Estudo aponta relação entre bairros com mais casos de Covid-19 e o uso de transporte público

 

Análise sugere que maior número de internações está nos bairros em que as pessoas continuaram saindo diariamente para trabalhar, como Capão Redondo, Sapopemba e Cidade Ademar

Por Juliana Stern

Uma análise do Instituto Pólis, realizada em parceria com o LabCidade (Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade), órgão ligado à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, sugere que a Covid-19 está se espalhando de forma mais intensa onde os moradores utilizaram transporte público para trabalhar durante a pandemia.

Os pesquisadores correlacionaram bairros de São Paulo, que mais registraram hospitalizações pela Covid-19 ou Síndrome Respiratória Aguda e Grave (SRAG), por causa não identificada, com o local de origem de trabalhadores que utilizam o transporte público como principal meio de locomoção.

A análise mostrou que os territórios com mais internações na cidade (DataSus), estão localizados em regiões que figuram como os principais pontos de origem das viagens diárias (Pesquisa Origem Destino e SPTrans). São exemplos os bairros de Capão Redondo, Jardim Ângela, Brasilândia, Cachoeirinha, Sapopemba, Iguatemi, Cidade Tiradentes, Itaquera e Cidade Ademar.

Análise sugere que maior número de internações está nos bairros em que as pessoas continuaram saindo diariamente, como Capão Redondo, Sapopemba e Cidade Ademar

Para a análise, foram utilizados dados do Datasus de hospitalizações por Covid-19 e por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda e Grave) não identificada a partir do CEP, referentes a março deste ano até 18 de maio, última data em que os códigos postais dos pacientes foram disponibilizados pelo Ministério da Saúde. Essas informações foram balizadas com as de circulação de ônibus municipais do dia 5 de junho, fornecida pela SPTrans, e dados da Pesquisa Origem Destino, feita em 2017 pelo Metrô de São Paulo, que trata sobre as rotas e motivações dos que usam o transporte público na capital.

Foram consideradas pessoas que utilizam o transporte público para trabalhar, que não possuem ensino superior e que ocupam cargos não executivos. Esse perfil foi selecionado porque, em geral, as pessoas com formação superior, em cargos executivos e profissionais liberais, são as que aderiram ao teletrabalho.

“Em síntese, é possível afirmar que quem está sendo mais atingido pela Covid-19 são as pessoas que tiveram que sair para trabalhar. Entretanto, apesar de termos mapeado os locais que concentram os maiores números de origens ou destinos dos fluxos de circulação por transporte coletivo, não é possível ainda afirmar se o contágio ocorreu no percurso do transporte, no local de trabalho ou no local de moradia”, afirmam os pesquisadores.

“Se o maior número de óbitos está nos territórios que tiveram mais pessoas saindo para trabalhar durante o período de isolamento, temos que pensar tanto em políticas que as protejam em seus percursos como ampliar o direito ao isolamento paras as pessoas que não estão envolvidas com serviços essenciais, mas precisam trabalhar para garantir seu sustento”, completam.

Nota da redação: em relação ao tema “Covid-19 e desigualdade” sugerimos que leia, também:

Desigualdade De Renda E A Pandemia Do Novo Coronavírus (COVID-19)

Coronavírus Expõe As Profundas Desigualdades Da Nossa Sociedade

Desigualdades Deixam O Brasil Mais Vulnerável A Epidemias Como A Do Coronavírus

Dados Das Capitais Brasileiras Mostram A Relação Entre Covid-19 E A Desigualdade

Periferias São Mais Vulneráveis Ao Coronavírus

Risco De Morrer Por Coronavírus Pode Ser Dez Vezes Maior Nas Regiões Com Os Piores Indicadores De Qualidade De Vida

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/07/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top