A cultura impulsiona a evolução humana mais do que a genética

 

evolução
Foto: University of Maine

A cultura impulsiona a evolução humana mais do que a genética

Em um novo estudo, pesquisadores da University of Maine descobriram que a cultura ajuda os humanos a se adaptarem ao ambiente e a superar os desafios de maneira melhor e mais rápida do que a genética.

Depois de realizar uma extensa revisão da literatura e evidências da evolução humana de longo prazo, os cientistas Tim Waring e Zach Wood concluíram que os humanos estão passando por uma “transição evolutiva especial” na qual a importância da cultura, como conhecimentos, práticas e habilidades aprendidas, está ultrapassando o valor dos genes como o principal motor da evolução humana.

A cultura é um fator subestimado na evolução humana, diz Waring. Como os genes, a cultura ajuda as pessoas a se ajustarem ao ambiente e a enfrentar os desafios de sobrevivência e reprodução. A cultura, no entanto, faz isso de maneira mais eficaz do que os genes porque a transferência de conhecimento é mais rápida e flexível do que a herança dos genes, de acordo com Waring e Wood.

A cultura é um mecanismo de adaptação mais forte por algumas razões, diz Waring. É mais rápido: a transferência de genes ocorre apenas uma vez por geração, enquanto as práticas culturais podem ser aprendidas rapidamente e atualizadas com frequência. A cultura também é mais flexível do que os genes: a transferência de genes é rígida e limitada à informação genética de dois pais, enquanto a transmissão cultural é baseada no aprendizado humano flexível e efetivamente ilimitado, com a capacidade de fazer uso de informações de colegas e especialistas muito além dos pais. Como resultado, a evolução cultural é um tipo de adaptação mais forte do que a genética antiga.

Waring, um professor associado de modelagem de sistemas socioecológicos, e Wood, um pós-doutorado associado da School of Biology and Ecology, acabam de publicar suas descobertas em uma revisão da literatura no Proceedings of the Royal Society B, o principal periódico de pesquisa biológica da Royal Society em Londres.

“Esta pesquisa explica porque os humanos são uma espécie tão única. Nós evoluímos geneticamente e culturalmente ao longo do tempo, mas aos poucos estamos nos tornando cada vez mais culturais e cada vez menos genéticos ”, diz Waring.

A cultura influenciou como os humanos sobrevivem e evoluem por milênios. De acordo com Waring e Wood, a combinação de cultura e genes alimentou várias adaptações importantes em humanos, como agressão reduzida, inclinações cooperativas, habilidades colaborativas e a capacidade de aprendizagem social. Cada vez mais, os pesquisadores sugerem, as adaptações humanas são guiadas pela cultura e requerem genes para se acomodar.

Waring e Wood dizem que a cultura também é especial em um aspecto importante: é fortemente orientada para o grupo. Fatores como conformidade, identidade social e normas e instituições compartilhadas – fatores que não têm equivalente genético – tornam a evolução cultural muito orientada para o grupo, segundo os pesquisadores. Portanto, a competição entre grupos culturalmente organizados impulsiona adaptações como novas normas cooperativas e sistemas sociais que ajudam os grupos a sobreviver melhor juntos.

De acordo com os pesquisadores, “grupos culturalmente organizados parecem resolver problemas adaptativos mais prontamente do que indivíduos, por meio do valor agregado da aprendizagem social e da transmissão cultural em grupos”. As adaptações culturais também podem ocorrer mais rapidamente em grupos maiores do que em grupos pequenos.

Com grupos orientando principalmente a cultura e a cultura agora alimentando a evolução humana mais do que a genética, Waring e Wood descobriram que a própria evolução se tornou mais orientada para o grupo.

“No longo prazo, sugerimos que os humanos estão evoluindo de organismos genéticos individuais para grupos culturais que funcionam como superorganismos, semelhantes a colônias de formigas e colmeias”, diz Waring. “A metáfora da ‘sociedade como organismo’ não é tão metafórica, afinal. Essa percepção pode ajudar a sociedade a entender melhor como os indivíduos podem se encaixar em um sistema bem organizado e mutuamente benéfico. Veja a pandemia de coronavírus, por exemplo. Um programa nacional de resposta à epidemia eficaz é realmente um sistema imunológico nacional e, portanto, podemos aprender diretamente de como o sistema imunológico funciona para melhorar nossa resposta ao COVID. ”

Waring é membro da Cultural Evolution Society, uma rede internacional de pesquisa que estuda a evolução da cultura em todas as espécies. Ele aplica a evolução cultural ao estudo da sustentabilidade em sistemas sócio-ecológicos e cooperação na evolução organizacional.

Wood trabalha no Laboratório de Aplicações Evolucionárias UMaine gerenciado por Michael Kinnison, um professor de aplicações evolutivas. Sua pesquisa se concentra na dinâmica eco-evolutiva, particularmente na evolução rápida durante as cascatas tróficas.

Referência:

Waring Timothy M. and Wood Zachary T.
2021 Long-term gene–culture coevolution and the human evolutionary transition Proc. R. Soc. B.2882021053820210538
http://doi.org/10.1098/rspb.2021.0538

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da University of Maine

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top