O futuro da Economia Azul tem que se concentrar na igualdade social e governança

 

O futuro da Economia Azul tem que se concentrar na igualdade social e governança

O futuro de um oceano global equitativo e sustentável, ou “Economia Azul”, depende de mais do que recursos disponíveis para o avanço tecnológico e a expansão da indústria. Um estudo recente liderado pela UBC descobriu que as condições socioeconômicas e de governança, como estabilidade nacional, corrupção e direitos humanos, afetam muito a capacidade de alcançar uma Economia Azul.

Por Katherine Came*
Institute for the Oceans and Fisheries

O estudo, publicado na Nature, pontuou critérios em cinco regiões globais: África, Américas, Ásia, Europa e Oceania, para identificar as áreas de investimento e pesquisa necessárias para desenvolver os recursos oceânicos de uma maneira que seja consistente com o etos da Economia Azul ( socialmente equitativo, ambientalmente sustentável e economicamente viável). Isso inclui: infraestrutura, investimento, equidade econômica e de grupo, igualdade de gênero, direitos humanos, biodiversidade, habitat, qualidade da água, corrupção e estabilidade nacional.

“Descobrimos que existem diferenças consideráveis entre as regiões, onde algumas estão focadas principalmente em recursos, enquanto outras estão realmente tentando garantir que o desenvolvimento atenda aos objetivos sociais e culturais locais”, disse o autor principal Andrés Cisneros-Montemayor, associado de pesquisa do Instituto para os Oceanos e Pescarias da University of British Columbia e vice-diretor da Nippon Foundation Ocean Nexus Center . “Para todos os países, incluindo o Canadá, a pergunta mais importante que precisamos fazer é: como vamos ter certeza de que desenvolveremos esses recursos de uma forma que realmente beneficie as comunidades locais? Caso contrário, estaremos de volta aos negócios normais, onde apenas alguns se beneficiam dos recursos do oceano. É isso que a Economia Azul está tentando mudar ”.

Como os recursos naturais são amplamente, mas desigualmente distribuídos pelos oceanos, muitas áreas não serão capazes de desenvolver múltiplos setores de forma competitiva. Portanto, é importante escolher e administrar os setores com cuidado, pois o desenvolvimento de setores como ecoturismo, pesca, maricultura ou outros pode ser importante em escalas locais, mas pode não ser ecologicamente sustentável ou socialmente desejável em escalas maiores. Os planos de desenvolvimento baseados no oceano para a Ásia e a Europa, por exemplo, priorizam a maricultura e o turismo, mas também setores como o transporte marítimo, a construção de portos e projetos de energia oceânica em grande escala que têm potencial de crescimento econômico, mas benefícios pouco claros para as comunidades locais. A Oceania, por outro lado, priorizou objetivos comunitários, usos tradicionais de recursos e setores emergentes que podem ser desenvolvidos de acordo com as metas locais.

“O Canadá está em uma excelente posição para ser um líder nisso, com costas em três oceanos e muito conhecimento local e capacidade para desenvolver setores com cuidado”, disse Cisneros-Montemayor. “Atualmente está em processo de desenvolvimento do plano de Economia Azul, mas, agora, estamos vendo que o anteprojeto, que na época nosso estudo estava em fase de elaboração, está muito voltado para as novas tecnologias. Ainda assim, como nação, o Canadá se concentrou publicamente na igualdade, inclusão e questões mais profundas, como a reconciliação indígena. Precisamos garantir que essas prioridades nacionais façam parte da estratégia de Economia Azul do Canadá e criem um exemplo com o qual outros possam aprender. No entanto, essas prioridades não estão atualmente refletidas em seu projeto de Economia Azul. O que está acontecendo nos oceanos não é fundamentalmente diferente das questões que acontecem em nível nacional.

“A história nos ensinou que ter ricos recursos naturais não necessariamente apoia o desenvolvimento sustentável, e isso se aplica às economias oceânicas também”, disse William Cheung, co-autor do artigo, professor do Instituto para os Oceanos e Pescarias e Pesquisa do Canadá Presidente em Sustentabilidade do Oceano e Mudança Global). “O investimento global e local na economia azul precisa priorizar o aumento do conhecimento e sua acessibilidade, desenvolvendo uma governança adequada e eficaz, melhorando a equidade social e reduzindo os riscos para o oceano, como a perda de biodiversidade e as mudanças climáticas.”

Distribuição de pontuações de dimensão em oceanos, regiões e grupos de desenvolvimento
Distribuição de pontuações de dimensão em oceanos, regiões e grupos de desenvolvimento

Referência:

Cisneros-Montemayor, A.M., Moreno-Báez, M., Reygondeau, G. et al. Enabling conditions for an equitable and sustainable blue economy. Nature 591, 396–401 (2021). https://doi.org/10.1038/s41586-021-03327-3

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

https://twitter.com/ecodebate/status/1372535771593375747

Top