Reduzir os incêndios florestais e as mudanças climáticas protegerá a saúde

 

queimada

Reduzir os incêndios florestais e as mudanças climáticas protegerá a saúde

Um relatório especial publicado no New England Journal of Medicine, liderado pelo Professor Yuming Guo e Dr. Shanshan Li da Escola Monash de Saúde Pública e Medicina Preventiva, resume os enormes impactos das mudanças climáticas nas temporadas de incêndios florestais e no aumento sequencial da morbidade e mortalidade. e impactos na saúde mental.

Monash University*

O relatório, que analisou vários estudos sobre incêndios florestais nos últimos 20 anos, diz que a mudança climática global está alimentando as três condições essenciais para incêndios florestais – combustível, oxigênio e uma fonte de ignição. O mundo está vendo chuvas inconsistentes, aumento da seca e temperaturas mais altas, levando a uma vegetação mais inflamável.

Ele afirma que a média global de emissões de dióxido de carbono (CO2) de incêndios florestais foi responsável por cerca de 22 por cento das emissões de carbono da queima de combustíveis fósseis entre 1997-2016. A abordagem inconsistente do manejo florestal global e a conversão de savanas tropicais em terras agrícolas estão prejudicando a capacidade do mundo de absorver CO2 e resfriar o clima.

O relatório diz que as projeções sugerem que, se as altas emissões de gases do efeito estufa continuarem, a exposição a incêndios florestais pode aumentar substancialmente para mais de 74% da massa de terra global até o final do século.

No entanto, se esforços imediatos de mitigação do clima forem tomados para limitar o aumento da temperatura média global a 2,0°C ou 1,5°C, os correspondentes 60 por cento e 80 por cento, respectivo aumento na exposição ao fogo poderia ser evitado, diz o relatório.

Para atingir a meta de 1,5 ° C, seria necessário reduzir as emissões líquidas globais de CO2 em cerca de 45 por cento em relação aos níveis de 2010 até 2030 e chegar a zero líquido por volta de 2050. A meta de 1,5 ° C continua a ser alcançável se as emissões de CO2 diminuírem em 7,6 por cento ao ano de 2020 a 2030.

O relatório diz que os impactos devastadores sobre a saúde são ilustrados por vários incêndios florestais grandes e – em alguns casos – sem precedentes. Isso inclui os incêndios florestais australianos de 2019-2020, os incêndios florestais de 2019 e 2020 no Brasil, os incêndios florestais de 2018 e 2020 no oeste dos EUA, os incêndios florestais de 2017-2018 na Colúmbia Britânica, Canadá, e os incêndios florestais recordes em curso no oeste dos EUA Costa.

Junto com o aumento da irritação nos olhos, abrasões da córnea e impactos respiratórios da fumaça, os efeitos psicológicos são tão graves quanto o transtorno de estresse pós-traumático (PTSD), depressão e insônia comuns. As consequências psicológicas dos incêndios florestais podem persistir por anos, com crianças e adolescentes particularmente vulneráveis.

Um estudo de 20 anos sobre adultos expostos a um desastre de incêndio florestal australiano quando crianças em 1983 encontrou um aumento na morbidade psiquiátrica na idade adulta, com eventos de incêndio florestal associados a reduções subsequentes no desempenho acadêmico das crianças.

O relatório diz que a atual troca entre incêndios florestais e mudanças climáticas provavelmente formará um ciclo de feedback de reforço, tornando os incêndios florestais e suas consequências para a saúde cada vez mais graves, a menos que possamos nos unir para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Deste estudo participaram Xu, Rongbin, Yu, Pei, Abramson, Michael da Monash University, Escola de Saúde Pública e Medicina Preventiva; Johnston, Fay; Menzies Institute for Medical Research, University of Tasmania; Samet, Jonathan; Escola de Saúde Pública do Colorado; Bell, Michelle; Universidade de Yale, Escola de Silvicultura e Estudos Ambientais, Haines, Andy; Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, Saúde Pública, Ambientes e Sociedade Ebi, Kristie; Escola de Saúde Pública da Universidade de Washington, Departamento de Saúde Global.

Leia o relatório completo no New England Journal of Medicine intitulado:
Wildfires, Global Climate Change and Human Health
DOI: 10.1056 / NEJMsr2028985
http://dx.doi.org/10.1056/NEJMsr2028985

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/10/2020

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top