Como o oceano molda o tempo e o clima

 

oceano

Como o oceano molda o tempo e o clima

A estreita ligação do oceano com a atmosfera torna a compreensão de seu comportamento vital para a previsão do tempo e das condições climáticas.

O oceano absorve a maior parte da energia solar que chega à Terra; como o Equador recebe muito mais energia solar do que os polos, enormes correntes oceânicas horizontais e verticais se formam e fazem circular esse calor pelo planeta. Algumas dessas correntes carregam calor por milhares de quilômetros antes de liberar grande parte dele de volta para a atmosfera.

Outra interação importante é que, como o oceano aquece e esfria mais lentamente do que a atmosfera, o clima costeiro tende a ser mais moderado do que o clima continental, com menos extremos quentes e frios. A evaporação do oceano, especialmente nos trópicos, cria a maioria das nuvens de chuva, influenciando a localização das zonas úmidas e secas na terra.

Mais de 90% do calor extra aprisionado pelas emissões de carbono da humanidade é armazenado no oceano – apenas cerca de 2,3% aquece a atmosfera, enquanto o restante derrete neve e gelo e aquece a terra. Como resultado, a atmosfera está aquecendo menos rapidamente do que de outra forma. Isso não deve nos levar à inércia, no entanto, já que o aquecimento dos oceanos apenas atrasa o impacto total das mudanças climáticas. Muito do calor recém-absorvido pelo oceano fluirá para a atmosfera nos próximos séculos.

Os meteorologistas combinam observações oceânicas e conhecimento de como as interações oceano-atmosfera moldam o tempo e os padrões climáticos de longo prazo com observações atmosféricas de temperatura diária, vento, precipitação e outras variáveis. Juntos, esses dados tornam-se dados essenciais para modelos de tempo e clima. A comunidade da OMM, portanto, tem um grande interesse em apoiar observações, pesquisas e serviços do oceano.

Previsão da variabilidade climática

Além de influenciar a geografia das zonas climáticas do planeta, o oceano faz com que o clima varie por períodos de semanas a décadas por meio de oscilações regulares. Exemplos são o El Niño-Oscilação Sul no Pacífico tropical, o Dipolo do Oceano Índico e a Oscilação do Atlântico Norte. Oscilações são causadas quando os padrões de mudança de temperatura da superfície do mar, pressão atmosférica e vento interagem para produzir períodos climáticos que são mais quentes ou mais frios, ou mais úmidos ou mais secos, do que o normal.

Com o monitoramento aprimorado do oceano e da atmosfera e uma compreensão científica aprimorada, os cientistas podem cada vez mais identificar e prever essas oscilações – e, portanto, o clima e o tempo. Os centros climáticos regionais e os fóruns regionais de previsão do clima da OMM usam esse conhecimento para produzir previsões climáticas sazonais de consenso.

O oceano e as mudanças climáticas

Estudar o oceano também é essencial para obter uma melhor compreensão das mudanças climáticas induzidas pelo homem. O Programa Mundial de Pesquisa do Clima coordena esforços para entender questões fundamentais sobre o oceano e o clima e como sua interação leva a eventos extremos.

O oceano armazena a maior parte do calor que está sendo aprisionado pelos gases de efeito estufa da humanidade e desempenha um papel importante em como a mudança climática está progredindo. Também absorve parte do dióxido de carbono emitido pelas atividades humanas, fazendo com que a água do mar se torne mais ácida (ou, mais corretamente, menos alcalina). Isso já está prejudicando os recifes de coral e a pesca nos recifes, dos quais cerca de um bilhão de pessoas dependem.

A OMM coordena esforços para estudar como o oceano e a atmosfera trocam gases e aerossóis. Em colaboração com outras organizações, como a Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, a OMM também está apoiando as observações que são necessárias para uma melhor compreensão de como as mudanças climáticas estão afetando a produtividade marinha e a pesca.

 

Da World Meteorological Organization (WMO), in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/04/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top