Voos da NASA detectam milhões de hotspots de metano no Ártico

 

lago thermokarst no Alasca
A imagem mostra um lago thermokarst no Alasca. Os lagos Thermokarst se formam no Ártico quando o permafrost derrete. Crédito: NASA / JPL-Caltech

 

Por Esprit Smith*,
Equipe de Notícias de Ciências da Terra da NASA

O Ártico é um dos lugares de aquecimento mais rápido do planeta. À medida que as temperaturas aumentam, a camada perpetuamente congelada do solo, chamada permafrost, começa a derreter, liberando metano e outros gases de efeito estufa na atmosfera.

Essas emissões de metano podem acelerar o aquecimento futuro – mas, para entender até que ponto, precisamos saber quanto metano pode ser emitido, quando e quais fatores ambientais podem influenciar sua liberação.

Essa é uma façanha complicada. O Ártico se estende por milhares de quilômetros, muitos deles inacessíveis aos seres humanos. Essa inacessibilidade limitou a maioria das observações terrestres a locais com infraestrutura existente – uma mera fração do vasto e variado terreno do Ártico. Além disso, as observações por satélite não são detalhadas o suficiente para que os cientistas identifiquem padrões-chave e influências ambientais de menor escala nas concentrações de metano.

Em um novo estudo, cientistas do Experimento de Vulnerabilidade no Ártico Boreal da NASA (ABoVE) encontraram uma maneira de preencher essa lacuna. Em 2017, eles usaram aviões equipados com o Espectrômetro de Imagem por Infravermelho Visível Aéreo por Aviação – Next Generation (AVIRIS – NG), um instrumento altamente especializado, para sobrevoar cerca de 30.000 quilômetros quadrados da paisagem do Ártico, na esperança de detectar metano pontos de acesso. O instrumento não decepcionou.

“Consideramos hotspots áreas com excesso de 3.000 partes por milhão de metano entre o sensor aéreo e o solo”, disse o principal autor Clayton Elder, do Jet Propulsion Laboratory da NASA, em Pasadena, Califórnia. “E detectamos 2 milhões desses hotspots nas terras que cobrimos”.

O documento, intitulado “Airborne Mapping Reveals Emergent Power Law of Arctic Methane Emissions“, https://doi.org/10.1029/2019GL085707, foi publicado em 10 de fevereiro na Geophysical Research Letters.

Dentro do conjunto de dados, a equipe também descobriu um padrão: em média, os pontos quentes de metano estavam concentrados a cerca de 40 metros de corpos d’água permanentes, como lagos e córregos. Após a marca de 44 jardas, a presença de pontos quentes tornou-se gradualmente mais escassa e, a cerca de 300 metros da fonte de água, eles caíram quase completamente.

Os cientistas que trabalham neste estudo ainda não têm uma resposta completa sobre por que 44 jardas é o “número mágico” para toda a região da pesquisa, mas estudos adicionais que eles conduziram no terreno fornecem algumas dicas.

“Após dois anos de estudos de campo terrestres que começaram em 2018 em um lago no Alasca com um hotspot de metano, descobrimos um descongelamento abrupto do permafrost logo abaixo do hotspot”, disse Elder. “É essa contribuição adicional do carbono do permafrost – carbono congelado há milhares de anos – que basicamente contribui com alimentos para os micróbios mastigarem e se transformarem em metano à medida que o permafrost continua a derreter”.

Os cientistas estão apenas arranhando a superfície do que é possível com os novos dados, mas suas primeiras observações são valiosas. Ser capaz de identificar as causas provávei da distribuição de hotspots de metano, por exemplo, os ajudará a calcular com mais precisão as emissões desse gás de efeito estufa em áreas onde não temos observações. Esse novo conhecimento melhorará como os modelos terrestres do Ártico representam a dinâmica do metano e, portanto, nossa capacidade de prever o impacto da região no clima global e os impactos das mudanças climáticas globais no Ártico.

Elder diz que o estudo também é um avanço tecnológico.

“O AVIRIS-NG foi usado em pesquisas anteriores de metano, mas essas pesquisas se concentraram nas emissões causadas por seres humanos em áreas povoadas e em áreas com grande infraestrutura conhecida por produzir emissões”, afirmou. “Nosso estudo marca a primeira vez que o instrumento foi usado para encontrar pontos de acesso em que os locais de possíveis emissões relacionadas ao permafrost são muito menos compreendidos”.

 

Da Nasa, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/02/2020

[cite]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top