As mudanças climáticas estão impulsionando quantidades crescentes de água doce no Oceano Ártico

 

degelo no Ártico

Uma nova pesquisa mostra que a mudança climática está impulsionando quantidades crescentes de água doce no Oceano Ártico. Nas próximas décadas, isso levará ao aumento da água doce no Oceano Atlântico Norte, o que pode atrapalhar as correntes oceânicas e afetar as temperaturas no norte da Europa.

• Por Kelsey Simpkins*
University of Colorado Boulder

O artigo, publicado em 27 de julho de 2020 na Geophysical Research Letters , examinou o aumento inexplicável de água doce do Ártico nas últimas duas décadas e o que essas tendências podem significar para o futuro.

“Ouvimos muito sobre mudanças no Ártico em relação à temperatura, como ecossistemas e animais serão afetados”, disse Rory Laiho , co-autor e estudante de doutorado em ciências atmosféricas e oceânicas. “Mas este estudo em particular fornece uma perspectiva adicional sobre o que está acontecendo fisicamente ao próprio oceano, o que pode ter implicações importantes para a circulação e o clima do oceano”.

Desde os anos 90, o Oceano Ártico registrou um aumento de 10% em sua água doce. São 2.400 milhas cúbicas (10.000 quilômetros cúbicos), a mesma quantia necessária para cobrir todos os EUA com quase 1 metro de água.

A salinidade no oceano não é a mesma em todos os lugares, e as águas superficiais do Oceano Ártico já são algumas das mais frescas do mundo devido a grandes quantidades de escoamento de rios.

Essa água doce é o que torna possível o gelo do mar: mantém a água fria na superfície, em vez de permitir que esse líquido mais denso afunde abaixo da água morna e menos densa. Dessa maneira, o Oceano Ártico é muito diferente de outros oceanos. Porém, à medida que mais água doce sai do Ártico, esse mesmo mecanismo de estabilização pode atrapalhar as correntes oceânicas no Atlântico Norte que moderam as temperaturas de inverno na Europa.

Tais rupturas ocorreram antes, durante as “grandes anomalias de salinidade” das décadas de 1970 e 80. Mas esses foram eventos temporários. Se muita água fria do Ártico fluir continuamente para o Atlântico Norte, a rotação do oceano poderá ser interrompida de forma mais permanente.

Ironicamente, isso mitigaria os impactos do aquecimento global durante o inverno no norte da Europa por um tempo. Mas interromper as correntes oceânicas pode ter efeitos negativos no clima a longo prazo e nos ecossistemas do Atlântico Norte.

A principal missão da pesquisa para Alexandra Jahn , autora principal do novo estudo e professora assistente do Departamento de Ciências Atmosféricas e Oceânicas e do Instituto de Pesquisa Ártica e Alpina , e sua aluna de graduação, Laiho, era diferenciar os ciclos de variabilidade natural nas quantidades de água doce do Ártico e no impacto das mudanças climáticas. Eles examinaram os resultados de um conjunto de modelos realizados entre 1920 e 2100.

“Quando analisamos todas as simulações juntas, podemos ver se todas fazem a mesma coisa. Nesse caso, isso se deve a uma resposta forçada ”, disse Jahn. “Se essas mudanças são grandes o suficiente para não ocorrerem sem o aumento de gases de efeito estufa nas simulações de modelos, é o que chamamos de emergência de um sinal claro de mudança climática. E aqui vemos sinais tão claros de mudanças climáticas para a água doce do Ártico durante a década atual. ”

Seus resultados mostraram que o Estreito de Nares, que fica entre a Groenlândia e o Canadá e é o portal mais ao norte entre o Ártico e os oceanos mais ao sul – será o primeiro lugar a observar um aumento nas exportações de água doce atribuível às mudanças climáticas na próxima década. Outros estreitos mais ao sul e leste, incluindo os estreitos de Davis e Fram, serão os próximos a mostrar esse sinal.

Os pesquisadores também executaram os modelos em diferentes cenários de emissões para ver se essas mudanças serão afetadas pelas escolhas de emissões humanas nas próximas décadas. Eles analisaram o cenário “negócios como de costume” (aquecimento de mais de 4 graus Celsius até o final do século) e o que aconteceria se os humanos limitassem o aquecimento a 2 graus Celsius, o limite superior das metas do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas) para Este século.

Eles descobriram que a mudança de água doce no Oceano Ártico e as quantidades que se deslocam pelo estreito do norte não foram afetadas, pois estarão sujeitas a um aumento de água doce antes dos anos 2040 – e as decisões tomadas globalmente nas próximas décadas não os influenciarão, como essas mudanças climáticas já estão em movimento. Mas na segunda metade deste século, os dois cenários divergiram, e aumentos nas quantidades de água doce foram observados em mais locais no cenário de alto aquecimento do que no cenário de baixo aquecimento.

“O que este trabalho está nos mostrando é que provavelmente já estamos enfrentando a primeira dessas mudanças, mas ainda não podemos dizer pelas observações diretas”, disse Jahn.

Toda a água do Oceano Ártico acaba no Atlântico Norte. Mas o tempo é tudo. Ser capaz de prever o momento do surgimento dos sinais das mudanças climáticas permitirá que os cientistas monitorem as próximas mudanças em tempo real e entendam melhor como as mudanças no Oceano Ártico podem impactar o clima em todo o mundo.

“Ele preenche uma lacuna no nosso entendimento atual e nos ajuda a fazer novas perguntas sobre o que está acontecendo fisicamente no Ártico”, disse Jahn.

Referência:
Jahn, A., & Laiho, R. (2020). Forced Changes in the Arctic Freshwater Budget Emerge in the Early 21st Century. Geophysical Research Letters, 47, e2020GL088854. https://doi.org/10.1029/2020GL088854

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/08/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top