Aumento do CO2 atmosférico e o futuro incerto dos oceanos

 

Aumento do CO2 atmosférico e o futuro incerto dos oceanos

Estudo analisa a reação das comunidades de plâncton ao aumento do dióxido de carbono

Helmholtz Centre for Ocean Research Kiel*

As teias alimentares marinhas e os ciclos biogeoquímicos reagem de forma muito sensível ao aumento do dióxido de carbono (CO2) – mas os efeitos são muito mais complexos do que se pensava.

Isso é mostrado em um estudo publicado por uma equipe de pesquisadores do GEOMAR Helmholtz Center for Ocean Research Kiel na revista Nature Climate Change. Os dados foram combinados a partir de cinco experimentos de campo em grande escala, que investigaram como o ciclo do carbono nas comunidades de plâncton reage ao aumento de CO2.

O oceano desempenha um papel fundamental na atual mudança climática, pois absorve parte considerável do dióxido de carbono atmosférico emitido pelo homem. Por um lado, isso retarda o aquecimento do clima e, por outro, a dissolução do CO 2na água do mar leva à acidificação dos oceanos. Isso tem consequências de longo alcance para muitos organismos marinhos e, portanto, também para o ciclo do carbono oceânico.

Um dos mecanismos mais importantes neste ciclo é a chamada bomba biológica de carbono. Parte da biomassa que o fitoplâncton forma na superfície do oceano por meio da fotossíntese afunda nas profundezas na forma de pequenas partículas carbonáceas. Como resultado, o carbono é armazenado por muito tempo no fundo do mar. O oceano atua, portanto, como um sumidouro de carbono no sistema climático. A intensidade com que essa bomba biológica atua varia muito de região para região e depende da composição das espécies no ecossistema.

O estudo, que agora foi publicado na revista Nature Climate Change, é um dos estudos mais abrangentes até agora sobre os efeitos da acidificação dos oceanos nos ecossistemas marinhos. Cientistas do GEOMAR Helmholtz Center for Ocean Research em Kiel puderam agora mostrar pela primeira vez que a acidificação dos oceanos influencia o conteúdo de carbono do material orgânico que afunda e, portanto, a bomba biológica.

Surpreendentemente, as mudanças observadas foram altamente variáveis. O teor de carbono das partículas que afundam aumentou ou diminuiu significativamente com o aumento do CO 2, dependendo da composição das espécies e da estrutura da cadeia alimentar. Uma vez que os dados subjacentes cobrem uma ampla gama de regiões oceânicas, este parece ser um fenômeno global. Essas descobertas permitem uma avaliação completamente nova dos efeitos da acidificação dos oceanos.

Dr. Jan Taucher, biólogo marinho e principal autor do estudo, diz: “Curiosamente, descobrimos que o plâncton bacteriano e animal, como pequenos crustáceos, desempenha um papel fundamental em como o ciclo do carbono e a bomba biológica respondem à acidificação do oceano. Até agora, é amplamente sustentado que as mudanças biogeoquímicas são causadas principalmente por reações do fitoplâncton. Portanto, mesmo os modelos modernos do sistema terrestre não levam em consideração as interações que observamos entre a teia alimentar marinha e o ciclo do carbono. Assim, nossas descobertas ajudam a modelos climáticos mais realistas e melhoram as projeções climáticas ”.

Até agora, a maior parte do conhecimento sobre este tópico tem sido baseada em experimentos de laboratório idealizados, que representam apenas as interações ecológicas e a dinâmica da complexa teia alimentar marinha de uma forma altamente simplificada. Isso torna difícil transferir esses resultados para as condições oceânicas reais e projetá-los no futuro. Para obter uma visão mais realista, o estudo resume vários experimentos de campo que foram conduzidos com instalações de teste de grande volume, os chamados mesocosmos, em diferentes regiões do oceano, desde águas árticas até águas subtropicais.

Os mesocosmos são, por assim dizer, tubos de ensaio superdimensionados no oceano, nos quais as mudanças nas condições ambientais em um ecossistema fechado, mas natural, podem ser estudadas. Para o presente estudo, uma grande quantidade de dados de cinco experimentos de mesocosmo foi sintetizada para fornecer uma imagem mais precisa das comunidades de plâncton e processos biogeoquímicos dentro do ecossistema. Um total de mais de dez mil pontos de dados foram incluídos na análise.

O conhecimento recém-adquirido pode agora ser usado para implementar as complexas interações ecológicas em modelos do sistema terrestre, contribuindo assim para melhorar ainda mais as projeções climáticas.

Referência:

Taucher, J., T. Boxhammer, L.T. Bach, A. J. Paul, M. Schartau, P. Stange and U. Riebesell, 2020: Changing carbon-to-nitrogen ratios of organic-matter export under ocean acidification. Nat. Clim. Change, https://doi.org/10.1038/s41558-020-00915-5

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/10/2020

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top