Uso intensivo da terra diminuirá ainda mais a polinização, ameaçando as plantas selvagens

 

abelha

Uso intensivo da terra diminuirá ainda mais a polinização, ameaçando as plantas selvagens

Impactos humanos no meio ambiente têm sido associadas ao declínio generalizado de polinizadores

German Centre for Integrative Biodiversity Research (iDiv)*
Halle-Jena-Leipzig

Uma nova pesquisa publicada na Nature Communications mostra que o uso intensivo da terra diminuirá ainda mais a polinização e o sucesso reprodutivo de plantas selvagens, especialmente daquelas que são altamente especializadas em sua polinização. Uma equipe internacional de cientistas liderada por pesquisadores do Centro Alemão para Pesquisa Integrativa da Biodiversidade (iDiv), da Universidade Martin Luther Halle-Wittenberg (MLU) e do Centro Helmholtz para Pesquisa Ambiental (UFZ) realizou uma análise de dados globais que forneceu evidências conclusivas sobre ligações entre o uso humano da terra e a polinização de plantas.

As plantas fornecem recursos, incluindo alimento e abrigo para todos os outros organismos vivos na Terra. A maioria das plantas precisa de polinizadores para se reproduzir, e é por isso que as pesquisas cada vez maiores que mostram o declínio generalizado de polinizadores são preocupantes.

Apesar das preocupações de que estamos enfrentando uma crise de polinização, não sabemos quais tipos de plantas serão mais afetados por declínios de polinizadores e sob quais condições são esperados declínios no sucesso reprodutivo de plantas.

Mudanças no uso da terra são a principal ameaça às plantas e polinizadores. No entanto, diferentes grupos de polinizadores podem ter respostas diferentes às mudanças no uso da terra. Por exemplo, algumas práticas agrícolas podem aumentar a abundância das abelhas, por um lado, mas reduzem a abundância de outros polinizadores, como abelhas selvagens e borboletas, por outro.

A Dra. Joanne Bennett, que liderou a pesquisa como pesquisadora de pós-doutorado na iDiv e MLU e agora está trabalhando na Universidade de Canberra, disse: “As plantas e seus polinizadores desenvolveram relacionamentos ao longo de milhões de anos. Os humanos agora estão mudando esses relacionamentos em apenas alguns anos. ”

Um conjunto de dados globais sobre o uso da terra e limitação de pólen

Para vincular o uso da terra à limitação de pólen, uma equipe internacional de pesquisadores decidiu compilar um conjunto de dados global que quantificou o grau em que o pólen limita o sucesso reprodutivo das plantas. Para isso, eles analisaram milhares de experimentos de suplementação de pólen publicados – experimentos que estimam a magnitude da limitação de pólen, comparando o número de sementes produzidas por flores polinizadas naturalmente com flores que recebem pólen suplementado manualmente.

Joanne Bennett disse: “Se as plantas polinizadas naturalmente produzem menos frutos ou sementes do que as plantas que receberam pólen adicional à mão, então a reprodução dessa população de plantas é limitada – isso é chamado de limitação de pólen. Desta forma, os experimentos de limitação de pólen fornecem uma oportunidade ímpar de vincular a função reprodutiva das plantas à saúde dos serviços de polinização. ”

Quase 20 anos atrás, a Profa. Dra. Tiffany Knight, professor de Alexander von Humboldt na MLU e chefe do grupo de pesquisa de Ecologia de Interação Espacial no iDiv e UFZ, começou a compilar os primeiros conjuntos de dados. Apoiado pelo centro de síntese da iDiv sDiv, Knight e Bennett levaram o projeto a um novo nível, formando um grupo de 16 especialistas de todo o mundo para expandir o conjunto de dados e gerar novas ideias.

Os pesquisadores começaram com 1.000 experimentos em 306 espécies de plantas da Europa e América do Norte. Até o momento, inclui dados de mais de 2.000 experimentos e mais de 1.200 plantas e tem uma distribuição mais global. Tiffany Knight disse: “Um dos componentes mais gratificantes desta pesquisa foi a colaboração com a equipe internacional e a inclusão de estudos publicados em outros idiomas além do inglês.”

Especialistas e plantas em paisagens intensamente utilizadas, altamente limitadas em pólen

Em última análise, esses dados permitiram uma meta-análise global, que mostrou que plantas selvagens em paisagens intensamente utilizadas, como áreas urbanas, são altamente limitadas em pólen. Os pesquisadores descobriram que as plantas que são especializadas em sua polinização estão particularmente em risco de limitação de pólen, mas isso varia entre os diferentes tipos de uso da terra e é baseado em quais taxa polinizadores eles são especializados. Por exemplo, plantas especializadas em abelhas eram menos limitadas em pólen em terras com manejo agrícola do que aquelas especializadas em outros tipos de polinizadores. Isso pode ser porque as abelhas domesticadas apoiam a polinização de plantas selvagens nessas terras.

Os resultados mostram conclusivamente que o uso intensivo da terra está relacionado ao menor sucesso reprodutivo da planta devido ao menor sucesso da polinização.

Isso sugere que a mudança futura no uso da terra diminuirá a polinização e o sucesso reprodutivo das plantas e pode fazer com que as comunidades de plantas se tornem mais dominadas por espécies que são generalizadas em sua polinização.

Referência:

Joanne M. Bennett, Janette A. Steets, Jean H. Burns, Laura A. Burkle, Jana C. Vamosi, Marina Wolowski, Gerardo Arceo-Gómez, Martin Burd, Walter Durka, Allan G. Ellis, Leandro Freitas, Junmin Li, James G. Rodger, Valentin Stefan, Jing Xia, Tiffany M. Knight, Tia-Lynn Ashman (2020). Land use and pollinator dependency drives global patterns of pollen limitation in the Anthropocene. Nature Communications. DOI: 10.1038/s41467-020-17751-y
https://doi.org/10.1038/s41467-020-17751-y

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/08/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top