Alguns motivos para trabalhar a temática indígena nas escolas

 

educação

Alguns motivos para trabalhar a temática indígena nas escolas

A cultura dos povos indígenas traz muitos benefícios para a aprendizagem e ajuda os estudantes a desenvolverem uma consciência maior sobre a sociedade brasileira

Por Julia Di Spagna

A celebração do “Dia do Índio” em 19 de abril surgiu como um marco para preservar a memória e valorizar as culturas formadoras de nosso país. Embora a data possa trazer contribuições significativas sobre o assunto, quando discutida de forma superficial nas escolas pode reforçar estereótipos e reduzir os povos indígenas a imagens caricatas e exóticas, sem que haja uma proposta para reflexões mais críticas e aprofundadas.

Para Cristine Takuá, autora do material da BEI Educação e especialista em cultura indígena, é importante que a temática permeie o currículo escolar ao longo de todo o ano letivo, e não apenas no mês de abril. A autora relembra que, apesar de já existir uma lei determinando o ensino obrigatório de história e cultura indígena em todas as escolas brasileiras, na prática o assunto ainda é invisibilizado dentro das instituições. Pensando nisso, a especialista destaca 5 motivos para trabalhar a temática indígena em sala de aula. Confira:

É uma forma de combater o preconceito e o racismo contra indígenas

De acordo com Takuá, uma das formas de combater o racismo contra povos indígenas é por meio da visibilidade. Ela reforça que, atualmente, os povos indígenas representam mais de trezentas etnias diferentes em todo o país, povos que resistem há mais de 500 anos no território brasileiro e, ainda sim, são grupos marginalizados nos espaços sociais. “Para que não haja mais preconceito é preciso ter conhecimento. O contato com a cultura indígena no ambiente escolar sensibiliza os estudantes, e é da sensibilização que surge a conscientização”, explica a autora.

Permite uma abordagem interdisciplinar e plural

Na escola, é possível explorar a temática indígena em diversas áreas do conhecimento, seja por meio da arte, da história, das ciências ou das linguagens. Takuá explica que a abordagem interdisciplinar, além de trazer benefícios para a aprendizagem ao articular diversos saberes, também possibilita visões mais plurais e diversas sobre a história do Brasil. “Abordar cultura indígena em sala de aula ajuda os estudantes a ampliarem seu conhecimento sobre a sociedade brasileira para além do foco eurocêntrico. Ela abre possibilidades para adentrar novas formas de ver e pensar o mundo”, explica.

Ajuda a entender não apenas nosso passado, mas também nosso presente

Estudar o passado de dominação e violência que construiu a história do Brasil é um passo importante para refletir criticamente sobre o assunto. As influências indígenas, no entanto, não se limitam ao período colonial. A cultura indígena não está distante de nós, ao contrário, ela se faz presente todos os dias. Muitos dos costumes e crenças que temos hoje são herança direta dos povos tupi guarani, como o hábito de andar descalço e a alimentação baseada em mandioca e farinha. Além disso, muitas palavras que nomeiam rios, viadutos e ruas ao nosso redor têm origem indígena, como “ibirapuera”, “anhanguera” e “tietê”.

Proporciona dinâmicas mais interativas em sala de aula

Cristine Takuá afirma que a internet e as tecnologias digitais são grandes aliados nesse processo, já que permitem o acesso a formatos diversificados para introduzir o tema. A autora também defende que o contato com a arte indígena é uma boa forma de tornar as aulas mais interativas e dinâmicas, já que o educador pode criar projetos e atividades utilizando elementos, como a música, a pintura, a cerâmica, a tecelagem, a literatura e o cinema.

Traz reflexões sobre sustentabilidade e meio ambiente

A natureza tem um significado muito forte para os povos indígenas. O cuidado com a terra, com os animais e com as florestas transmitidos de geração para geração, hoje, tentam resistir à ameaça de destruição do meio ambiente e dos recursos naturais. A cultura indígena tem muito a ensinar sobre sustentabilidade e, muitas vezes, esses aprendizados são deixados de lado ou até inferiorizados dentro do ambiente escolar. Por isso, é importante que os educadores busquem sempre ampliar as fontes trabalhadas em sala de aula, prezando pela diversidade e pelo respeito a todas as formas de cultura.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/04/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top