coral é chamado de ‘calcificação’. À medida que os corais absorvem carbonato de cálcio (CaCO3) da coluna d’água para produzir seus esqueletos, as taxas de calcificação podem ser determinadas por meio de mudanças na química da água.

A dissolução de corais é o oposto, onde os esqueletos liberam CaCO3 de volta na água, normalmente em períodos de nenhuma produtividade ou quando sob estresse. Quanto maior a taxa de crescimento líquido (calcificação-dissolução), mais corais construtores de recifes e algas calcificantes estão produzindo para o ecossistema.

O Centro Nacional de Ciências Marinhas da Universidade em Coffs Harbour tem infraestrutura analítica exclusiva para detectar mudanças sutis na química da água do mar necessárias para quantificar a calcificação do ecossistema de recifes de coral.

Referência:

Davis, K.L., Colefax, A.P., Tucker, J.P. et al. Global coral reef ecosystems exhibit declining calcification and increasing primary productivity. Commun Earth Environ 2, 105 (2021). https://doi.org/10.1038/s43247-021-00168-w

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de informações da Southern Cross University

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top