Territórios indígenas da Amazônia são cruciais para a conservação

 

rio amazônia

Um novo estudo da Universidade de Helsinque mostra que os territórios indígenas representam cerca de 45% de todas as áreas selvagens remanescentes na Amazônia, compreendendo uma área de três vezes a superfície da Alemanha.

University of Helsinki*

Em um momento em que as florestas amazônicas enfrentam pressões sem precedentes, superar as divergências e alinhar os objetivos dos defensores da natureza e dos povos indígenas é fundamental para evitar maior degradação ambiental.

“Em nosso artigo, mostramos que apoiar os direitos dos povos indígenas é do interesse da agenda de conservação”, diz o Dr. Álvaro Fernández-Llamazares, da Universidade de Helsinque. “O futuro de uma proporção substancial da biodiversidade da Amazônia depende em grande parte de ações coordenadas para apoiar e fortalecer os direitos dos povos indígenas em toda a região.”

Os autores argumentam que a convergência das agendas e prioridades dos conservacionistas e povos indígenas centrados no deserto é mais importante do que nunca, já que alguns governos da região começaram a atropelar os compromissos em relação às metas globalmente acordadas em relação ao meio ambiente e aos povos indígenas. direitos dos povos.

“Não há dúvida de que a Amazônia está em uma encruzilhada em sua história socioecológica”, acrescenta o Dr. Fernández-Llamazares. “Reversões na proteção ambiental e nos direitos dos povos indígenas em toda a região estão abrindo vastas áreas naturais para novas pressões externas”.

Todas essas forças macroeconômicas e políticas estão sendo sentidas nas áreas selvagens e nos territórios dos povos indígenas. No entanto, disputas sobre se a conservação da natureza selvagem deve custar os direitos dos povos indígenas minam o potencial de conservação colaborativa.

Perda mínima de floresta em territórios indígenas na Amazônia

O estudo ressalta o papel substancial dos territórios indígenas na proteção contra o desmatamento por meio de análises geoespaciais avançadas baseadas em dados de satélite disponíveis. Essas terras representam menos de 15% de toda a perda de floresta que ocorre nas últimas fronteiras da região selvagem da Amazônia. Isso é amplamente evidenciado em toda a margem sul da Amazônia, onde os territórios indígenas representam as únicas ilhas de diversidade biológica e cultural na paisagem maior.

“O conceito de região selvagem tem uma história controversa em grande parte do Sul Global, pois se baseia na suposição de que os seres humanos têm impactos inerentemente negativos sobre a natureza”, destaca o professor Eduardo S. Brondizio , pesquisador da Universidade de Bloomington, Indiana, e autor sênior do estudo.

“No entanto, a Amazônia é um exemplo clássico de como as interações de longo prazo entre povos indígenas e florestas podem ser ligadas a resultados ambientais positivos. Sabemos há décadas que uma porção significativa das florestas supostamente intocadas da região são de fato florestas culturais ”, observa ele. “Os povos indígenas, e também outras comunidades tradicionais, mostram que é possível combinar com sucesso os sistemas de conservação, manejo e agrossilvicultura.”

Em vista disso, os autores pedem uma noção mais socialmente inclusiva de região selvagem, a fim de alinhar as agendas e prioridades dos conservacionistas e povos indígenas focados na região selvagem contra uma nova onda de expansão de fronteiras.

Referência:

Fernández-Llamazares Á, Terraube J, Gavin MC, Pyhälä A, Siani S, Cabeza M, Brondizio ES (2020) Reframing the wilderness concept can bolster collaborative conservation. Trends in Ecology & Evolution 2020. doi: 10.1016/j.tree.2020.06.005
https://doi.org/10.1016/j.tree.2020.06.005

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 29/07/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top