Bahia: Agonizando, Rio do Ouro clama por viver

 

Bahia: Agonizando, Rio do Ouro clama por viver, artigo de Gervásio Lima

[EcoDebate] Uma das maiores ingratidões de Jacobina, no norte da Bahia, principalmente dos seus governantes, em toda a história da civilização do município, é a falta de atenção com aquele que um dia foi imponente e responsável pela geração de energia elétrica, por fornecer água para consumo humano e alimento para inúmeras famílias através dos seus pescados, foi fonte de renda com a garimpagem ilegal, lavanderia comunitária e até mesmo lazer para a população. Hoje relegado, agoniza, esperando a tragédia mais que anunciada, a sua morte.

Trata-se do lendário e histórico RIO DO OURO, o rio que outrora era sinônimo de vida e de alegria, cantado em versos e prosas e o cartão postal mais charmoso e literalmente doce da cidade, mas que atualmente perdeu espaço para esgotos sanitários de residências construídas em suas margens e até mesmo para uma garagem e oficina pública construídas praticamente dentro do seu leito.

O curso de água natural que nasce no também abandonado Parque da Macaqueira é confundido com um canal de esgoto a céu aberto. Sem nenhuma atenção e conservação, o importante Rio do Ouro é vítima de um verdadeiro desastre ambiental. Um crime que vem acontecendo há anos sem nenhuma atuação das autoridades competentes, quiçá da mobilização da população que assiste calada e de camarote a sua destruição.

Como se estivesse pedindo socorro ou avisando do que pode ser capaz, nos últimos temporais as águas do até então ‘tímido’ Rio do Ouro desceram violentamente causando diversos prejuízos materiais, com invasão de residências, destruindo pontes e calçamentos e arrastando veículos. A última barragem que ainda se mantinha em pé também foi levada pela correnteza depois de uma forte chuva.

A revitalização do Rio do Ouro se faz urgente pois a vida corre o risco de não mais se desenvolver em suas águas. A situação é preocupante e precisa que aconteçam discussões e projetos para sua recuperação.

Serviço de capinagem e coletas de lixo que acontecem esporadicamente não resolvem o problema, é preciso um esforço coletivo para a despoluição.

Cada cidadão precisa fazer a sua parte, seja cobrando os cuidados e não colaborando com a poluição e o descaso, evitando usar o leito do rio para descartes de lixo.

O mais jacobinense de todos os rios e principal afluente do Rio Itapicuru Mirim merece respeito e cuidado. É inadmissível e chega ser vergonhoso o tratamento dispensado por todas gestões públicas que tiveram no município com uma das suas maiores preciosidades.

Salve o Rio do Ouro!

Por Gervásio Lima
Jornalista e historiador

rio do ouro, jacobina, ba

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

https://twitter.com/ecodebate/status/1374350225914093571

Top