A biodiversidade fornece serviços ecossistêmicos essenciais para a agricultura

 

agroecologia
A agroecologia é um sistema de produção agrícola alternativa que busca a sustentabilidade da agricultura familiar resgatando práticas que permitam ao agricultor pobre produzir sem depender de insumos industriais como agrotóxicos, por exemplo. – Charge por Latuff, no Humor Político

A biodiversidade fornece serviços ecossistêmicos essenciais para a agricultura

Slow Food apresenta seu novo documento sobre biodiversidade: a solução é a agroecologia

“Devemos celebrar a biodiversidade todos os dias, não apenas no dia 22 de maio”, comenta Edie Mukiibi, Vice-Presidente do Slow Food. “Por que? Porque a biodiversidade é o que permite que os sistemas agrícolas resistam e superem os choques ambientais, as pandemias e a crise climática. Fornece serviços ecossistêmicos essenciais, como polinização e fertilidade do solo. Permite produzir alimentos com menor impacto sobre os recursos não renováveis e menos insumos externos, como os agrotóxicos. É essencial para a nossa sobrevivência. ”

Há mais de 20 anos, o Slow Food trabalha com a biodiversidade que sustenta a agricultura e a produção de alimentos: espécies e variedades de plantas, raças de animais, insetos benéficos, microrganismos, ecossistemas, conhecimento e cultura. Foi uma das primeiras organizações a focar a atenção na biodiversidade doméstica (variedades cultivadas e espécies cultivadas) e foi a primeira em qualquer lugar a considerar as técnicas de processamento e produtos processados (como pães e queijos) como parte integrante do nosso patrimônio de biodiversidade. “Agora, mais do que nunca, se queremos garantir alimentos bons, limpos e justos para todos, é necessário partir da biodiversidade e inverter um modelo de produção que continua gerando desastres ambientais e sociais e minando os alicerces da segurança alimentar tanto para as gerações presentes e as do futuro ”, continua Mukiibi.

Por ocasião do Dia Internacional da Diversidade Biológica, o Slow Food apresenta seu documento de posicionamento Se a biodiversidade está viva, o planeta também está, que destaca os principais desafios que nosso planeta enfrenta e apresenta possíveis soluções, a começar pelas práticas agroecológicas. A agroecologia nos permite preservar e regenerar a fertilidade do solo e reduzir drasticamente o uso de produtos químicos sintéticos na agricultura.

Isso é especialmente relevante hoje, quando também comemoramos o Dia Mundial da Abelha: 40% da produção agrícola depende de polinizadores e grande parte desse trabalho é realizado por insetos: abelhas, vespas, borboletas, mariposas, besouros, formigas e assim por diante. A Europa está perdendo um terço de suas populações de abelhas e borboletas por causa de pesticidas, monoculturas, construção excessiva, mudanças climáticas e transporte de espécies exóticas. “Como exigimos na Iniciativa de Cidadania Europeia para Salvar as abelhas e os agricultores, os habitats devem ser restaurados e as áreas agrícolas devem se tornar um vetor de recuperação da biodiversidade. Os agricultores devem ser apoiados nesta transição necessária do alto uso de pesticidas para a agroecologia, que se baseia sobre a biodiversidade local “, acrescenta Marta Messa, Diretora do Slow Food Europe.

No que diz respeito à nossa alimentação, estamos rodeados de biodiversidade mesmo que não a vejamos: os microrganismos do solo garantem a sua fertilidade, enquanto os alimentos fermentados como pão, chocolate, queijo, vinho e cerveja são todos produtos da biodiversidade microbiana. A fermentação é causada por leveduras, fungos e bactérias que se encontram no solo, nas pastagens e nos ambientes de produção. Aumenta o conteúdo nutricional dos alimentos, enriquece-os com flora microbiana probiótica e dá-lhes características sensoriais únicas. Para proteger a biodiversidade microbiana, o Slow Food promove produtos naturais: queijos sem enzimas industriais, pão com fermento natural, charcutaria sem aditivos e conservantes e vinhos com leveduras nativas.

“Estamos enfrentando uma pandemia causada por um vírus que erradicou nossas vidas. Isso deve nos fazer parar e pensar na importância dos organismos microscópicos na base da biodiversidade ”, explica Serena Milano, secretária geral da Fundação Slow Food para a Biodiversidade. A destruição de habitats naturais e a consequente perda de biodiversidade criam condições propícias à propagação de doenças zoonóticas e aumentam o risco de epidemias como resultado de transbordamento (transmissão de vírus da natureza para espécies domesticadas e humanos).

Não para por aí: a biodiversidade contribui para uma dieta saudável e diversificada de várias maneiras. Variedades de plantas locais e raças de animais – assim como espécies selvagens – frequentemente têm um conteúdo de nutrientes mais alto do que as versões comerciais e cultivadas correspondentes. Os alimentos e estilos de alimentação que são bons para a saúde humana também são os que têm menor impacto no meio ambiente do planeta.

“Devemos apoiar as comunidades locais que selecionaram, preservaram e reproduziram as sementes, melhorando o rendimento, o sabor e o valor nutricional de um grande número de vegetais, legumes e cereais”, acrescenta Milano. Infelizmente, 75% das variedades de culturas que eram cultivadas no início do século 20 foram perdidas e três espécies – milho, arroz, trigo – fornecem 60% da energia alimentar mundial. Dois exemplos: existem 5000 variedades locais de batata em todo o mundo, mas o mercado global é dominado por 4 variedades comerciais; o mesmo se aplica à banana, onde apenas uma variedade domina o mercado global, apesar de haver mais de 500 disponíveis.

É a mesma história com raças de animais: 26% das 8.803 raças catalogadas em todo o mundo estão em risco de extinção e o status de 67% delas é desconhecido. A indústria conta com apenas algumas raças comerciais, selecionadas por sua produção de leite e / ou carne, cultivadas intensivamente sem acesso a espaços abertos, tratadas com antibióticos, criadas com ração industrial e transportadas por longas distâncias. Como resultado desse modelo, o setor zootécnico é responsável por 14,5% das emissões de gases de efeito estufa. Para enfrentar a perda de biodiversidade animal, é necessário um modelo de pecuária baseado na diversidade, onde a adaptabilidade das raças locais, seus laços com as áreas locais e pastagens sejam devidamente valorizados.

“Estamos vivendo um momento difícil em nível global e os povos indígenas estão mais vulneráveis ??do que nunca”, comenta Dali Nolasco Cruz, Indígena Nahua e Coordenadora da Rede Indígena Terra Madre para a América Latina e o Caribe. “Há uma dívida histórica com nossos povos. Somos os guardiões de 80% da biodiversidade mundial. Nós, povos indígenas do mundo, reafirmamos nosso compromisso de lutar por nossos direitos, pela defesa de nossas terras e por nossa soberania alimentar. Estamos chamando à ação todos os povos indígenas do mundo: os jovens, as mulheres, as crianças e os homens, às instituições locais, nacionais e internacionais, para que juntos possamos escrever o futuro dos alimentos e projetar o mundo que queremos. ”

Serena Milano conclui: “A biodiversidade está ao nosso redor e protegê-la por meio da agroecologia é a única solução que temos para preservar as comunidades locais, os alimentos locais e o planeta. Esta é a mensagem que o Slow Food trará para a décima quinta reunião da Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP 15) em outubro, onde um novo Marco Global para a Biodiversidade pós-2020 será adotado ”.

Clique aqui para ler a versão completa do documento Se a biodiversidade está viva, o planeta também está.

Clique aqui para ler o resumo do documento Se a biodiversidade está viva, o planeta também está.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top