Isolamento social reduziu a incidência de vírus mais comuns, como o da influenza

 

saúde

Isolamento social reduziu a incidência de vírus mais comuns, como o da influenza

O inverno aumenta os casos de doenças respiratórias em crianças. No entanto com o isolamento social, houve a diminuição de contágio de muitas delas.

Por Pollyana Cabral

O vírus que mais ganha destaque no momento é o Sars-CoV-2, causador da Covid- 19, de acordo com o infectologista da Maternidade Brasília Felipe Freitas. “Tem se notado muito o coronavírus de forma leve, que ocasiona quadros gripais, nas crianças porque parece que esse vírus dominou a circulação viral. As medidas de isolamento, como, por exemplo, não ter escola, e os protocolos de higienização reduziram a transmissão dos outros vírus, principalmente de influenza”, explica o especialista.

Estudos comprovam que as doenças respiratórias são as mais frequentes na infância. Aproximadamente 150 milhões de novos casos de pneumonia ocorrem a cada ano. Entre 11 a 20 milhões de crianças necessitam de hospitalização e 2 milhões morrem. No Brasil, as doenças respiratórias, em especial a pneumonia, são responsáveis pela principal causa de morte entre crianças de 1 a 4 anos, contabilizando 22,3% de todas as mortes nesta faixa etária. A frequência de casos de pneumonia costuma resultar em uma alta taxa de de hospitalização, já que 30 a 50% das crianças que procuram atendimento médico de emergência ou básico apresentam sintomas respiratórios.

As doenças respiratórias começam no outono (março) e atingem o pico em julho, agosto, período que caracteriza o inverno e a seca. Felipe Freitas explica a maior quantidade de casos durante este tempo: “90% dos quadros são causados pelos vírus rinovírus, parainfluenza, adenovírus, sincicial respiratório (que o público não conhece tanto). Nessa pandemia, a Covid causa bronquiolite, quadro de pneumonia viral que causa óbito e muita internação em crianças. O vírus influenza não leva a casos tão graves, exceto em gestantes e idosos, mas também acomete crianças nesse período”, afirmou o especialista.

Apesar da Covid-19 ser a doença respiratória em destaque, os sintomas em crianças são mais leves. Além disso, o infectologista recomenda os cuidados necessários para a prevenção das doenças. “O novo coronavírus em crianças é menos grave do que em adultos. A Covid tem passado como quadro respiratório leve comparado a outros tipos de vírus em anos anteriores. Independentemente dos cuidados respiratórios que valem para a Covid, como a higienização (que uma criança muito pequena não consegue seguir), os pais e cuidadores têm que ficar de olho nos sintomas respiratórios e tirar a criança do convívio”, destacou o médico, que ainda lembra da importância de vacinas e os cuidados nos hospitais.

“É muito importante que as crianças mantenham a caderneta de vacinação em dia. Nem todos esses vírus têm vacinas, mas a vacina da influenza, que está indicada para as crianças, já diminui a circulação de alguns desses vírus e de doenças bacterianas que são de transmissões respiratórias. Os protocolos de segurança nos hospitais diminuem a transmissão. É realizada a identificação precoce no pronto socorro, com área especifica para receber esses pacientes, garantindo menor risco para todos”, concluiu o especialista.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/08/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top