Terras protegidas reduzem a perda de habitat e protegem espécies ameaçadas, diz estudo

 

floresta amazônica

Perda de habitat significativamente maior ocorre em terras privadas, indicando a necessidade de esforços de conservação mais uniformes

Tufts University*

Usando mais de 30 anos de imagens de satélite terrestre, cientistas da Universidade Tufts e da organização de conservação sem fins lucrativos Defenders of Wildlife descobriram que a perda de habitat para espécies ameaçadas nos EUA esse período foi duas vezes maior em terras privadas não protegidas do que em terras protegidas pelo governo federal.

Como os animais selvagens enfrentam uma série de ameaças à sobrevivência, que vão desde a destruição de habitats até as mudanças climáticas globais, o estudo, publicado hoje na revista Frontiers in Ecology and the Environment, fornece evidências de que a proteção federal da terra e a listagem sob a Lei de Espécies Ameaçadas dos EUA são ferramentas eficazes para conter perdas no habitat das espécies.

A perda e modificação de habitats são os principais impulsionadores das perdas globais em biodiversidade, levando a reduções no tamanho da população e nas taxas de reprodução de muitas espécies comuns e ameaçadas de extinção. Os cientistas trabalharam para identificar os mecanismos mais eficazes para prevenir futuras perdas de habitat em todo o mundo, mas a maioria dos estudos teve escopo geográfico limitado ou focou apenas em uma ou em uma variedade limitada de espécies.

Com o objetivo de entender em nível nacional como as jurisdições fundiárias e as políticas de conservação se traduzem em proteções de habitat no local, os autores do estudo coletaram dados em larga escala sobre a extensão do habitat nos EUA para 24 espécies de vertebrados, escolhidas dentre as listadas na lista de espécies ameaçadas de extinção. Act (ESA) ou a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza. As espécies examinadas têm faixas que incluem terras de propriedade federal e não federal, cobrindo 49% do país de costa a costa e incluindo todos os principais ecossistemas do continente americano.

Usando bancos de dados nacionais de habitat de vida selvagem, os pesquisadores mapearam as 24 faixas de espécies e acompanharam as mudanças de habitat nessas faixas ao longo do tempo usando o algoritmo LandTrendr do Google Earth Engine. Os dados revelaram que as espécies ameaçadas perderam o menor habitat (3,6%) em terras protegidas pelo governo federal e perderam o maior habitat (8,6%) em terras privadas sem proteção. As terras do estado e as terras protegidas por organizações não-governamentais tiveram perdas de habitat de espécies semelhantes entre si (4,6% e 4,5%, respectivamente), mas ainda maiores que as perdas em terras federais.

Como o estudo cobriu mais de 30 anos de dados (1986 a 2018), os pesquisadores também foram capazes de observar outros efeitos residuais ao longo do tempo, como o impacto relativo de terras protegidas versus não protegidas antes e depois de uma espécie ser colocada no ESA ou Lista Vermelha. Os autores encontraram evidências de que a ESA contribuiu para a proteção de habitats em terras federais, com espécies perdendo menos habitat após serem listadas do que antes.

Os autores observaram que as diferenças em como as leis e proteções de conservação são aplicadas em diferentes contextos podem não servir ao objetivo pretendido pela ESA de preservação de espécies. As espécies não apenas habitam áreas gerenciadas pelo governo federal, como também podem se estender a terras estatais e privadas, e até mesmo as terras pertencentes ao estado não eram tão eficazes quanto as terras federais na proteção de espécies contra a perda de habitat.

Mesmo que a variedade de uma espécie esteja contida em terras protegidas pelo governo federal, essa proteção pode ser comprometida. “Sabemos de pesquisas realizadas por outros cientistas que o desenvolvimento em áreas protegidas pode reduzir a eficácia dessas proteções para animais”, disse Adam Eichenwald, estudante de biologia no laboratório do professor Michael Reed da Tufts e primeiro autor do estudo. “Não apenas isso, mas a mudança climática global pode forçar as espécies a se moverem, o que nos preocupa pode resultar em áreas projetadas para proteger espécies sem nenhum de seus ocupantes protegidos”.

Referência:

US imperiled species are most vulnerable to habitat loss on private lands
Adam J Eichenwald Michael J Evans Jacob W Malcom
Front Ecol Environ 2020; doi:10.1002/fee.2177
https://doi.org/10.1002/fee.2177

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/03/2020

[cite]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top