Como a UE pode reduzir o desmatamento das florestas tropicais

 

desmatamento

Como a UE pode reduzir o desmatamento das florestas tropicais

As importações da UE de produtos, incluindo o óleo de palma, soja e carne, contribuem significativamente para o desmatamento em outras partes do mundo.

Por Christian Löwhagen e Joshua Worth*

Em um novo estudo, pesquisadores da Chalmers University of Technology, na Suécia, e da University of Louvain, na Bélgica, avaliaram mais de mil propostas de políticas sobre como a UE poderia reduzir esse impacto, para avaliar quais teriam o maior potencial para reduzir o desmatamento – enquanto também sendo politicamente viável.
“Não é surpresa que haja um apoio mais fraco a regulamentações mais rígidas, como restrições à importação de certos produtos. Mas nosso estudo mostra que há amplo apoio em geral, inclusive para certas políticas que têm potencial real para reduzir o desmatamento importado ”, diz Martin Persson, Professor Associado de Teoria dos Recursos Físicos na Chalmers University of Technology.

Uma pesquisa anterior da Universidade de Tecnologia de Chalmers já mostrou grande impacto da UE nesta área . Mais da metade do desmatamento tropical está relacionado à produção de alimentos e rações para animais, como óleo de palma, soja, produtos de madeira, cacau e café – produtos que a UE importa em grandes quantidades. A questão é: o que a UE pode fazer para reduzir sua contribuição para o desmatamento?

“Esta questão é particularmente interessante agora, já que este ano a UE planeja apresentar propostas legislativas para reduzir o desmatamento causado pelo consumo europeu. A questão tem sido discutida pela UE desde 2008, mas agora algo político está realmente acontecendo ”, diz Simon Bager, estudante de doutorado na Université Catholique de Louvain, na Bélgica, e principal autor do estudo.

Os autores do artigo mapearam 1141 propostas diferentes, provenientes de consultas abertas e workshops, onde a UE recolheu ideias de empresas, grupos de interesse e think tanks. Os pesquisadores também compilaram propostas de um grande número de relatórios de pesquisa, resumos de políticas e outras publicações, onde diferentes partes interessadas apresentaram várias propostas de políticas. Depois de agrupar propostas semelhantes, eles chegaram a 86 sugestões exclusivas.

Duas sugestões se destacam

Não é tarefa fácil encontrar propostas de medidas que tenham o efeito pretendido, mas que também sejam possíveis de implementar na prática e que gozem do apoio político necessário. Mas depois de sua extensa pesquisa, os pesquisadores identificam duas opções de políticas em particular que são promissoras. A primeira é responsabilizar os importadores de produtos por qualquer desmatamento em suas cadeias produtivas, exigindo que realizem as devidas diligências necessárias.

“Se os fornecedores das empresas importadoras têm produtos que contribuem para o desmatamento, a empresa pode ser responsabilizada por isso. Consideramos esse sistema confiável e possível de ser implementado tanto política quanto praticamente – já existem exemplos na França e na Inglaterra onde sistemas semelhantes foram implementados ou estão em processo de implementação ”, disse Simon Bager.

“A due diligence também é a medida mais comum em nossa pesquisa, apresentada por diversos tipos de atores, e há amplo respaldo para essa proposta. No entanto, é importante enfatizar que para que tal sistema tenha impacto sobre o desmatamento, ele deve ser cuidadosamente planejado, incluindo quais empresas são afetadas pelos requisitos e quais sanções e opções de responsabilidade existem. ”

A outra possibilidade é apoiar fóruns de múltiplas partes interessadas, onde empresas, organizações da sociedade civil e políticos se reúnem para chegar a um acordo sobre possíveis medidas para livrar uma cadeia de suprimentos, commodity ou área do desmatamento. Também há exemplos positivos aqui, o mais notável sendo a Moratória da Soja na Amazônia de 2006, quando atores como o Greenpeace e o Fundo Mundial para a Natureza se reuniram com produtores e exportadores de soja e concordaram em acabar com as exportações de soja de áreas desmatadas na floresta amazônica.

“Exemplos como esses demonstram o efeito que os fóruns com várias partes interessadas podem ter. E, em nossa opinião, é uma medida que é mais fácil de ser aceita, porque é uma oportunidade para as partes afetadas se envolverem diretamente no auxílio ao desenho das próprias medidas ”, afirma Martin Persson.

Essas discussões também podem ser adaptadas às áreas ou regiões relevantes, aumentando a probabilidade de apoio local para as iniciativas.

Um equilíbrio delicado

Os pesquisadores também investigaram como lidar com o trade-off entre os impactos das políticas e a viabilidade. Uma parte importante disso é combinar diferentes medidas complementares. As regulamentações comerciais por si só, por exemplo, correm o risco de atingir os países produtores mais pobres e, portanto, devem ser combinadas com ajuda direcionada para ajudar a introduzir métodos de produção mais sustentáveis, aumentando a produtividade sem ter que recorrer ao desmatamento. Isso também reduziria o risco de mercadorias produzidas em terras desmatadas serem simplesmente vendidas em mercados diferentes da UE.

