As consequências da crise climática já chegaram

 

As consequências da crise climática já chegaram

IHU

Os sintomas estão se tornando cada vez mais evidentes. Estamos perdendo a Terra. As consequências do aquecimento global se tornaram irrefutáveis.

Os alertas científicos do passado se consolidam com os fatos do presente, os ecossistemas se retorcem e a inação afasta a humanidade de um cenário otimista. Este verão que se encerra [na Europa] ficará para a história devido à trágica pandemia, mas também devido ao calor global, degelo, incêndios e furacões. É que os meses de julho e agosto de 2020 lançaram muitas certezas sobre a crise climática.

A reportagem é de Alejandro Tena, publicada por Público, 09-09-2020. A tradução é do Cepat.

O nível que marca o mercúrio do termômetro revela que o calor do verão está significativamente acima da média. Tanto é que o Serviço Europeu de Mudanças Climáticas Copernicus registrou um agosto muito mais quente que o normal, com temperaturas 0,44 grau acima da média, que o tornam o quarto mais quente desde que há registros. Longe de ser anedótico, é um número que faz parte de uma tendência climática preocupante com o aumento das temperaturas. O mês de agosto, de 2015 a 2020, foi mais quente globalmente do que qualquer agosto antes desses seis anos.

Desta forma, temperaturas sem precedentes de 55 graus foram registradas no Vale da Morte, na Califórnia. A Sibéria, por sua vez, confirmou que o aquecimento global está sendo mais severo na região ártica do planeta, como explica ao Público a física e meteorologista do Eltiempo.es Irene Santa. “Já foram registrados 38 graus nessa região, quando o normal para essa fase do ano seria 20 graus. Estamos falando de uma anomalia de 18 graus”, explica. “Já sabíamos que o planeta está esquentando, mas isso corrobora que no Ártico chega ao dobro. E não só no verão, as temperaturas médias de janeiro a maio no centro e norte da Sibéria este ano têm sido de 8 graus acima do normal”.

Os termômetros não enganam e as consequências desse calor que perdura nos últimos anos estão deixando consequências diretas nos ecossistemas. Um deles é o derretimento das calotas polares. Nesse sentido, este verão ficará para a história depois que as geleiras da Groenlândia, a segunda maior massa de gelo do mundo, forem reduzidas a um ponto sem volta, conforme noticiado na revista Nature. “O gelo que é descarregado no oceano excede em muito a neve que se acumula na superfície da camada de gelo”, explicam os autores da pesquisa, que mostra que a superfície congelada só aumentaria sua massa de gelo em um de cada cem anos.

As consequências do aumento constante das temperaturas também foram evidenciadas no gelo do Mar de Bering, onde dados de satélite coletados em uma publicação da revista Science Advance revelam que o manto de gelo já atingiu o nível mais baixo de todos os tempos. Algo semelhante acontece com a geleira Reina de los Dolomitas, que já perdeu mais de 80% de seu volume e, segundo informações do The Guardian, pode desaparecer em 15 anos, caso a tendência das altas temperaturas continue. É que o calor – não só no verão de 2020, mas nos últimos anos – fez com que os lagos que são alimentados pela água das geleiras aumentassem em 50% seu tamanho devido ao degelo.

A queda gradativa do gelo confirma os alertas dos cientistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU a respeito da elevação do nível do mar. Em seu último relatório, publicado há apenas um ano, eles já relataram que o degelo havia se acelerado a taxas até 2,5 vezes maiores do que a média do século anterior, o que levará, no melhor dos casos, a que os oceanos aumentem o nível em um metro até o final do século.

A Sibéria queima

Termômetros com números altos na Sibéria deixaram um ecossistema muito mais seco do que o normal, o que permitiu que essa região se tornasse o cenário ideal para o início de um incêndio. Tanto é que esta área da Rússia tem registado um dos maiores megaincêndios do verão, com mais de 300 fontes ativas e cerca de 9,26 milhões de hectares queimados, mais do que a área que Portugal ocupa no mapa, segundo estimativas do Greenpeace.

O fogo nessas áreas do planeta tem consequências mais problemáticas do que em qualquer outro lugar. Por um lado, o fogo queima a turfa, um componente pastoso da planta cujo pavio libera grande quantidade de CO2 na atmosfera. E, por outro lado, o calor das chamas contribui para o derretimento do permafrost – a camada de solo que permanece congelada – e o metano armazenado no subsolo há milhares de anos é liberado. Dessa forma, os incêndios tornam-se consequência e causa da crise climática, pois contribuem para a emissão de toneladas de poluentes que aceleram o aquecimento global.

Além do atípico megaincêndio siberiano, o verão de 2020 deixa outros focos importantes como o atual incêndio da Califórnia – o segundo maior da história do Estado norte-americano – e os incêndios na Amazônia, que estão a caminho de ser os piores registrados em um agosto, há dez anos, segundo especialistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil.

A crise climática é capaz de desencadear ao mesmo tempo fenômenos opostos. Assim, enquanto a Califórnia e a Sibéria ardem, a costa atlântica foi atingida por uma temporada de furacões cuja chegada estava prevista para julho, quando a tempestade Isaías colocou a República Dominicana em xeque e deixou seis mortos nos Estados Unidos. O motivo de esta zona do Atlântico ter sido marcada por grandes tempestades durante o mês de agosto tem a ver com o aumento da temperatura do mar, o que favorece o desenvolvimento deste tipo de fenômeno. Dessa forma, as repercussões da crise climática parecem ir além do calor e visam tornar o planeta um lugar incômodo, onde enchentes, chuvas torrenciais e incêndios são cada vez mais comuns.

(EcoDebate, 14/09/2020) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top