Poluição por plástico pode aumentar mais de seis vezes até 2030

 

lixo plástico

Poluição por plástico pode aumentar mais de seis vezes até 2030

Em janeiro de 2018, a China parou de aceitar a maioria dos recicláveis plásticos de nações ocidentais. Em poucos dias, não havia como esconder a quantidade de plástico que as nações estavam produzindo e consumindo. Pilhas de plástico surgiram na Grã-Bretanha, Europa, Canadá, Estados Unidos e em outros lugares. Outras nações orientais começaram a proibir a importação de resíduos plásticos. Governos em todo o mundo estão agora lutando por soluções para mitigar o problema crescente da poluição por plásticos.

Arizona State University*

Agora, um novo estudo mostra que, apesar dos compromissos globais para lidar com a poluição por governos em todo o mundo cumpram seus ambiciosos compromissos para reduzir a poluição por plástico, as emissões anuais de plástico podem aumentar mais de seis vezes até 2030.

O estudo, “Predicted Growth in Plastic Waste Exceeds Efforts to Mitigate Plastic Pollution“, publicado na edição de 18 de setembro da revista Science , avaliou o nível de esforço necessário para atingir uma redução global desejada na poluição por plástico.

Esta é a primeira análise global da magnitude do problema da poluição do plástico ou uma análise do impacto relativo das intervenções, como banir sacos plásticos e canudos, disse Leah Gerber , professora de ciências da conservação na Escola de Ciências da Vida da Universidade do Estado do Arizona e co- investigador do estudo.

Os plásticos demoram para se degradar e, mesmo quando isso acontece, pedaços deles, conhecidos como microplásticos, entram na cadeia alimentar aquática e, por fim, nos humanos. O Great Pacific Garbage Patch , localizado a meio caminho entre a Califórnia e o Havaí, incorpora o problema crescente da poluição por plástico. A mancha cobre 1,6 milhão de quilômetros quadrados, uma área duas vezes maior que o Texas.

Poluição por plásticos – Estima-se que oito milhões de toneladas de resíduos plásticos entram nos oceanos, lagos e rios do mundo anualmente.

O novo estudo, baseado em modelos matemáticos, estima que até 2030, os resíduos plásticos anuais de 173 países podem aumentar para 53 toneladas métricas.

O estudo modelou cenários futuros para atingir uma meta de redução global de menos de 8 toneladas métricas até 2030 usando estratégias de mitigação existentes: redução de resíduos de plástico, que inclui proibições de plástico; melhorar a gestão de resíduos; e limpeza ambiental.

Para atingir essa meta, o estudo constatou que seria necessária uma redução de 25% a 40% nos resíduos plásticos; a gestão de resíduos de plástico teria que aumentar de 6% para 60% nas economias de baixa renda; e uma limpeza de 40% das emissões anuais de plástico seria necessária.

Os resultados do estudo enfatizam que, a menos que o crescimento da produção e do uso do plástico seja interrompido (um cenário improvável), uma transformação fundamental da economia do plástico é essencial; isto é, onde os produtos plásticos em fim de vida são avaliados em vez de descartados como resíduos.

“Há muita atenção popular em relação à limpeza, mas não há tanta atenção ao fato de que ainda estamos produzindo grandes quantidades de plástico”, disse Gerber. “E onde não há boa infraestrutura, esse plástico está se infiltrando em habitats marinhos e aquáticos.”

Os autores do estudo sugerem que, para atingir uma redução substancial nas emissões globais de plástico, é necessária uma mudança significativa nas políticas. Essas mudanças incluem a redução ou eliminação de plásticos desnecessários; estabelecer limites globais para a produção de novos plásticos; criar padrões globais que garantam que os plásticos sejam recuperáveis e recicláveis; e desenvolvimento e dimensionamento de tecnologias de processamento e reciclagem de plástico.

“Nos EUA, somos grandes consumidores de plástico descartável”, disse Gerber. “Tenho esperança de que nossas descobertas levem as pessoas a repensar esses padrões de consumo. Mesmo aqui no Arizona, as escolhas que fazemos impactam o futuro de nossos oceanos.”

Referência:

Predicted growth in plastic waste exceeds efforts to mitigate plastic pollution
BY STEPHANIE B. BORRELLE, JEREMY RINGMA, KARA LAVENDER LAW, COLE C. MONNAHAN, LAURENT LEBRETON, ALEXIS MCGIVERN, ERIN MURPHY, JENNA JAMBECK, GEORGE H. LEONARD, MICHELLE A. HILLEARY, MARCUS ERIKSEN, HUGH P. POSSINGHAM, HANNAH DE FROND, LEAH R. GERBER, BETH POLIDORO, AKBAR TAHIR, MIRANDA BERNARD, NICHOLAS MALLOS, MEGAN BARNES, CHELSEA M. ROCHMAN
SCIENCE18 SEP 2020 : 1515-1518
DOI: 10.1126/science.aba3656

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/09/2020

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top