Pausa pela pandemia ajudou eólica e solar a empurrar carvão para queda recorde

 

termelétrica a carvão

Pausa pela pandemia ajudou eólica e solar a empurrar carvão para queda recorde

Pesquisas revelam que a eletricidade gerada por novas turbinas eólicas e painéis solares em 2020 (+315 TWh) ajudou a forçar uma queda recorde na energia global do carvão (-346 TWh)

Resultado só foi possível porque a pandemia pausou a crescente demanda por eletricidade

Por Cinthia Leone, ClimaInfo

Pesquisas revelam que a eletricidade gerada por novas turbinas eólicas e painéis solares em 2020 (+315 TWh) ajudou a forçar uma queda recorde na energia global do carvão (-346 TWh). Entretanto, o relatório adverte que isto só foi possível porque a pandemia fez uma pausa na crescente demanda mundial por eletricidade. Desde 2015, a crescente demanda de eletricidade superou o crescimento da eletricidade limpa e levou a um aumento dos combustíveis fósseis e das emissões.

“À medida que a demanda de eletricidade for retomando e aumentando, o mundo precisará fazer muito mais para garantir que o carvão continue caindo”, disse Dave Jones, líder mundial da Ember. “Com o uso do carvão já aumentando em 2021 em toda a China, Índia e EUA, é claro que o grande passo para cima ainda está por acontecer”.

A Global Electricity Review publicada hoje pelo think tank de energia Ember analisa os dados de eletricidade de todos os países do mundo para dar a primeira visão precisa da transição global da eletricidade em 2020.

Pausa pela pandemia ajudou eólica e solar a empurrar carvão para queda recorde

A pandemia paralisou o mundo em 2020 e fez uma pausa na crescente demanda mundial por eletricidade. A leve queda na demanda (-0,1%) foi a primeira queda desde 2009, embora tenha sido menor do que o impacto da crise financeira.

O vento e a energia solar mostraram um crescimento resiliente apesar da pandemia, 15% (+314 TWh) em 2020, o que é mais do que toda a produção anual de eletricidade do Reino Unido. O vento e a energia solar fornecem agora quase um décimo da eletricidade global, espelhada em muitos países do G20, incluindo Índia (9%), China (9,5%), Japão (10%), Brasil (11%), EUA (12%) e Turquia (12%). A Europa está liderando o caminho, com a Alemanha em 33% e o Reino Unido em 29%, dando confiança em como o vento e a energia solar podem ser rapidamente integrados ao sistema elétrico.

O crescimento da energia eólica e solar ajudou a empurrar a energia do carvão para uma queda recorde de 4% (-346 TWh). Entretanto, os modelos da Agência Internacional de Energia mostram que a energia a carvão deve cair 14% a cada ano para manter o mundo no caminho certo para 2050 emissões net-zero. À medida que o crescimento da demanda de eletricidade voltar a crescer, o vento e a energia solar precisarão acelerar significativamente para garantir que o carvão continue a cair.

A China isolada enquanto o mundo se afasta da energia do carvão

A China aumentou com sucesso o acesso à eletricidade; a demanda per capita está agora acima do Reino Unido e da Itália. Mais da metade do aumento da demanda desde 2015 foi atendida por fontes limpas, mas 39% foi atendida com carvão. Em 2020, a China foi o único país do G20 que viu um grande aumento na geração de carvão, porque a demanda de eletricidade aumentou acentuadamente.

Os quatro maiores países produtores de carvão, depois da China, todos viram a energia do carvão diminuir em 2020: Índia (-5%), Estados Unidos (-20%), Japão (-1%) e Coréia do Sul (-13%). Em 2020, a China foi responsável por mais da metade (53%) da eletricidade mundial alimentada a carvão.

As emissões ainda não caíram depois de Paris

Apesar da queda recorde no carvão em 2020, as emissões do setor elétrico ainda eram cerca de 2% maiores no ano pandêmico do que em 2015, quando o Acordo de Paris foi assinado. A demanda de eletricidade aumentou 11% (+2536 TWh) desde 2015, mas isto superou o aumento na geração de eletricidade limpa (+2107 TWh). Como resultado, a eletricidade queimada a gás aumentou 11% (+562 TWh) e a geração de carvão caiu apenas 0,8% (-71 TWh).

Dave Jones, líder mundial da Ember, disse: “O progresso está longe de ser suficientemente rápido. Apesar da queda recorde do carvão durante a pandemia, ele ainda ficou aquém do que é necessário”. A energia do carvão precisa entrar em colapso em 80% até 2030 para evitar níveis perigosos de aquecimento acima de 1,5 graus. Precisamos construir eletricidade limpa o suficiente para substituir simultaneamente o carvão e eletrificar a economia global. Os líderes mundiais ainda não acordaram para a enormidade do desafio”.

O Dr. Muyi Yang, analista sênior da Ember, disse: “Apesar de algum progresso, a China ainda está lutando para frear seu crescimento de geração de carvão. O rápido crescimento da demanda por eletricidade está impulsionando o aumento da energia e das emissões de carvão. Um crescimento mais sustentável da demanda permitirá à China eliminar gradualmente sua grande frota de carvão, especialmente as unidades subcríticas de carvão menos eficientes, e proporcionará maiores oportunidades para que o país atinja suas aspirações climáticas”.

* Nota: Para acessar o Global Electricity Review 2021 clique aqui

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Pausa pela pandemia ajudou eólica e solar a empurrar carvão para queda recorde
https://twitter.com/ecodebate/status/1376876873322479627
https://twitter.com/ecodebate/status/1377021580308582402

Top