Estudo revela a possibilidade de se infectar com duas variantes do COVID-19 ao mesmo tempo

 

Estudo revela a possibilidade de se infectar com duas variantes do COVID-19 ao mesmo tempo

Por: Lorena Guzmán Hormazábal

Cientistas brasileiros confirmaram que um paciente pode ser infectado simultaneamente por duas variantes do vírus SARS-CoV-2, causador do COVID-19 . 

A descoberta implicaria que há uma carga viral tão alta circulando das diferentes cepas do patógeno, que existiriam as condições ideais para que novas e mais perigosas recombinações do vírus ocorressem.

No final de novembro de 2020, em um estudo de vigilância genômica de 92 amostras de pacientes do estado do Rio Grande do Sul, no sul do Brasil, os cientistas identificaram dois pacientes de 30 anos infectados com a variante B.1.1.28 (E484 K) , que surgiu no Rio de Janeiro, mas que ao mesmo tempo deu positivo para as variantes B.1.1.248 ou B.1.91 do vírus. Estes são os dois primeiros casos relatados no mundo de pacientes coinfectados.

Com sintomas relativamente leves e sem necessidade de hospitalização, ambos os pacientes se recuperaram.

Além dos dois casos de coinfecção, por meio da análise genética das 92 amostras, os pesquisadores conseguiram caracterizar cinco diferentes cepas do vírus que estão em circulação no Rio Grande do Sul e uma nova variante, denominada VUI-NP13L.

“Embora as coinfecções com vírus sejam conhecidas e tenham certa recorrência, o achado no Brasil acrescenta uma exigência extra para o manejo da pandemia”.

Vivian Luchsinger, Instituto de Ciências Biomédicas da Faculdade de Medicina da Universidade do Chile.

“Essas coinfecções são reflexo da alta circulação simultânea de diferentes linhagens de vírus em um determinado espaço geográfico”, explica Fernando Spilki à SciDev.Net , coautor do estudo publicado na Virus Research e virologista da Universidade Feevale, no estado do Rio Grande do Sul.

Isso é muito preocupante, segundo o especialista, porque são as condições favoráveis ​​para a recombinação ou surgimento de novas espécies do vírus.

A recombinação genética ocorre quando dois vírus diferentes infectam a mesma célula e se replicam, gerando um “descendente”. Ao contrário das novas linhagens de vírus detectadas até agora, que respondem às mutações pontuais acumuladas uma de cada vez, esse vírus recombinado pode possuir vários aprimoramentos genéticos, ou vantagens evolutivas, ao mesmo tempo.

“Isso pode significar um salto evolutivo para o vírus, tornando-o mais forte do que as outras linhagens”, enfatizou Spilki. E se for mais forte, também pode ser mais infeccioso ou causar sintomas mais graves, e acabar sendo a cepa dominante, acrescentou.

Embora os pesquisadores não tenham detectado recombinações nas amostras estudadas, o risco de ocorrerem é alto. E já haveria prova disso. Cientistas do Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México, Estados Unidos, relataram uma recombinação, durante um webinar organizado pela Academia de Ciências de Nova York no início de fevereiro.

Seriam as cepas britânica e californiana, e seriam as responsáveis ​​pelo aumento de casos em Los Angeles, Estados Unidos. Se confirmada, seria a primeira recombinação detectada durante a pandemia.

Embora as coinfecções com vírus sejam conhecidas e tenham certa recorrência, o achado no Brasil acrescenta uma exigência extra ao manejo da pandemia, disse à SciDev Vivian Luchsinger, virologista do Instituto de Ciências Biomédicas da Faculdade de Medicina da Universidade do Chile .Net , que não fez parte do estudo.

Isso ocorre porque as coinfecções detectadas deixam muitas questões em aberto. “Podem ter sido simultâneos, mas também defasados”, explica o especialista. Se a segunda ocorresse, isso poderia significar que a primeira infecção não oferece proteção contra a segunda, o que tornaria o controle da transmissão ainda mais difícil.

Também não se sabe se um paciente coinfectado pode transmitir ambas as cepas e o que acontece se uma delas tiver uma transmissibilidade mais alta. Também não se sabe o quão comum é a coinfecção, mas é altamente provável que esteja ocorrendo em outro lugar também, disse Luchsinger.

Um estudo anterior – ainda em fase de pré-impressão, sem revisão por pares – constatou que as variantes que surgiram no Brasil são responsáveis ​​pelos últimos aumentos de infecções em seus países de fronteira. Ao colocar restrições ao movimento entre as nações, como foi o caso do Uruguai e da Argentina no final de 2020, as cepas foram geneticamente diferenciadas em cada lado da fronteira, agregando mais variantes.

No final de 2020, foram impostas restrições à movimentação humana entre Brasil e Uruguai, o que teria levado à diferenciação genética das cepas de cada lado da fronteira

No final de 2020, foram impostas restrições à movimentação humana entre Brasil e Uruguai, o que teria levado à diferenciação genética das cepas de cada lado da fronteira, agregando mais variantes. Crédito da imagem: Marcelo Pinto / APlateia, postado em fotospublicas.com , sob licença Creative Commons 2.0

 

Por tudo isso, os especialistas recomendam a manutenção de medidas de distanciamento social, uso de máscaras e continuação da lavagem frequente das mãos, além de restringir ao mínimo as transferências.

Mas eles também pedem vacinas . “A vacinação não deve ser apenas em nível nacional ou regional, mas em nível global para conseguir o controle da pandemia”, alerta Luchsinger. Por isso, acrescenta, os países mais ricos devem necessariamente ajudar os mais pobres a vacinar suas populações.

Fonte: SciDev.Net

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top