Organizações de proteção animal pedem à OMS o fim do comércio de animais silvestres

 

Em várias partes da Ásia, a carne de Pangolim é considerada uma iguaria.
Em várias partes da Ásia, a carne de Pangolim é considerada uma iguaria. Foto: Renctas

 

Mais de 200 organizações de todo o mundo emitiram uma carta para a Organização Mundial da Saúde (OMS) pedindo a proibição permanente do comércio de animais silvestres

Mais de 200 organizações de todo o mundo se juntaram para pedir o banimento do comércio de animais silvestres e o fim do uso dessas espécies pela medicina tradicional. Em carta enviada hoje, 07 de abril, dia mundial da saúde, à Organização Mundial da Saúde (OMS), os signatários, incluindo a Proteção Animal Mundial, organização global que trabalha em prol do bem-estar animal, destacaram as suspeitas que relacionam o surgimento da COVID-19 com o mercado de vida silvestre na China e apelaram para que a OMS tome as medidas cabíveis para cumprir a sua missão de servir a saúde pública em todos os momentos, recomendando que os governos proíbam permanentemente o comércio da vida silvestre para qualquer fim.

Para as organizações, a proibição do comércio de animais silvestres ajudaria a proteger a vida humana de futuras pandemias como o novo coronavírus, uma vez que, 60% das doenças infecciosas emergentes são de origem animal e, acredita-se que 70% delas provêm de animais selvagens.

A carta afirma que, embora seja necessária uma resposta global na detecção, tratamento e redução da transmissão do COVID-19, é igualmente necessário tomar medidas para evitar futuras infecções semelhantes, que afetem o bem-estar social e econômico do mundo. “É urgentemente necessário proibir o comércio de vida silvestre em todo o mundo. Além de evitar condições não regulamentadas e não higiênicas para os animais, o banimento evitaria a proximidade entre humanos e essas espécies exploradas, que gera a oportunidade perfeita para a propagação de patógenos”, afirma a diretora-executiva da Proteção Animal Mundial, Helena Pavese.

Segundo as organizações, o risco da contaminação dos seres humanos por vírus provenientes dos animais silvestres é ainda mais agravado pelas condições cruéis nas quais os animais são criados ou capturados na natureza, transportados e mantidos em mercados. A aglomeração de diferentes espécies sendo mantidas em conjunto causa imenso estresse, enfraquecendo o sistema imunológico e as deixando mais suscetível a doenças.

“A OMS pode ajudar a prevenir futuras pandemias, pedindo que os governos excluam o uso da vida selvagem como matéria-prima para fórmulas de remédios da medicina tradicional e banindo, por completo, o comércio de animais silvestres. Essas ações podem salvar milhões de vidas no futuro e proteger milhões de animais silvestres que são desnecessariamente e cruelmente cultivados ou caçados da natureza para abastecer essa indústria”, finaliza Helena.

As mais de 200 organizações pedem à OMS que:

– Recomende aos governos de todo o mundo que instituam uma proibição permanente dos mercados de vida silvestres, estabelecendo um vínculo entre esta prática e suas ameaças comprovadas à saúde humana;

– Recomende aos governos que lidem com os riscos potenciais à saúde humana do comércio de animais silvestres – incluindo coleta da natureza, pecuária, agricultura, transporte e comércio através de mercados físicos ou online para qualquer finalidade – e ajam para fechar ou limitar tais comércio, a fim de mitigar esses riscos;

– Exclua o uso de animais selvagens, inclusive de espécimes criados em cativeiro, na definição e endosso da Medicina Tradicional da OMS e revise a Estratégia de Medicina Tradicional 2014-2023 da OMS de acordo para refletir essa mudança;

– Ajude os governos e lidere uma resposta coordenada entre a Organização Mundial do Comércio (OMC), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e outras organizações multilaterais em todo o mundo em atividades de conscientização para informar claramente os riscos do comércio de vida silvestre para a saúde pública, coesão social, estabilidade econômica, lei e ordem e saúde individual;

– Apoie e incentive iniciativas que forneçam fontes alternativas de proteína aos consumidores de animais selvagens de subsistência, a fim de reduzir ainda mais o risco para a saúde humana.

 

Fonte: World Animal Protection

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/04/2020

Organizações de proteção animal pedem à OMS o fim do comércio de animais silvestres, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 8/04/2020, https://www.ecodebate.com.br/2020/04/08/organizacoes-de-protecao-animal-pedem-a-oms-o-fim-do-comercio-de-animais-silvestres/.

 

PUBLICIDADE




 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top