Consumo e Produção Sustentável (CPS), artigo de José Austerliano Rodrigues

 

Consumo e Produção Sustentável (CPS), Consumo e Produção Sustentável, consumo sustentável, produção sustentável, sustentabilidade, o que é consumo sustentável

 

Consumo e Produção Sustentável (CPS), artigo de José Austerliano Rodrigues

[EcoDebate] Em consequência da corrida mundial de consumo, os recursos naturais estão sendo extraídos a uma taxa que é 50% mais elevada do que 30 anos atrás (World watch Institute 2010). Assim sendo, os intensivos estilos de vida consumistas e a produção exigidos para alcançar as demandas dos consumidores puxaram as emissões de CO2 para quadruplicar durante os últimos 50 anos (United Nations Development Programme, 1998). Portanto, torna-se imperativo tentar encontrar novas formas de se pensar sobre consumo, novas políticas, e novos modelos de negócios que venham alcançar uma sustentabilidade global. Contudo, a questão é como reduzir consumo num contexto onde à busca de crescimento e maximização de lucros gera uma cultura de se ter e se desejar cada vez mais objetos materiais.

O Relatório Bruntland “Our Common Futures” (WCED, 1987), publicado há mais de 20 anos trouxe o conceito de desenvolvimento sustentável para o pensamento dominante de políticas e negócios. A análise deste relatório demonstrou claramente a insustentável natureza dos padrões de desenvolvimento existentes, produção e consumo. No debate que seguiu a publicação deste relatório alguns difamaram a disciplina de marketing diante de seu papel de estimular níveis insustentáveis de consumo e direcionar o crescimento do consumo global, enquanto outros focaram no potencial e contribuição do marketing para algumas soluções.

Portanto, Consumo e Produção Sustentáveis (CPS) se tornaram tópicos importantes nas agendas de políticas e de pesquisa durante os últimos dez anos, considerando que o futuro do planeta depende da habilidade da humanidade em proporcionar uma qualidade de vida digna para uma futura geração de 9 bilhões de pessoas sem exaurir os recursos da terra ou danificar irreparavelmente os sistemas biogeoquímicos.

As ideias de políticas públicas sobre Consumo e Produção Sustentáveis (CPS) vêm desde o Relatório Bruntland, acima citado, e da Cúpula da Terra do Rio, em 1992, mas o reconhecimento maior se acelerou depois de 2002, com a reunião de cúpula sobre desenvolvimento sustentável em Joannesburgo (World Summiton Sustainable Development – WSSD), quando a comunidade internacional foi convocada para lutar em direção da melhoria global das condições de vida e encorajar e desenvolver um programa de 10 anos sobre consumo e produção sustentáveis em apoio às iniciativas regionais e nacionais.

Mesmo assim, o termo consumo sustentável não tem uma definição universalmente aceita e é, frequentemente, carente de maior clareza. A revisão da literatura nesta área indica que frequentemente termos como ‘consumo verde’, ‘consumo responsável’ (FISK, 1973) e ‘consumo ético’ apresentam diferenças de objetivos, mas são também usados de forma intercalada. Algumas definições de consumo sustentável se espelham nas definições de desenvolvimento sustentável e nas definições de sustentabilidade do modelo Triple Botton Line.

Portanto, existe uma falta de consenso sobre o que é e como ser sustentável. Da mesma forma acontece com as políticas de consumo sustentável.

Em resumo, o que é e como deve ser o consumo sustentável? Neste artigo, o termo consumo sustentável se refere ao consumo que promove o desenvolvimento sustentável.

Assim sendo, a pesquisa em consumo sustentável tenta compreender e promover os tipos de comportamentos de consumo que contribuem para o desenvolvimento sustentável. Embora profundamente embutida nos campos de pesquisa do consumidor, economia ambiental e ecológica bem como psicologia, muitas outras disciplinas e campos de pesquisa tem contribuído para o avanço deste campo nos últimos anos, entre eles: sociologia ambiental e suas perspectivas de comportamento dos indivíduos socialmente embutidos no contexto social; economia comportamental; ciência política e sua visão de consumidor como um cidadão-consumidor ativo; filosofia aplicada e sua visão teórica em relação às questões éticas; marketing de sustentabilidade, sobretudo em relação à forma de transmissão de mensagens aos consumidores e como tornar o consumo sustentável atrativo; estudos de inovação; análise de sistemas e estudos históricos e de políticas públicas.

José Austerliano Rodrigues, residente em Campina Grande – PB. Doutor em Marketing Sustentável pela UFRJ, especialista em sustentabilidade e marketing e professor, com interesse em pesquisa em sustentabilidade de marketing, marketing sustentável, comportamento do consumidor e responsabilidade social. E-mail: austerlianorodrigues@bol.com.br.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/04/2020

[cite]

 

PUBLICIDADE




 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top