Mudanças climáticas podem causar perdas potencialmente catastróficas de biodiversidade em todo o mundo

 

biodiversidade

Um clima global em aquecimento pode causar súbitas e potencialmente catastróficas perdas de biodiversidade em regiões do mundo todo ao longo do século XXI, revela um novo estudo liderado pela UCL.

University College London*

As descobertas, publicadas na Nature , preveem quando e onde poderá haver graves perturbações ecológicas nas próximas décadas e sugerem que as primeiras ondas já podem estar acontecendo.

O autor principal do estudo, Dr. Alex Pigot (Centro de Pesquisa em Biodiversidade e Meio Ambiente da UCL): “Descobrimos que os riscos das mudanças climáticas para a biodiversidade não aumentam gradualmente. Em vez disso, à medida que o clima esquenta, dentro de uma determinada área, a maioria das espécies poderá por um tempo, antes de cruzar o limiar de temperatura, quando uma grande proporção das espécies enfrentará repentinamente condições que nunca haviam experimentado antes. ”

“Não é uma ladeira escorregadia, mas uma série de bordas do penhasco, atingindo áreas diferentes em momentos diferentes”.

Dr. Pigot e colegas dos EUA e da África do Sul procuravam prever ameaças à biodiversidade ao longo do século XXI, em vez de um instantâneo de um ano. Eles usaram dados do modelo climático de 1850 a 2005 e o fizeram referência cruzada com as faixas geográficas de 30.652 espécies de aves, mamíferos, répteis, anfíbios, peixes e outros animais e plantas. Os dados estavam disponíveis para áreas em todo o mundo, divididas em células quadriculares de 100 por 100 km.

Eles usaram projeções de modelos climáticos para cada ano até 2100 para prever quando as espécies em cada célula da grade começarão a experimentar temperaturas consistentemente mais altas do que o organismo experimentou anteriormente em sua faixa geográfica, por um período de pelo menos cinco anos.

O primeiro autor do estudo, o Dr. Christopher Trisos (Iniciativa Africana para o Clima e Desenvolvimento, Universidade da Cidade do Cabo e Centro Nacional de Síntese para o Meio Ambiente – SESYNC, Maryland, EUA), disse: “Os modelos históricos de temperatura, combinados com a variedade de espécies, nos mostraram o leque de condições em que cada organismo pode sobreviver, até onde sabemos “.

“Quando as temperaturas em uma determinada área atingirem níveis nunca antes experimentados pelas espécies, esperaríamos que houvesse extinções, mas não necessariamente – simplesmente não temos evidências da capacidade dessas espécies persistirem após esse ponto”, afirmou.

Os pesquisadores descobriram que na maioria das comunidades ecológicas do mundo, uma grande proporção dos organismos se encontra fora de seu nicho (zona de conforto) na mesma década. Em todas as comunidades, em média 73% das espécies que enfrentam temperaturas sem precedentes antes de 2100 cruzam esse limiar simultaneamente.

Os pesquisadores preveem que, se as temperaturas globais subirem 4 ° C até 2100, em um cenário de “altas emissões” que os pesquisadores consideram plausível, pelo menos 15% das comunidades em todo o mundo, e potencialmente muitas outras, sofrerão um evento de exposição abrupta onde mais de uma em cada cinco de suas espécies constituintes ultrapassa o limite além do limite de nicho na mesma década. Tal evento pode causar danos irreversíveis ao funcionamento do ecossistema.

Se o aquecimento for mantido a 2 ° C ou menos, potencialmente menos de 2% das comunidades enfrentarão esses eventos de exposição, embora os pesquisadores alertem que, dentro desses 2%, inclui algumas das comunidades mais biodiversas do planeta, como os recifes de coral.

Os pesquisadores preveem que esses regimes de temperatura sem precedentes começarão antes de 2030 nos oceanos tropicais, e eventos recentes como o branqueamento em massa de corais na Grande Barreira de Corais sugerem que isso já está acontecendo. Prevê-se que latitudes mais altas e florestas tropicais estejam em risco até 2050.

Pigot disse: “Nossas descobertas destacam a necessidade urgente de mitigação das mudanças climáticas, reduzindo imediata e drasticamente as emissões, o que poderia ajudar a salvar milhares de espécies da extinção. Manter o aquecimento global abaixo de 2 ° C efetivamente ‘achata a curva’ de como esse risco a biodiversidade se acumulará ao longo do século, proporcionando mais tempo para as espécies e ecossistemas se adaptarem às mudanças do clima – seja encontrando novos habitats, mudando seu comportamento ou com a ajuda de esforços de conservação liderados pelo homem “.

O co-autor Dr. Cory Merow (Universidade de Connecticut) disse: “Esperamos que nossas descobertas possam servir como um sistema de alerta precoce, prevendo quais áreas estarão mais em risco e quando, que possam ajudar a direcionar os esforços de conservação e melhorar as projeções de modelos futuros. Pode ser valioso desenvolver um programa de monitoramento de dez anos – semelhante ao que os cientistas climáticos fazem, mas para a biodiversidade – que pode ser atualizado regularmente com base no que realmente ocorre “.

Referência:

Trisos, C.H., Merow, C. & Pigot, A.L. The projected timing of abrupt ecological disruption from climate change. Nature (2020). https://doi.org/10.1038/s41586-020-2189-9

 

* Tradução e edição de henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/04/2020

Mudanças climáticas podem causar perdas potencialmente catastróficas de biodiversidade em todo o mundo, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 9/04/2020, https://www.ecodebate.com.br/2020/04/09/mudancas-climaticas-podem-causar-perdas-potencialmente-catastroficas-de-biodiversidade-em-todo-o-mundo/.

 

PUBLICIDADE




 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top