Terras áridas globais estão experimentando um aquecimento mais rápido do que a média

 

Terras áridas globais estão experimentando um aquecimento mais rápido do que a média

Rumo a uma compreensão mais abrangente das mudanças de aridez nas terras áridas globais

As terras áridas globais estão experimentando um aquecimento mais rápido do que a média e também estão entre as regiões mais vulneráveis às mudanças climáticas.

Todas as métricas meteorológicas apontam para uma tendência emergente de aumento da aridez da superfície, levantando preocupações de desertificação e degradação da terra. No entanto, observações recentes de satélite também mostram áreas secas mais exuberantes, em aparente contradição com a imagem de áreas secas se tornando mais secas.

Em um novo artigo de revisão publicado na Nature Reviews Earth & Environment, uma equipe internacional examinou de forma abrangente as mudanças globais na aridez das terras secas com evidências da literatura e várias fontes de observações da Terra e modelagem numérica. Uma mensagem chave desta síntese é que, considerando o efeito fisiológico do aumento do dióxido de carbono atmosférico (CO2), o aparente paradoxo entre o aumento da aridez da superfície e a exuberante vegetação de sequeiro pode realmente ser resolvido.

College of Urban and Environmental Sciences*, Peking University

Mudanças futuras na aridez dos sistemas atmosférico, eco-hidrológico e socioeconômico sobre as terras áridas
Mudanças futuras na aridez dos sistemas atmosférico, eco-hidrológico e socioeconômico sobre as terras áridas. Imagem: College of Urban and Environmental Sciences, Peking University

Liderada por pesquisadores da Universidade de Pequim, a equipe inclui cientistas com diversos conhecimentos em pesquisa global em terras secas da China, Reino Unido, França, Austrália, EUA e Áustria. Ao empregar uma ampla gama de métricas de aridez, a equipe forneceu um quadro mais completo das mudanças de aridez atuais e futuras nas terras áridas globais. Eles descobriram que as métricas baseadas na atmosfera geralmente mostram uma forte tendência de aumento da secura; enquanto a umidade do solo e o escoamento superficial também implicam em aumento da aridez das terras secas, ainda que em ritmos mais lentos. Em contraste, as métricas baseadas em ecossistemas mostram uma tendência de esverdeamento e redução do estresse hídrico das plantas, apesar do aumento da secura atmosférica. A coocorrência de secagem atmosférica e esverdeamento do ecossistema sobre terras áridas também é confirmada por simulações de modelo da dinâmica da vegetação.

Lian Xu, da Universidade de Pequim, o principal autor deste estudo, explica: “Literalmente, aridez significa abastecimento insuficiente de água para atender à demanda. No entanto, para diferentes partes da superfície terrestre, seus lados de oferta e demanda são diferentes; e eles podem se mover em direções divergentes sob as mudanças ambientais. Portanto, quando diferentes métricas de aridez são reunidas em uma estrutura unificada, elas podem ter tendências muito diferentes ”. Ele acrescentou ainda: “Nenhuma métrica única captura totalmente a natureza complexa da aridez da superfície da terra”.

As temperaturas mais altas aumentam a demanda atmosférica por água e devem agravar o estresse hídrico das plantas. No entanto, as plantas de sequeiro apresentam níveis reduzidos de estresse hídrico graças ao aumento simultâneo da concentração de CO 2 atmosférico . Isso porque os poros das folhas das plantas (estômatos), que permitem a perda de água por meio de um processo denominado transpiração, parcialmente fechados sob maiores concentrações de CO 2 , conservam a água sob o aumento da aridez. Para ecossistemas com estresse hídrico, a água economizada permite que as plantas capturem CO 2 e assim desencadeiem um crescimento mais vigoroso (greening). A redução da transpiração da planta também afeta outros processos da superfície da terra, deixando mais água armazenada no solo e escorrendo pelos rios, mas ao mesmo tempo também tornando o ar próximo à superfície mais quente e seco.

“É sempre tentador definir o estresse hídrico que as plantas sentirão sob as mudanças climáticas pelos novos regimes climáticos que podem enfrentar. Nossa pesquisa mostra que ignorar a resposta fisiológica da vegetação dá um quadro incompleto, já que a capacidade de se ajustar a condições mais secas é mais forte do que o esperado ”, disse Chris Huntingford do UK Centre for Ecology and Hydrology.

Os autores observam que as mudanças futuras nas terras áridas podem ser altamente não lineares e sujeitas a fatores adicionais, como secas repentinas, distúrbios de incêndio e intensificação das atividades humanas, que ainda não são totalmente compreendidos. “Compreender os possíveis comportamentos não lineares e pontos de inflexão das mudanças no ecossistema de sequeiro, e melhorar sua representação nos modelos do sistema terrestre, é uma alta prioridade para pesquisas futuras”, acrescentou Lian.

No futuro, o rápido crescimento populacional e o desenvolvimento socioeconômico nas terras áridas podem aumentar drasticamente a demanda humana de água, o que se tornará a principal força motriz das mudanças na aridez das terras secas, competindo com os ecossistemas por água e representando uma ameaça crescente à saúde do ecossistema. “A gestão dos recursos hídricos de sequeiro e as políticas de mitigação das mudanças climáticas devem considerar como gerenciar a água de maneiras mais eficientes e sustentáveis, para salvaguardar a segurança alimentar e, ao mesmo tempo, manter os ecossistemas saudáveis”, disse Fu Bojie da Academia Chinesa de Ciências, que lidera o Global Programa de Ecossistema de Terras Secas (Global-DEP) com o objetivo de facilitar a sustentabilidade sócio ecológica de terras áridas.

Referência:

Xu Lian et al. Multifaceted characteristics of dryland aridity changes in a warming world, Nature Reviews Earth & Environment (2021). DOI: 10.1038/s43017-021-00144-0
https://www.nature.com/articles/s43017-021-00144-0

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top