Relatório da ONU sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos-2021

 

água

Relatório da ONU sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos-2021

Relatório tem como tema o “Valor da Água” e traz um panorama atualizado da situação dos recursos hídricos em diferentes regiões do mundo

Por Thiago Perdigão

O consumo de água doce aumentou em 6 vezes no último século e continua a avançar a uma taxa de 1% ao ano, fruto do crescimento populacional, do desenvolvimento econômico e das alterações nos padrões de consumo. A qualidade do bem diminuiu exponencialmente e o estresse hídrico, mensurado essencialmente pela disponibilidade em função do suprimento, já afeta mais de 2 bilhões de pessoas. Muitas regiões enfrentam a chamada escassez econômica da água: ela está fisicamente disponível, mas não há a infraestrutura necessária para o acesso. E isso em um horizonte cuja previsão de crescimento no consumo é de quase 25% até 2030.

Essas informações fazem parte do relatório lançado em português, nesta terça-feira, dia 23 de março, em evento online organizado pela UNESCO, FAO e Rede Brasil do Pacto Global da ONU. O Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2021 (World Water Development Report – WWDR), desenvolvido com o suporte de mais de 20 agências do Sistema ONU que integram o esforço interagencial denominado ONU-Água (UN-Water), tem como justificativa a necessidade de reconhecermos o valor da água em suas várias dimensões e incorporarmos tais valores intrínsecos e intangíveis em ações políticas e de investimentos no setor.

“Os dados que o relatório apresenta são alarmantes. O mundo deve enfrentar um déficit hídrico de 40% até 2030, caso medidas concretas não sejam tomadas. A solução deve ser guiada por ações conjuntas e integradas entre governos, iniciativa privada, sociedade e ONGs, sobretudo com caráter preventivo e corretivo, que permitam a troca de conhecimentos e expertise no campo da gestão. O caminho são investimentos em pesquisas e coleta de dados para garantir a eficácia da utilização responsável e o reuso da água; em alternativas para o armazenamento e o fornecimento; no combate ao desperdício; e na preservação dos ecossistemas naturais”, afirmou Marlova Jovchelovitch Noleto, diretora e representante da UNESCO no Brasil.

No Brasil, as fontes de captação de água, majoritariamente os mananciais, não assistiu a avanços em inovações que pudessem evitar de forma significativa o desperdício, um dos principais problemas enfrentados. A má qualidade da água nas regiões de baixa renda, resultado da falta de saneamento básico e higiene, é um vetor que afeta todo o sistema de saúde do país. Dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que um em cada dez domicílios brasileiros com acesso à rede de distribuição sofre com a falta de água pelo menos uma vez por semana. Isso corresponde a mais de seis milhões de lares. Em um momento crítico causado pela pandemia da COVID-19, a falta de condições para a higienização multiplica os riscos de contágio.

“O Brasil tem avançado na discussão, mas muito pouco. Somente no ano passado foi aprovado o marco legal do saneamento, mas ainda longe de estar aplicado na prática. A questão da água é fundamental para o país e é preocupante que mesmo com todo o potencial hídrico, tão pouca gente tenha acesso à água. Isso afeta todos os aspectos da sociedade, sobretudo a saúde pública. O ODS 6 “Assegurar acesso universal a água potável e saneamento até 2030″ é fundamental para o planeta”, afirmou Carlo Pereira, diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global.

“O valor agregado da água para as diversas atividades econômicas é subestimado, e outros valores -como os ecossistêmicos, recreativos, culturais e espirituais- são frequentemente negligenciados. É preciso reconhecer que essa lacuna tem resultado em desigualdades no acesso aos recursos e aos serviços hídricos. Além disso, a necessidade de produzir mais alimentos com menos água também é urgente. Hoje, em várias partes do mundo, existe uma disputa entre a água para a agricultura e a água para as cidades -um conflito que deve ser resolvido nesses espaços de governança, sejam eles locais, regionais, nacionais ou supranacionais”, afirmou Rafael Zavala, representante da FAO no Brasil.

O evento de lançamento do levantamento teve as participações da Marlova Noleto, diretora e representante da UNESCO no Brasil, do Carlo Pereira, diretor executivo da Rede Brasil do Pacto Global, e do Rafael Zavala, representante da FAO no Brasil. Este evento é um oferecimento das empresas Oxiteno e Hypera Pharma e contou com o apoio institucional da Unibes Cultural.

O “Relatório mundial das Nações Unidas sobre desenvolvimento dos recursos hídricos 2021: o valor da água; fatos e dados“, completo, pode ser acessado em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000375751_por

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/03/2021

https://twitter.com/ecodebate/status/1374697515426197508

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top