Emergência Climática – Modelos climáticos mais recentes mostram secas mais intensas no futuro

 

seca

Por Alvin Stone*, University of New South Wales

Uma análise das novas projeções do modelo climático por pesquisadores australianos do Centro de Excelência em Extremos Climáticos da ARC mostra que o sudoeste da Austrália e partes do sul da Austrália verão secas mais longas e mais intensas devido à falta de chuva causada pelas mudanças climáticas.

Mas a Austrália não está sozinha. Em todo o mundo, várias regiões agrícolas e florestais importantes da Amazônia, Mediterrâneo e África meridional podem esperar secas mais freqüentes e intensas. Enquanto algumas regiões como a Europa central e a zona da floresta boreal são projetadas para ficarem mais úmidas e sofrerem menos secas, essas secas são projetadas para serem mais intensas quando ocorrem.

A pesquisa publicada na Geophysical Research Letters examinou a seca baseada em chuvas usando a última geração de modelos climáticos (conhecidos como CMIP6), que informará o próximo relatório de avaliação do IPCC sobre mudanças climáticas.

“Descobrimos que os novos modelos produziram os resultados mais robustos para as secas futuras até o momento e que o grau do aumento na duração e intensidade da seca estava diretamente relacionado à quantidade de gases de efeito estufa emitida na atmosfera”, disse a autora principal Dra. Anna Ukkola.

“Houve apenas pequenas mudanças nas áreas de seca em um cenário de emissões intermediárias em comparação a um caminho de altas emissões. No entanto, a mudança na magnitude da seca com um cenário de emissões mais altas foi mais acentuada, nos dizendo que a mitigação precoce dos gases de efeito estufa é importante. ”

Grande parte das pesquisas anteriores sobre secas futuras considerou apenas mudanças na precipitação média como métrica para determinar como as secas se alterariam com o aquecimento global. Isso geralmente produzia uma imagem altamente incerta.

Mas também sabemos que, com as mudanças climáticas, é provável que a precipitação se torne cada vez mais variável. Combinando métricas de variabilidade e precipitação média, o estudo aumentou a clareza sobre como as secas mudariam para algumas regiões.

Os pesquisadores descobriram que a duração das secas estava muito alinhada com as mudanças na precipitação média, mas a intensidade das secas estava muito mais ligada à combinação de precipitação média e variabilidade. Prevê-se que regiões com chuvas médias em declínio como o Mediterrâneo, a América Central e a Amazônia experimentem secas mais longas e mais frequentes. Enquanto isso, outras regiões, como as florestas boreais, deverão sofrer secas mais curtas, de acordo com o aumento da precipitação média.

No entanto, a situação é diferente apenas para a intensidade da seca, com a maioria das regiões projetadas para experimentar secas mais intensas devido à crescente variabilidade das chuvas. É importante ressaltar que os pesquisadores não conseguiram localizar nenhuma região que mostrasse uma redução na intensidade futura da seca. Mesmo regiões com aumentos de longo prazo nas chuvas, como a Europa Central, podem esperar secas mais intensas à medida que as chuvas se tornam mais variáveis.

“Prever mudanças futuras na seca é um dos maiores desafios da ciência climática, mas com esta última geração de modelos e a oportunidade de combinar diferentes métricas de seca de uma maneira mais significativa, podemos obter uma visão mais clara dos impactos futuros das mudanças climáticas” disse o Dr. Ukkola.

“No entanto, embora essas idéias se tornem mais claras a cada avanço, a mensagem que elas entregam permanece a mesma – quanto mais cedo agirmos na redução de nossas emissões, menor será o sofrimento econômico e social que enfrentaremos no futuro.”

Referência:

Ukkola, A. M., De Kauwe, M. G., Roderick, M. L., Abramowitz, G., & Pitman, A. J.. ( 2020). Robust future changes in meteorological drought in CMIP6 projections despite uncertainty in precipitation. Geophysical Research Letters, 47, e2020GL087820. https://doi.org/10.1029/2020GL087820

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/06/2020

[cite]

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top