“Se a UE agora se concentra em sua contribuição para o desmatamento, o efeito pode ser que o que é produzido em terras recém-desmatadas é vendido a outros países, enquanto a UE obtém os produtos ‘bons’. Portanto, nossa avaliação é que a UE deve garantir que as medidas introduzidas sejam combinadas com aquelas que contribuem para uma transição geral para o uso sustentável da terra nos países produtores ”, disse Simon Bager.

Em conclusão, os pesquisadores resumem três princípios essenciais necessários para novas medidas, se a UE leva a sério a redução de seu impacto no desmatamento tropical.

“Primeiro, promulgue medidas que realmente sejam capazes de trazer mudanças. Em segundo lugar, use uma série de medidas, combinando diferentes ferramentas e instrumentos para contribuir para a redução do desmatamento. Por fim, garanta o envolvimento direto dos atores da cadeia de suprimentos em regiões particularmente importantes, expandindo e ampliando as medidas ao longo do tempo ”, conclui Simon Bager.

Os autores esperam que a pesquisa e as opções políticas identificadas possam servir de inspiração para formuladores de políticas, ONGs, indústrias e outras partes interessadas que trabalham para lidar com a pegada de desmatamento da UE. Com pelo menos 86 alternativas únicas diferentes, há uma ampla gama de oportunidades para enfocar o problema – muito poucas delas são políticas ‘não iniciadoras’ ou propostas que não teriam efeito sobre a questão.
O estudo completo, Oitenta e seis opções de políticas da UE para reduzir o desmatamento importado, está disponível em acesso aberto na revista One Earth:

Informações mais detalhadas sobre como o estudo foi conduzido:

Para investigar o impacto potencial e a viabilidade política das 1141 propostas, os pesquisadores primeiro as categorizaram com base em quem enviou a proposta, quem a política afetaria e que tipo de política é proposta. Como muitas das propostas eram essencialmente iguais ou semelhantes, elas foram resumidas, resultando em 86 sugestões exclusivas. A maioria se baseia em medidas mais fracas, como disponibilizar mais informações e tipos de apoio aos produtores, em vez de restrições legais e regulamentações sobre importações e exportações. Os pesquisadores interpretam isso como significando que há maior apoio para propostas mais suaves. No entanto, os próprios pesquisadores consideram essas propostas menos eficazes.

“Um exemplo é o rótulo ecológico, onde o objetivo é influenciar o consumidor a deixar de comprar produtos que contribuam para o desmatamento. A intenção é boa, mas pesquisas anteriores não apoiam o argumento de que isso muda o comportamento do consumidor a tal nível que a própria produção é afetada. Mas se, em vez disso, forem introduzidas restrições à importação de bens vinculados ao desmatamento, já se sabe que isso tem efeitos diretos ”, diz Martin Persson.

Depois de avaliar os efeitos prováveis, o próximo passo foi ver quais propostas poderiam realmente receber apoio político e quão complexas e caras a formulação e implementação provavelmente seriam. Para esta avaliação, foram necessárias inovações metodológicas.

“Depois de categorizar as 1141 propostas, pudemos ver quantos stakeholders, e de que tipo, propuseram um determinado tipo de medida. Se a mesma opção foi proposta por muitos atores, de diferentes tipos – organizações ambientais, empresas e autoridades – interpretamos isso como um forte e amplo apoio à proposta ”, explica Martin Persson.

As duas últimas etapas na avaliação das medidas versaram sobre o quão complicado e caro seria realizar as propostas.

“Por exemplo, contratar um instituto de pesquisa para investigar, em um nível detalhado, o que leva ao desmatamento – isso seria muito fácil. Mas um novo imposto ou direito punitivo a nível da UE seria muito difícil e oneroso de implementar com êxito. Existem algumas medidas que a UE pode tomar sozinha, enquanto outras requerem a cooperação com os Estados-Membros individuais ou países terceiros. E aí simplesmente classificamos a dificuldade institucional de implementação de cada proposta ”, diz Simon Bager.

O último aspecto para avaliar a viabilidade política foi examinar o impacto econômico da proposta.

“Se você influencia um grande fluxo de importação , isso resultará em grandes consequências econômicas. Entretanto, direcionar o orçamento de ajuda da UE para apoiar uma produção menos intensiva em florestas teria um impacto financeiro significativamente menor. As consequências para a economia também dependem de quanto um mercado é afetado. É importante que haja vontade de mudar a tributação ou a regulamentação da área ”, diz Martin Persson.

Referência:

Simon L. Bager et al. Eighty-six EU policy options for reducing imported deforestation, One Earth (2021). DOI: 10.1016/j.oneear.2021.01.011

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/03/2021

 



 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top