A temperatura global em 2020 pode ser recorde, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

[EcoDebate] A pandemia do novo coronavírus esfriou a economia, mas não chegou a esfriar muito a temperatura global. O mês de janeiro foi , entre os primeiros meses do ano, o mais quente desde 1880, quando começa a série de registros mundiais. Mas os meses de fevereiro a abril ficaram um pouco abaixo dos recordes de 2016. Contudo, o mês de maio voltou a marcar temperatura recorde.

As instituições de medição meteorológica dizem que o ano de 2020 pode ser mais quente do que os elevados números de 2016, isto porque as regiões árticas da Terra registraram aumentos continuados de temperatura, chegando ao ponto de deixar algumas cidades totalmente sem neve e com temperatura muito elevada.

O ano mais quente do século XX foi 1998 com uma anomalia de 0,65º C em relação à média do século XX. Este nível foi aproximadamente igualado em 2005 e superado apenas em 2010 e 2014. Os anos de 2011 e 2012 apresentaram temperaturas inferiores às de 1998 e isto gerou muito questionamento sobre o aquecimento global, inclusive com muitos cientistas falando em “hiato climático”. Porém, a partir de 2014 os aumentos anuais da temperatura extrapolaram todas as tendências, marcando 0,99º C em 2016 e 0,95º C em 2019, em relação à média do século XX (mas que representa cerca de 1,2º C em relação ao período pré-industrial). Os 6 anos entre 2014 e 2019 foram os mais quentes da série histórica.

O gráfico abaixo, com dados da NOAA, mostra a temperatura mensal dos últimos 7 anos, que são os mais quentes da série que começou no final do século XIX. O ano de 2020 começou batendo todos os recordes para o mês de janeiro, manteve o segundo lugar em fevereiro, março e abril e voltou a apresentar recorde em maio. E 2020 nem é ano de El Niño.

os sete anos mais quentes do Antropoceno

Os dados acima mostram que o aquecimento global entrou em outro patamar. Isto é confirmado pela média dos cinco primeiros meses (janeiro a maio) na série histórica. O gráfico abaixo mostra a média dos primeiros 5 meses de 2016 foi de 1,16º C. e em 2020 foi de 1,10º C, ambos muito acima das médias dos outros anos. A tendência dos 5 meses da atual década (2011-20) apresentou um crescimento de 0,58º no aquecimento. Um número impressionante e que indica que o limite de 1,5º C colocado pelo Acordo de Paris deve ser atingido antes de 2030 e o limite de 2º C deve ser atingido antes de 2040.

temperatura para os cinco primeiros anos: 1880-2020

Matéria do jornal New York Times mostra que houve um declínio drástico nos primeiros meses do ano das emissões globais de gases de efeito estufa. No início de abril, as emissões globais de CO2 caíram cerca de 17 milhões de toneladas por dia, ou 17%, conforme mostra o gráfico abaixo. Mas em meados de junho, quando os países diminuíram seus bloqueios, as emissões subiram e ficaram apenas 5% abaixo da média de 2019. As emissões na China, que representam um quarto da poluição de carbono do mundo, parecem ter retornado aos níveis pré-pandêmicos.

variação na emissão de CO2 de 2020 em relação à 2019

Mas em meados de junho, quando os países diminuíram seus bloqueios, as emissões subiram e ficaram apenas 5% abaixo da média de 2019. As emissões na China, que representam um quarto da poluição de carbono do mundo, parecem ter retornado aos níveis pré-pandêmicos.

Os estudiosos estão surpresos com a rapidez com que as emissões se recuperaram e dizem que qualquer queda no uso de combustíveis fósseis relacionada ao coronavírus é temporária, a menos que os países tomem medidas concertadas para limpar seus sistemas de energia e frotas de veículos enquanto se movem para reconstruir suas economias em dificuldades.

O aquecimento global é a maior ameaça existencial à humanidade. Assim como existe uma emergência de saúde pública (por conta do coronavírus), existe também uma emergência climática por conta do aumento da temperatura global. O mundo precisa aprender com o trauma da covid-19 e acordar para a urgência de se resolver os problemas ambientais do século XXI. Senão teremos uma “Terra inabitável” como mostrou o jornalista David Wallace-Wells. O alerta já está dado, ninguém poderá ser pego desprevenido e desinformado no futuro próximo.

Referência:

ALVES, JED. A dinâmica demográfica global em uma “Terra inabitável”, Revista Latinoamericana de Población, Vol. 14 Núm. 26, dezembro de 2019

https://revistarelap.org/index.php/relap/article/view/239

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/06/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top